A SAÚDE ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CAMPO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

Taiani Correa da Costa, Luciana Flores Battistella

Resumo


ste estudo teve como objetivo identificar a percepção dos Técnicos Administrativos em Educação acerca da saúde organizacional em uma instituição pública de ensino superior. Adotou-se a Escala de Percepção de Saúde Organizacional (EPSaO) revalidada por Gomide Jr. e Fernandes (2007) para conduzir uma pesquisa do tipo survey. Posteriormente, foi realizada uma análise fatorial exploratória. A escala EPSaO, antes com 27 fatores e 2 dimensões, passou a contar com 22 variáveis distribuídas nos 6 fatores encontrados, divergindo, assim, do estudo original. O primeiro fator refere-se a “Integração de equipes”; o segundo diz respeito a “Capacidade de flexibilidade da organização; o terceiro fator “Relação entre pessoas”; o quarto “Cooperação entre pessoas”; o quinto fator “Objetivos organizacionais”; o sexto fator “Valor do trabalho”. A versão da EPSaO, resultante desse estudo, sugere a necessidade de maior investigação quanto ao número de fatores para medir a percepção de saúde organizacional.

Palavras-chave


Saúde organizacional; Comportamento organizacional; Serviço Público.

Texto completo:

PDF

Referências


BALTZER, M.; WESTERLUND, H.; BACKHANS, M.; MELINDER, K. (2011) Involvement and structure: a qualitative study of organizational change and sickness absence among women in the public sector in Sweden. BMC public health. London, v. 11, p. 318, May.

BENNIS, W.G. (1962) Towards a truly scientific management: The concept of organizational health. General Systems Yearbook, 7, 269–282.

CARNEIRO, S. A. M. (2006). Saúde do trabalhador público: questão para a gestão de pessoas – a experiência na Prefeitura de São Paulo. Revista do Serviço Público - Brasília 57 (1): 23-49 Jan/Mar.

CASSANDRE, M. P. (2011) A Saúde de Docentes de Pós-graduação em Universidades Públicas: Os Danos Causados pelas Imposições do Processo Avaliativo. Revista Mal-estar e subjetividade – Fortaleza - vol. XI - Nº 2 - p. 779 - 816 - jun.

COX, T.; HOWARTH, S. (1990) Organizational health, culture and helping. Work and Stress, London, v. 4, n. 2, p. 107-110.

CRESWELL, J. W. (2010) Projeto de pesquisa: método qualitativo, quantitativo e misto. – 3. ed. – Porto Alegre : Artmed.

DEJOY, D.M.; WILSON, M.G. (2003) Organizational Health Promotion: Broadening the Horizon of Workplace Health Promotion. American Journal of Health Promotion, 17 (5), p. 337-341.

FARIA, R. M. O.; LEITE, I. C. G.; SILVA, G. A. (2017) O sentido da relação trabalho e saúde para os assistentes em administração de uma universidade pública federal no Estado de Minas Gerais. Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 27 [ 3 ]: 541-559. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312017000300009.

FERNANDES, M. N.; GOMIDE JR., S.; OLIVEIRA, A. F. (2011). Saúde Organizacional: uma Proposta de Modelo de Análise. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 11, 1, jan-jun 2011, p. 54-65.

FILHO, J. M. J. (2015) Engajamento no trabalho, impedimentos organizacionais e adoecer: a contribuição da Ergonomia da Atividade no setor público brasileiro. Rev. bras. Saúde ocup., São Paulo, 40 (131): 98-108.

GEORGOPOULOS, B.; TANNENBAUM, A.S. (1957). A study of organizational effectiveness. American Sociological Review, Washington, 22, 534-540.

GIL, A. C. (2009) Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. – 12. São Paulo : Atlas.

GOMIDE JR., S.; FERNANDES, M.N. (2008) Saúde Organizacional. IN: SIQUEIRA, M.M.M. Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão / Mirlene Maria Siqueira (Org.) ; Álvaro Tamayo ... [et al.]. -Dados eletrônicos. – Porto Alegre : Artmed.

GOMIDE Jr., S.; MICHELETTO, M. R. D. (2013) Saúde organizacional: inserção, valorização e sua pertinência para a área da saúde do trabalhador. R. Laborativa. v. 2, n. 1, p. 66-70, abr./2013. http://ojs.unesp.br/index. php/rlaborativa.

