Memento mori: Museu Nacional e o arquivo sem museu

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2595523363395

Palavras-chave:

Sistema das artes, arte e arquivo, narrativas visuais,

Resumo

Este artigo parte de uma análise do conteúdo visual compartilhado no Instagram sobre o Museu Nacional do Rio de Janeiro após o incêndio que destruiu quase a totalidade de sua coleção, em 2 de setembro de 2018. Focando na hashtag #museunacionalvive, e concentrando a busca no  primeiro ano após o trágico episódio, discutimos como esse arquivo sem museu (Foster, 1996) pode ser visto como um memorial difuso criado por memórias coletivas. Argumentamos, ainda, que esse memorial involuntário que surge de forma espontânea com o compartilhamento de imagens pessoais de arquivo ou de outras categorias existe também como uma compensação para a falta de programas públicos que tratem da memória e preservação do patrimônio no Brasil. Além disso, também apresentamos algumas proposições sobre o processo de remediação de um arquivo que não existe mais após a perda material da maioria de seus 20 milhões de itens a partir do conjunto de imagens fantasmagóricas que existem enquanto vestígio. Nesse sentido, analisamos uma variedade dessas imagens e possíveis categorizações desse museu imaginário memorialístico compartilhadas pelo público na hashtag #museunacionalvive.

Biografia do Autor

Giselle Beiguelman, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP)

Giselle Beiguelman é artista e professora Livre-Docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP). Pesquisa preservação de arte digital, arte e ativismo na cidade em rede e as estéticas da memória no século 21. Desenvolve projetos de intervenções artísticas no espaço público e com mídias digitais. É autora de vários livros e artigos sobre o nomadismo contemporâneo e as práticas da cultura digital. Foi coordenadora do curso de Design da FAUUSP de 2013 a 2015, onde leciona desde 2011. Entre seus projetos recentes destacam-se Memória da Amnésia (2015), Odiolândia (2017) e Monumento Nenhum (2019). É membro do Laboratório para OUTROS Urbanismos (FAUUSP) e do Interdisciplinary Laboratory Image Knowledge ? Humboldt-Universität zu Berlin. Suas obras artísticas integram acervos de museus no Brasil e no exterior, como ZKM (Alemanha), MAC-USP e MAR (Rio de Janeiro), entre outros. Entre outros prêmios recebeu o Prêmio ABCA (Associação Brasileira dos Críticos de Arte) 2016, categoria Destaque e o Prêmio Sergio Motta de Arte e Tecnologia em 2003. Em 2014, integrou o grupo de 10 net artistas internacionais convidados pelo The Webby Awards para participar da exposição comemorativa dos 25 anos da WWW (The Web at 25). É colunista da Rádio USP e da Revista Zum. Site pessoal: desvirtual.com (Fonte: Currículo Lattes)

Nathalia de Castro Lavigne, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP)

Doutoranda na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), na área de concentração Projeto, Espaço e Cultura, orientada pelo Profa. Dra. Giselle Beiguelman. Possui mestrado em Cultural and Critical Studies pela Birkbeck, University of London (2014) e gradução em Jornalismo pela PUC-RJ (2004). Atua hoje como crítica de arte, pesquisadora e curadora, após uma carreira de dez anos como jornalista em veículos como O Estado de S. Paulo e Folha de São Paulo. É integrante do projeto de pesquisa Estéticas da Memória do Século 21, coordenado por Giselle Beiguelman, e colaboradora da publicação Artforum. Entre novembro de 2018 e abril de 2019, é pesquisadora visitante da The New School, sob a orientação da Profa. Dra. Christiane Paul.

Referências

ARAÚJO, Ana Lúcia. The Death of Brazil’s National Museum. The American Historical Review, 124(2), 2019. pp.569-580.

BARBON, Júlia. Museu Nacional quer reabrir ao público em 2022, Folha de São Paulo, 26 de agosto de 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2019/08/museu-nacional-quer-reabrir-uma-parte-do-palacio-para-o-publico-em-2022.shtml (Acesso em 2 de dez. de 2020).

BARIFOUSE, Rafael. Em 2017, mais brasileiros foram ao Louvre, em Paris, do que ao Museu Nacional, BBC News Brasil, 3 setembro de 2018. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-45402234> (Acesso em 2 de dez. de 2020).

