E&D lança nova seção para submissão de artigos

A Revista Economia e Desenvolvimento (E&D) opera em fluxo contínuo e tem a finalidade de divulgar a produção científica na forma de artigos e resenhas visando a promoção do debate acadêmico nas diversas temáticas (teóricas e empíricas) do desenvolvimento econômico, considerando a pluralidade teórica e metodológica que forma a Ciência Econômica.

A partir da edição de 2021, a E&D contará com uma nova seção, delimitando um recorte específico de publicação que se adiciona ao fluxo geral de artigos e resenhas.

 I) Seção “Estado, Mercado e as suas interações no Desenvolvimento”.

 A história informa que Estado Nacional e mercado formaram um sistema imbricado desde as primeiras consolidações na Europa durante a Idade Moderna. E experiências posteriores em diferentes geografias replicam a interatividade entre estas instituições, embora com variantes de forma e intensidade. Alterações tecnológicas, ecológicas, culturais e migratórias, entre outros elementos relevantes, constituem uma paisagem multifacetada que contextualiza as relações entre mercados e Estados. Após a Segunda Grande Guerra do século XX já ocorrera uma radicalização de posições entre a defesa da concorrência de mercado ante o planejamento centralizado. Na última década, houve uma exacerbação de estigmatizações que opuseram Estado a mercado no Brasil. No plano internacional, recentemente a política industrial, fomentada pelos Estados Nacionais, voltou à agenda de debates econômicos. Tem-se aí uma temática recorrente e desafiadora.

 

Estado e mercado são instituições cuja composição rica é sujeita a gradações, transformações e múltiplos enfoque teóricos e analíticos. A revista E&D convida a comunidade acadêmica a submeter artigos que deslindem as interações entre mercados e âmbitos estatais, penetrando nas relações econômicas, políticas e institucionais e desafiando o lugar-comum da polaridade estigmatizada em apelos à ‘eficiência de mercado’ frente a ‘entraves estatais’ ou, inversamente, atribuindo selvageria irrestrita ao individualismo dos agentes de mercado e representatividade social ideal, projetada nas ações estatais.

 

A título de sugestão, e de provocação, listamos subtemas convergentes com a proposta ora apresentada. Obviamente que há outros planos possíveis e estamos abertos a avaliar a sua adequação à seção.

 

1 O papel da burocracia estatal nas economias de mercado.

2 Política Industrial e desenvolvimento

3 Transição Ecológica e Políticas Ambientais

4 Mercados e Estado: aprendizados da pandemia de Covid-19.

5 Os desafios das migrações: mercado de trabalho e cidadania.

6 Regulação da concorrência e eficiência empresarial.

7 Autoridades monetárias frente a autonomia do capital financeiro mundializado.

8 Instituições e desenvolvimento.

 

Aguardamos contribuições para qualificar os estudos sobre o desenvolvimento.


Acesse o volume 32 (2020) disponível para a leitura no sítio eletrônico https://periodicos.ufsm.br/eed/issue/view/1516.

 

Equipe editorial.