GOMIDE JR., S.; MOURA, O.I.; CUNHA, W.B.; SOUSA, W.M.V. (1999) Explorando o conceito de Saúde Organizacional: construção e validação de um instrumento de medida para o ambiente brasileiro. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICOLOGIA, 29., Campinas. Resumos.... p.43.

HAIR Jr., J.F.; BABIN, B.; MONEY, A.H.; SAMOUEL, P. (2009) Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. 6 ed. Porto Alegre: Bookman.

HART, P.M.; COOPER, C.L. (2001). Occupational stress: Toward a more integrated framework. In N. Anderson, D.S. Ones, H.K. Sinangil, & C. Viswesvaran (Eds), Handbook of Industrial, Work and Organizational Psychology: Vol. 2. Personnel psychology (pp. 93–114). London, UK: SAGE Publications.

JAFFE, D. T. (1995) The healthy company: research paradigms for personal and organizational health.

KATZ, D.; KANH, R.L. (1966) The social psychology of organizations. New York: Wiley.

LOUREIRO, T.; MENDES, G. H. S.; SILVA, E. P. (2018) Estigma, invisibilidade e intensificação do trabalho: estratégias de enfrentamento do sofrimento pelos assistentes em administração Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 16 n. 2, p. 703-728, maio/ago. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00111

MACINTOSH, R.; MACLEAN, D.; & BURNS, H. (2007) Health in organization: Towards a process-based view. Journal of Management Studies, 44(2), 206–221.

MALHOTRA, N. K. (2006) Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

MELLO, F.A.F. (1978) Desenvolvimento das organizações: uma opção integradora. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos.

NASCIMENTO, J. O.; GOMIDE JÚNIOR, S. (2008) Percepções de saúde e efetividade organizacionais: construção, validação e discriminação das medidas dos constructos. IX Encontro Interno & XIII Seminário de Iniciação Científica. UFU – 30 anos.

OLETO, A. F., MELO, M. C. O. L. & LOPES, A. L. M. L. (2013) Análise Bibliométrica da Produção Sobre Prazer e Sofrimento no Trabalho nos Encontros da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração (2000-2010). Psicologia: Ciência e profissão, 33 (1), 60-73.

QUICK, J.C.; MACIK-FREY, M.; & COOPER, C.L. (2007) Managerial dimensions of organizational health: The healthy leader at work. Journal of Management Studies, 44(2), 189–205.

REDDIN, W. J. (1970) Effectiveness Managerial. McGraw-Hill: Book Company.

RIBEIRO, C. V. S. (2012) O trabalho do técnico-administrativo em instituições federais de ensino superior: análise do cotidiano e implicações na saúde. R. PaI. Públ. São Luis MA Número Especial, p. 423 432.

SAUTER, S.; LIM, S.; & MURPHY, L. (1996) Organizational health: A new paradigm for occupational stress research at NIOSH. (Japanese Journal of) Occupational Mental Health, 4, 248–254.

SCHEIN, E. H. (1965) Organizational Psychology. Foundations of Modern Psychology series. EnglewoodCliffs, NJ: Prentice-Hall.

SHOAF, C.; GENAIDY, A.; KARWOWSKI, W.; HUANG, S.H. (2004) Improving Performance and Quality of Working Life: a model for organizational Health Assessment in Emerging Enterprises. Human Factors and Ergonomics in Manufacturing, 14 (1), p.81-95.

SINGH, A.; JHA, S. (2017) Scale Development of Organizational Health Construct. Global Business Review 19(2) 357-375. http://journals.sagepub.com/home/gbr.

VISENTINI et al. (2010) Empresa doente, funcionário estressado: analisando a saúde organizacional como influenciadora do stress no trabalho. Revista de Ciências da Administração, v. 12, n. 26, p. 189-220.

WILSON, M.G.; DEJOY, D.M.; VANDENBERG, R.J.; RICHARDSON, H.A.; MCGRATH, A.L. (2004). Work characteristics and employee health and well-being: test of a model of healthy work organization. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 77 (4).




DOI: https://doi.org/10.5902/2317175840431

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

Revista Sociais e Humanas (ISSN online 2317-1758)

Universidade Federal de Santa Maria | Centro de Ciências Sociais e Humanas

Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

E-mail: revistaccsh@gmail.com | Telefone: (55) 32208522


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.