A BRASILIANÍSTICA COMO UM CAMPO DE ESTUDOS ALEMÃO SOBRE O BRASIL E SUA LÍNGUA

André Stefferson Martins Stahlhauer

Resumo


Este trabalho consiste em uma observação do espaço de enunciação, conforme o conceito desenvolvido por Eduardo Guimarães, da língua do Brasil na Alemanha. Sob a ótica dos estudos enunciativos sobre as Políticas de línguas, observamos como se constitui um espaço de enunciação para a língua, a cultura e as mídias do Brasil no modo de representá-la no exterior, como uma forma de distribuição política da língua que se dá, pela inserção desses estudos no campo da Brasilianística, configurando simbolicamente um campo científico disciplinar sobre o Brasil no exterior.


Palavras-chave


Brasilianística; língua; Brasil; Alemanha; enunciação

Texto completo:

PDF

Referências


AMBRUSTER, C. Brasilianistik in Deutschland. In.: Wolfgang Bader (Hrsg.) eutsch-brasilianische Kulturbeziehungen - Bestandsaufnahme, Herausforderungen, Perspektiven. Vervuert Verlag 2010. Elisabethenstr. 3-9 D-60594 Frankfurt am Main

AUROUX, S. Pour une Histoire des idées linguistiques. Revue de synthese: 1V' S. NO' 3-4, juil.-dbc. 1988.

AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização. Trad. Eni Orlandi. Campinas: Editora da UNICAMP, 2001.

CHIAPPINI, L. Os estudos de língua e literatura brasileiras no contexto dos estudos portugueses e latino americanos na Alemanha. Revista da ABRALIC. v. 11, n. 15 2009.

FERRARI, M. O Brasilianista por referência. Obituário. In.: Revista FAPESP. Edição 245, 2016. Disponível em: http://revistapesquisa.fapesp.br/2016/07/14/o-brasilianista-por-excelencia/. Último acesso em: 12/07/2018.

FERREIRA, A.C.F. Efeitos do científico na constituição da Linguística e da teoria literária na Unicamp. Revista Línguas e instrumentos linguísticos 22. Campinas. Capes-Procad-Unicamp; Ed. RG, 2008.

GUIMARÃES, E. "Línguas de civilização e línguas de cultura. A língua nacional do Brasil". In. Barros, D.L.P. Os discursos do descobrimento. São Paulo, Edusp/Fapesp. 2000.

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas, SP: Pontes Editores, 2002.

GUIMARÃES, E. Enunciação e Política de línguas. Letras – Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSM. N. 27. Santa Maria, 2003.

GUIMARÃES, E. A língua portuguesa no Brasil. Ciência e Cultura. vol.57. no.2 São Paulo. Apr/June. 2005

GUIMARÃES, E. Análise de Texto: Procedimentos, Análises, Ensino. Campinas: RG, 2011.

RODRIGUES, Suzy Lagazzi. A língua portuguesa no processo de institucionalização da linguística. In. GUIMARÃES, E. e ORLANDI, Eni P. (Orgs). Institucionalização dos estudos da linguagem. A disciplinarização das idéias lingüísticas. Campinas, SP: Pontes, 2002, p. 13-22.

PFEIFFER, C. C. R. A Linguística nas associações: um recorte discursivo de sua institucionalização. In.: Orlandi, E. Política Linguística no Brasil. Campinas: Pontes, 2007.

ORLANDI, E. A língua brasileira. Ciência e Cultura. vol.57. no.2. São Paulo. Apr./June 2005.

ORLANDI, E. Discurso e texto: Formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2012.

SÉRIOT, P. "Ethnos et Demos : la construction discursive de l'identité collective", Langages et Société (Paris : MSH), 1997, n° 79, p. 39-52.

STAHLHAUER, A.S.M. Uma reflexão sobre o ensino de Português brasileiro na Alemanha. Os espaços de enunciação e divisão português e brasileiro. Trabalhos completos ALED-Brasil. ISSN: 2358-9043. São Carlos. 2016.

ZOPPI-FONTANA, M. G.; DINIZ, L. R. A. Declinando a língua pelas injunções do mercado: institucionalização do português língua estrangeira (PLE). In: Estudos linguísticos, São Paulo, 37 (3): 89-119, set-dez.2008.

UNIVERSITAT ZU KOHN. Portuguiesisch/Brasilianisches Institut. Sobre o Instituto Luso-Brasileiro. Disponible em : < http://www.pbi.phil-fak.uni-koeln.de/3209.html?&L=5>. Útimo acesso em: 30/09/2016




DOI: https://doi.org/10.5902/2179219433667



ISSN Versão Impressa: 1519-9894
ISSN Versão Digital: 2179-2194
DOI 10.5902/21792194
Endereço Eletrônico: www.ufsm.br/fragmentum

Fragmentum possui caráter público e gratuito, dessa forma, NÃO são cobrados custos ou taxas para submissão, processamento, publicação e leitura dos artigos.

Todo o conteúdo do periódico Fragmentum está licenciado com uma Licença Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

REDES SOCIAIS
Página da Revista no Facebook