Carolina Maria de Jesus e a literatura marginal: uma questão de gênero

Eliane da Conceição Silva

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar a posição de Carolina Maria de Jesus na chamada Literatura Marginal através de uma análise de sua obra, ressaltando sua importância para o fortalecimento da perspectiva da mulher negra na Literatura Marginal. Ao reconhecermos a relevância de Carolina Maria de Jesus para a Literatura Marginal é possível discutir os entraves para o entendimento de sua escrita, especificamente de uma perspectiva de gênero. Sendo assim, questões de classe, raça e gênero se inter-relacionam e perpassam a obra, expondo os problemas de autonomia, de reconhecimento e de ascensão social para as mulheres negras. Para isso, analisamos o contexto histórico de Carolina Maria de Jesus e sua origem social, procurando ir além do estereótipo de uma mulher negra e pobre que escreve, e que, após a ascensão, se submeteu aos diferentes usos de sua imagem. Por fim, pretendemos mostrar como a escrita de Carolina é referência e inspiração para outras mulheres, uma vez que apresenta o ponto de vista daquelas que são duplamente silenciadas, mas que buscam na literatura o meio para contar suas próprias histórias.


Palavras-chave


Literatura Marginal; Classe social; Raça; Gênero; Mulher negra.

Texto completo:

PDF

Referências


ÁLVARO, J. Da favela au bon gourmet. Tribuna da Imprensa. Rio de Janeiro, 2º caderno, p .5, 05 dez. 1960.

BIANCHI, N.; NEVES, J. Carolina: a favela em castelhano. Revista Manchete, Rio de Janeiro, nº 502, pp. 92, 02 dez. 1961.

BOURDIEU, P. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

BRAH, A. Diferença, diversidade, diferenciação. In: Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, pp. 329-376, jan./jun. 2006.

CANDIDO, A. O direito à literatura. In: CANDIDO, A. Vários escritos. 3. ed. rev. ampl. São Paulo: Duas Cidades, 1995, pp. 235-263.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

ESPELHO. Apresentado por Lázaro Ramos. Rio de Janeiro: Canal Brasil, 06 ago. 2018, 21h30. Duração 30 min. Entrevista com Karol Conka.

FARIAS, T. Carolina: uma biografia. Rio de Janeiro: Malê, 2017.

FAUSTINO, C.; SOUZA, E. Pretextos de mulheres negras. São Paulo: Mjiba, 2013.

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes: o legado da “raça branca”. São Paulo: Dominus/Editora da Universidade de São Paulo, 1965. 1 v.

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes: no limiar de uma nova era. São Paulo: Dominus/Editora da Universidade de São Paulo, 1965. 2 v.

HOOKS, b. Vivendo do amor. [2014] Disponível em: http://www.geledes.org.br/vivendo-de-amor/#gs.QV0EoQI. Acesso em: 28 ago. 2014.

JESUS, C. M. de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. 6ª Ed. São Paulo: Editora Paulo de Azevedo, 1960.

JESUS, C. M. de. Casa de alvenaria: diário de uma ex-favelada. Rio de Janeiro: Editora Paulo de Azevedo, 1961.

JESUS, C. M. de. Diário de Bitita. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

JESUS, C. M. de. Meu estranho diário. José Carlos Sebe Bom Meihy e Robert Levine (Org.). São Paulo: Xamã, 1996a.

JESUS, C. M. de. Antologia pessoal. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996b.

JESUS, C. M. de. Onde estaes Felicidade? Fernandez, R. e Dinha (Org.). São Paulo: Me Parió Revolução, 2014.

MEIHY, J. C. S. B.; LEVINE, R. M. Cinderela Negra: a saga de Carolina Maria de Jesus. Rio de Janeiro: UFRJ, 1994.

NASCIMENTO, É. P. do. Vozes marginais na literatura. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

NETO, S. A escritora Negra trocou a favela pelo asfalto. Revista Manchete, 17 set. 1960.

ROCHA, J. C. de C. Literatura e cordialidade: o público e o privado na cultura brasileira. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998.

ROCHA, J. C. de C. A guerra de relatos no Brasil contemporâneo. Ou: a “dialética da marginalidade”. Disponível em: http://w3.ufsm.br/revistaletras/artigos_r32/revista32_2.pdf Acesso em: 22 ago. 2013.

SANTOS, J. R. dos. Carolina Maria de Jesus: uma escritora improvável. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

SARMENTO, L. C. Carolina volta à favela. Revista Manchete, Rio de Janeiro, n.º 450, p.43, 03 dez. 1960.

SARMENTO, L. C. O diário da filha de Carolina. Revista Manchete, Rio de Janeiro, nº. 487, p. 76, 19 ago. 1961.

SILVA, E. da C. “A violência social brasileira na obra de Carolina Maria de Jesus”. 2016. 214f. Tese (Doutorado em Sociologia)– Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2016a.

SILVA, E. da C. A representação da mulher em Carolina Maria de Jesus: entre o estereótipo e a escrita de si. In: ARRUDA, A.; BARROCA, I.; TOLENTINO, L.; MARRECO, M. I. (Orgs.). Memorialismo e resistência: Estudos sobre Carolina Maria de Jesus. Jundiaí: Paco Editorial, 2016b, pp. 109-128.

SILVA, M. A. M. da. A descoberta do insólito: literatura negra e literatura periférica no Brasil (1960-2000) Rio de Janeiro: Aeroplano, 2013.

SOBRAL. C. Não vou mais lavar os pratos. [abr. 2013]. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2014.

SOUZA, E. Águas da cabaça. São Paulo: Edição do autor, 2012.

TRUTH, S. E não sou uma mulher? [jul. 2019]. Disponível em: https://www.geledes.org.br/e-nao-sou-uma-mulher-sojourner-truth/. Acesso em: 14 jul. 2019.

WALKER, A. In search of our mother’s gardens. In: WALKER, A. In search of our mother’s garden. Orlando, Austin, New York, San Diego, Toronto, London: A Harvest book; Harcourt, Inc. pp. 231-243.

WILLIAMS, R. O campo e a cidade: na história e na literatura. São Paulo: Cia das letras, 2011.

WOOLF, V. Um teto todo seu. São Paulo: Círculo do Livro, 1994.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236672537081

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.