NOSSAS LÍNGUAS SÃO CRIOULAS OU "A" LÍNGUA NÃO HÁ: MITO? VERDADE? OU INTERPRETAÇÃO?

Luiza Katia Castello Branco

Resumo


Compreendemos mito e verdade como interpretação, isto é, discurso, aqui definido como efeito de sentido entre interlocutores (Pêcheux, 1997). A partir do tema proposto neste número, refletimos discursivamente sobre o conceito de língua crioula pelas relações entre línguas no espaço simbólico de Cabo Verde, país membro da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). Questionamos o modo como a sociolinguística, ao conceituar língua crioula, atualiza a memória do mito da língua de origem, pura, e significa como variação linguística as diferentes materialidades das línguas cabo-verdiana e portuguesa, silenciando, neste espaço, o político constitutivo da tensa e incontornável relação unidade/diversidade.

Palavras-chave


análise de discurso – língua crioula – sociolinguística – espaço – sentido

Texto completo:

PDF

Referências


BAXTER, A. Línguas pidgin e crioulas. In: FARIA, Isabel Hub et al. (org.). Introdução à linguística geral e portuguesa. Lisboa: Editorial Caminho, 1996. Coleção Universitária, Série Linguística.

BALIBAR, R. L'institution du français. Essai sur le colinguisme des carolingiens à la République. Paris: PUF, 1985.

BRANCO, L. K. A. C. A língua em além-mar: sentidos à deriva – o discurso da CPLP sobre língua portuguesa. Tese de Doutorado. IEL/Unicamp. 2013. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/270483.

BRANCO, L. K. A. C. Historicidade e sentidos: a palavra crioulo nos discursos sobre a língua de Cabo Verde. Dissertação de Mestrado. Instituto de Letras/ UFF. 2007.

COELHO, M. T. A. D. Algumas considerações sobre Hamlet. Revista Berggasse 19 / Escola Lacaniana de Psicanálise. Rio de Janeiro: ELP Ed., 2007. v.1.

COELHO, A. Os dialectos românicos ou neo-latinos na África, Ásia e América. In: COELHO, A. Estudos linguísticos: crioulos. Lisboa: Academia Internacional da Cultura Portuguesa, 1967 [1881].

COUTO, H. H. Introdução ao estudo das línguas crioulas e pídgins. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1996, 341p. [Segundo livro introdutório à crioulística a ser publicado em português] Home Page da editora: http://www.editora.unb.br

CUNHA, C. Língua, nação, alienação. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981.

DeCAMP, D. Introduction: the study of pidgin and creole languages. In: HYMES, D. (org.). Pidginization and creolization of languages. Cambridge: Cambridge University Press, 1971. p. 13-39.

FOUCAULT, M. O Poder psiquiátrico. São Paulo: Martins Fontes, 2006. p. 301-344.

FREUD, S. Moisés e o Monoteísmo, Esboço de Psicanálise e outros trabalhos (1937-1939). Trad. Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago Editora, 2006.

FREUD, S. Parte I - Parapraxias. In: FREUD, S. Conferências introdutórias sobre psicanálise (Partes I e II). Rio de Janeiro: Imago Editora, 1996. v. XV.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. 2ª ed. SP: Cia. das Letras, 2003.

GUIMARÃES, E. Semântica do Acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas: Pontes, 2005 [2002].

TAYLOR, D.; HALL, R. Pidgin and Creole Languages. Language, 43(3), p. 817-824, 1967. doi: 10.2307/411822.

HENRY, P. A ferramenta imperfeita. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1992 [1977].

HENRY, P. Os fundamentos da 'Análise Automática do Discurso' de Michel Pêcheux (1969). In: HAK, T. e GADET, F. (orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1997 [1983]. p. 13-38.

HYMES, D. (org.). Pidginization and creolization of languages. Cambridge: Cambridge University Press, 1971.

MARIANI, B. Da colonização linguística portuguesa à economia neoliberal: nações plurilíngues. Gragoatá, Niterói (RJ), nº 24, p. 71-88, 1º sem. 2008.

MARIANI, B. Quanto vale uma língua? O apagamento do político nas relações econômicas e lingüisticas. Encontro de Vista, v. 02, jun-dez. 2008a. p. 1-12.

MARIANI, B. O PCB e a imprensa: os comunistas no imaginário dos jornais 1922-1989. Rio de Janeiro: Revan; Campinas, SP: UNICAMP, 1998.

MOTA, M. A. C. da. Línguas em contato. In: FARIA, Isabel Hub et al. (org.). Introdução à linguística geral e portuguesa. Lisboa: Editorial Caminho, 1996. Coleção Universitária, Série Linguística. p. 505- 533.

ORLANDI, E. Língua brasileira e outras histórias: discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas: RG, 2009.

ORLANDI, E. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas: Pontes, 2004.

ORLANDI, E. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 2003.

ORLANDI, E. (org.). História das ideias linguísticas: a construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional. Campinas, SP: Pontes; Cárceres, MT: Unemat Editora, 2001.

ORLANDI, E. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas, São Paulo: Pontes, 2001a.

ORLANDI, E. Discurso e leitura. São Paulo: Cortez, 1988.

ORLANDI, E. A sociolinguística, a teoria da enunciação e a análise do discurso (convenção e linguagem). In: ORLANDI, E. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. São Paulo: Brasiliense, 1983b. p. 88-104.

PÊCHEUX, M. Abertura do colóquio. In: CONAIN, B. et al. (org.). Materialidades discursivas. Campinas: Editora da Unicamp, 2016. p. 23-29.

PÊCHEUX, M. Ler o Arquivo Hoje. Traduzido por M.G.L.M. do Amaral. In: ORLANDI, E. (org.). Gestos de leitura: da história no discurso. 2ª ed. Campinas: Unicamp, 2010 [1994].

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 1997 [1975].

PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso (AAD-69). Trad. E. Orlandi. In: GADET, F.; HAK, T. (orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1997 [1969]. p. 61-161.

PORGE, E. A ronda dos semi-ditos claros. Trad. Paulo Sérgio de Souza Jr. (mimeo)

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2004.

SILVA NETO, S. da. História da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Presença, 1957, 1ª ed.

TARALLO, F.; ALKMIN, T. Falares crioulos: Línguas em contato. São Paulo: Editora Ática, 1987. 142 p. [Primeiro livro de introdução à crioulística escrito em português]

VEIGA, M. A sementeira. Portugal: Editor ALAC, 1994.

VEIGA, M. O crioulo de Cabo Verde: Introdução à gramática. Mindelo: Instituto Cabo-verdiano do Livro e do Disco; Instituto Nacional da Cultura, 1995.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179219433708



ISSN Versão Impressa: 1519-9894
ISSN Versão Digital: 2179-2194
DOI 10.5902/21792194
Endereço Eletrônico: www.ufsm.br/fragmentum

Fragmentum possui caráter público e gratuito, dessa forma, NÃO são cobrados custos ou taxas para submissão, processamento, publicação e leitura dos artigos.

Todo o conteúdo do periódico Fragmentum está licenciado com uma Licença Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

REDES SOCIAIS
Página da Revista no Facebook