BARTHES, Roland. Camera Lucida. London: Vintage Books, 2000.

BEIGUELMAN, Giselle. ‘Beleza Compulsiva Tropical’ em BEIGUELMAN, Giselle. Memória da amnésia: políticas do esquecimento. São Paulo, Edições Sesc, pp. 312-331.

BUDGE, Kylie (2017). "Objects in focus: Museum visitors and Instagram." Curator: The Museum Journal 60.1 pp. 67-85.

CASTELLS, Manuel. ‘Museus na era da informação: conectores culturais de tempo e espaço’. Em: Revista Musas (5): 8-21, year VII, 2011. Disponível em: http://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2015/01/Revista-Musas-5.pdf (Acesso em 2 de dez. de 2020).

COELHO, Alexandra. “Eduardo Viveiros de Castro: ‘Gostaria que o Museu Nacional permanecesse como ruína, memória das coisas mortas,’” O Público, 4 de Setembro de 2018. Disponível em: https://www.publico.pt/2018/09/04/culturaipsilon/entrevista/eduardo-viveiros-de-castro-gostaria-que-o-museu-nacional-per manecesse-como-ruina-memoria-das-coisas-mortas-1843021. (Acesso em 2 de dez. de 2020).

FOSTER, Hall. ‘The archive without museums.’ October 77, 1996, pp. 97-119.

FROSH, Paul; PINCHEVSI, Amit, eds. Media witnessing: Testimony in the age of mass communication. New York: Palgrave, 2009.

GRAHAM, Beryl. ‘Exhibition Histories and Futures: The Importance of Participation and Audiences’. Em PAUL, Christiane. A Companion to Digital Art, West Sussex: Willey Blackwell, 2016, pp. 575-596.

GRESCHKO, Michael Greschko, M. ‘Fire Devastates Brazil's Oldest Science Museum’, National Geographic, 6 de setembro de 2018. Disponível em: https://www.nationalgeographic.com/science/2018/09/news-museu-nacional-fire-rio-de-janeiro-natural-history/ (Acesso em 2 de dez. de 2020).

GROYS, Boris. In the flow. London: Verso Books, 2016.

HOSKINS, Andrew. ‘Digital network memory’. Em: Erll, A. and Rigney, A. (eds.) Mediation, Remediation, and the Dynamics of Cultural Memory. Series: Media and cultural memory (6). Walter de Gruyter: Berlin, Germany, 2009, pp. 91-106.

__________. ‘Digital media and the precarity of memory’. Em Meade, L.; Harris, B.; Bergen, V. Sutton, J.; Barnier, A. Collaborative Remembering: Theories, Research, and Applications. Oxford University Press: Oxford, UK, 2017, pp. 371-385.

HUYSSEN, Andreas. Twilight memories: Marking time in a culture of amnesia. New York: Routledge, 2012.

_________. (2016) ‘Memory things and their temporality’, Memory Studies, 9(1), pp. 107–110.

MALRAUX, André. O Museu Imaginário. Lisboa: Edições 70, 1965.

MANOVICH, Lev. Instagram and Contemporary Image, 2017 [on line]. Disponível em: <http://manovich.net/index.php/projects/instagram-and-contemporary-image>(Acesso em 2 de dez. de 2020).

MUSEU NACIONAL ‘Museu Nacional apresenta balanço depois de um ano’ [2019, online]. Disponível em: http://www.museunacional.ufrj.br/destaques/balan%C3%A7o_resgatehtml.html >(Acesso em 2 de dez. de 2020).

NORA, Pierre. ‘Between memory and history: Les lieux de mémoire’. representations, 1989, pp.7-24.

WILLIAMS, Paul. Memorial museums: the global rush to commemorate atrocities. Oxford, New York: Berg, 2007.

SONTAG, Susan Sontag, S. On Photography. New York: Rosetta Books, 2005.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Como Citar

Beiguelman, G., & Lavigne, N. de C. (2020). Memento mori: Museu Nacional e o arquivo sem museu. Contemporânea - Revista Do PPGART/UFSM, 3(6), e4. https://doi.org/10.5902/2595523363395

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)