AUTORIA NA CRIAÇÃO LITERÁRIA

Márcia Vescovi Fortunato

Resumo


Este artigo situa as primeiras discussões sobre autoria enquanto direito de propriedade, apresenta concepções que se tornaram referências teóricas pela relevância das discussões promovidas por seus autores, Bakhtin e Foucault e, a partir dessas concepções e em concordância com elas, o artigo observa de uma perspectiva processual, complementar, a autoria como relações que, no momento da criação, o escritor estabelece com a linguagem, em busca da constituição de si mesmo como autor.


Palavras-chave


Autoria; Bakhtin; Foucault; Processo de escrita; Representação de si

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. O problema do conteúdo, do material e da forma na criação literária. In: BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética. A teoria do romance. Tradução Aurora Fornoni Bernardini et al. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2002a, p. 13-70.

BAKHTIN, M. O discurso no romance. In: BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética. A teoria do romance. Tradução Aurora Fornoni Bernardini et al. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2002b, p. 71-210.

BAKHTIN, M. Formas de tempo e de cronotopo no romance. In: BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética. A teoria do romance. Tradução Aurora Fornoni Bernardini et al. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2002c, p. 211-362.

BAKHTIN, M. O autor e a personagem na atividade estética. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003a, p. 3-192. (Original russo, 1920-1930)

BAKHTIN, M. O problema do texto na linguística, na filologia e em outras ciências humanas. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003b, p.307-335.

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

BARTHES, Roland. O Rumor da língua. Tradução António Gonçalves. Lisboa: Edições 70, 1987.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. Tradução Anna Rachel Machado e Péricles Cunha. São Paulo: EDUC, 2003.

CHARTIER, R. A ordem dos livros. Tradução Mary Del Priore. Brasília: UNB, 1994.

FLOWER, L.; HAYES, J. R. Uma teoria do processo cognitivo da escrita. Revera - estudos de criação literária do Instituto Vera Cruz. v.1, n. 1, 2016.

FLOWER, L.; HAYES, J. R. A Cognitive Process Theory of Writing. College Composition and Communication, v. 32, n. 4. p. 365-387, dez. 1981.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. Tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2000.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor?. In: FOUCAULT, Michel. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Organização e seleção de textos Manoel Barros da Motta. Tradução Inês Autran Dourado Barbosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006, p. 264 (Ditos e Escritos, vol 3).

PERL, Sondra. Understanding Composing. College Composition and Communication, USA, v. 31, v. 32, p. 363-369, 1980.

PETRUCCI, Armando. Alfabetismo, escritura, sociedad. Barcelona:Gedisa, 1999.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179219431983



ISSN Versão Impressa: 1519-9894
ISSN Versão Digital: 2179-2194
DOI 10.5902/21792194
Endereço Eletrônico: www.ufsm.br/fragmentum

Fragmentum possui caráter público e gratuito, dessa forma, NÃO são cobrados custos ou taxas para submissão, processamento, publicação e leitura dos artigos.

Todo o conteúdo do periódico Fragmentum está licenciado com uma Licença Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

REDES SOCIAIS
Página da Revista no Facebook