A FITA DE MOEBIUS OU A EXPERIÊNCIA INFINITA: DESCONSTRUÇÃO E DESCOLONIALIDADE NA OBRA DE CAROLA SAAVEDRA

Ilse Maria da Rosa Vivian

Resumo


A figuração do homem, ao problematizar a violência do passado e reinscrevê-la, transgredindo fronteiras de tempo e de espaço e rompendo com subversão da tradição do silêncio e do esquecimento, instaura um reordenamento ideológico que vai de encontro às antigas significações da colonialidade, por longo tempo tão perpetuadas no imaginário brasileiro. Mediante as representações do mundo contemporâneo, cujas complexas relações instauram-se entre subjetividades, etnias, religiões e nacionalidades, proponho a apresentação do estudo da obra Com armas sonolentas (2018), de Carola Saavedra, com o objetivo de, pelo viés da Teoria da Narrativa, dos Estudos Culturais e Pós-coloniais, sob uma perspectiva fenomenológica, analisar o movimento de (re/des)construção da memória e suas aproximações com as epistemologias chamadas Descoloniais.


Palavras-chave


Literatura Brasileira. Narrativa contemporânea. Memória. Descolonialidade. Carola Saavedra.

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Obras escolhidas. Vol. I. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BARBERENA, Ricardo; CARNEIRO, Vinícius (Orgs.). Das luzes às soleiras: perspectivas críticas na literatura brasileira contemporânea. Porto Alegre: Luminara Editorial, 2014.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Trad. Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. Vol. I. 2. ed. São Paulo: Ed. 34, 2011.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. Trad. Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, 2015.

FANON, Franz. Os condenados da terra. Trad. Enilce Albergaria Rocha,Lucy Magalhães. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2010.

MIGNOLO, Walter D. El pensamiento decolonial: desprendimiento y apertura. Un manifiesto. In: CASTRO-GOMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. (Comp.).El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007. Disponível em: http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/6808/1/000461224-Texto%2BCompleto-0.pdf

QUIJANO, Aníbal. Dom Quixote e os moinhos de vento na América Latina. Estudos Avançados, v.19, n.55, São Paulo, set./dez. 2005.

RESTREPO, Eduardo. Infléxion decolonial: fuentes, conceptos y cuestionamientos. Colombia, Cauca: Editorial del Universidad del Cauca, 2010.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Trad. Alain François [et al.]. São Paulo: Editora da UNICAMP, 2007.

RICOEUR, Paul. O si-mesmo como um outro. São Paulo: Papirus, 1991.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Trad. Claudia Berliner. v. 1, 2, 3. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

SAAVEDRA, Carola. Com armas sonolentas. São Paulo: Cia. Das Letras, 2018.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Trad. Rosa Freire de d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SCHOLLHAMMER, Karl Erik. Ficção brasileira contemporânea. 2.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

VIVIAN, Ilse M. R. A poética da memória: uma leitura fenomenológica do eu em Terra sonâmbula e Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra, de Mia Couto. Tese. 187 p. PUCRS, 2014. Disponível em:

http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/6808/1/000461224-Texto%2BCompleto-0.pdf

ZÉRAFFA, Michel. Pessoa e personagem: o romanesco dos anos 1920 aos anos de 1950. Trad. Luiz João Gaia e J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5902/1516849238704

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores da revista L&C:

                                                                                          


Órgãos aos quais a revista L&C pertence:

 

                              

 

E-ISSN 2674-6921. Revista Qualis B3, área de Letras e Linguística, Classificações de Periódicos Quadriênio 2017-2020 (CAPES).