SOBRE A NOÇÃO DE PRÁTICAS LINGUAGEIRAS: LUGARES DE EMERGÊNCIA, FILIAÇÕES E FRONTEIRAS

Gesualda dos Santos Rasia

Resumo


Este estudo reflete sobre a designação práticas linguageiras, desde uma perspectiva materialista, entendendo-a como a não dissociação entre o campo da práxis e do conhecimento. Considera como o corte encetado pelo Curso de Linguística Geral (CLG), que propôs a dicotomia língua/ fala, abriga de modo contraditório o estatuto social da língua. Essa problemática dialoga com debates que colocam a referida designação sob o escopo de práticas sociais e históricas, considerando o quanto sua circunscrição se dá desde uma perspectiva política dos sentidos. A partir disso são apresentadas filiações e fronteiras da designação em tela em diferentes vertentes dos estudos da linguagem.


Palavras-chave


práticas linguageiras; trabalho com a língua(gem); político na (da) língua

Texto completo:

PDF

Referências


AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

BOUTET, Josiane. “Discours em situation de travail”, in Langages, n. 29, n. 117, 1995. Disponível em: https://www.persee.fr/issue/lgge_0458-726x_1995_num_29_117?sectionId=lgge_0458-726x_1995_num_29_117_1703. Acesso em 28 de maio de 2018.

CARVALHO, Castelar de. Para compreender Saussure. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

CHARLOT, Bernard. “Práticas linguageiras e fracasso escolar”. Estilos da Clínica. São Paulo, v. 5, n. 9, p. 124-133, 2000.

COURTINE, Jean-Jacques. “O tecido da memória: algumas perspectivas de trabalho histórico nas ciências da linguagem”. In: Polifonia, Cuiabá, n. 12, V. 2, p. 1-13, 2006. Disponível em: http://www.periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/viewFile/1067/840 . Acesso em: 14 de abril de 2018.

FERREIRA, Vitor V. e MONTEZ, Barros. “A linguagem como trabalho: reflexões iniciais sobre a alienação linguística.” In: Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 49, n. 3, p. 356-365, jul.-set. 2014. Disponível em: http://www.ufjf.br/revistaveredas/files/2010/04/artigo-05.pdf . Acesso em: 04/04/18.

FONSECA, Rodrigo O. “O lugar da práxis na análise do discurso”. In: Cadernos do IL Porto Alegre, n. 42, junho de 2011, p. 108-118.Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/cadernosdoil/ Acesso em: 20/05/2018.

GUIMARÃES, Eduardo. Semântica do acontecimento. Campinas, SP: Pontes, 2005.

LABOV, William. Sociolinguistic patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1991 [1972].

MARCELLESI, Jean-Baptiste e GARDIN, Bernard. Introdução à sociolinguística: a linguística social. Lisboa, Ed. Aster, 1975.

NUNES, José Horta. “Léxico de lacunas: quando a representação da língua falha”. In: Estudos linguísticos, São Paulo, n. 37, set.-dez., 2008.

ORLANDI, Eni P. Discurso em análise: sujeito, sentido e ideologia. Campinas, SP: Pontes, 2012.

ORLANDI, Eni P. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

ORLANDI, Eni P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 1999.

ORLANDI, Eni P. Terra à vista: discurso do confronto – velho e novo mundo. São Paulo: Cortez, 1990.

PÊCHEUX, Michel e BALIBAR, Etienne. “Définitions”. In: FICHANT, M. e PÊCHEUX, M. Sur L’histoire des sciences. Paris: François Maspero, 1969.

ROSSI-Landi, F. A linguagem como trabalho e como mercado”. In: ESCOBAR, Carlos H. (org). Semiologia e linguística hoje. Rio de Janeiro: Pallas, 1975.

SAUSSURE, F. de. Curso de Linguística Geral. Organização Charles Bally e Albert Sechehaye; com a colaboração de Albert Riedlinger. Tradução Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. 27ª ed. São Paulo: Cultrix, 1999.

SCHNEUWLY, Bernard e DOLZ, Joaquim. “Os gêneros escolares: das práticas de linguagem aos objetos de ensino. In: Revista Brasileira de Educação, ANPED, n. 11, p. 5-16, mai/jun/jul/ago 1999.Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000171&pid=S1984-6398201200010000700016&lng=pt. Acesso em 20/06/201.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179219433673



ISSN Versão Impressa: 1519-9894
ISSN Versão Digital: 2179-2194
DOI 10.5902/21792194
Endereço Eletrônico: www.ufsm.br/fragmentum

Fragmentum possui caráter público e gratuito, dessa forma, NÃO são cobrados custos ou taxas para submissão, processamento, publicação e leitura dos artigos.

Todo o conteúdo do periódico Fragmentum está licenciado com uma Licença Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

REDES SOCIAIS
Página da Revista no Facebook