Inovação e sustentabilidade: a postura inovadora das cooperativas agropecuárias atuantes na Região Sul do Brasil

Adilson Carlos Rocha, Pedro Jose Steiner Neto

Resumo


Ao conceber a sustentabilidade dos negócios como uma contribuição efetiva para o desenvolvimento sustentável, as inovações passam a ter outros critérios de avaliação além daqueles convencionais, onde as inovações devem gerar resultados econômicos, sociais e ambientais positivos, de forma simultânea atendendo a todas as partes interessadas. A partir destas concepções, este estudo teve como objetivo caracterizar as cooperativas agropecuárias atuantes na região sul do Brasil em função de sua postura inovadora tanto em produtos quanto em processos, considerando as dimensões da sustentabilidade. Como procedimentos metodológicos, fez-se uso da abordagem quantitativa de pesquisa, com o desenvolvimento de um survey cross-sectional com uma amostra de 93 cooperativas agropecuárias. A partir do levantamento junto a 38,7% do universo de cooperativas agropecuárias atuantes na Região Sul do Brasil, definiu-se uma taxonomia composta por quatro clusters, inferindo que há uma diferença no foco para a inovação em produtos e processos. Os resultados demonstraram também que há diferença entre os clusters quando consideradas as dimensões econômica, ambiental e social.

Palavras-chave


desempenho inovador, sustentabilidade, cooperativas agropecuárias

Texto completo:

PDF

Referências


BIALOSKORSKI NETO, S. Aspectos econômicos das cooperativas. Belo Horizonte: Mandamentos, 2010.

CALLADO, A. L. C. Modelo de mensuração de sustentabilidade empresarial: uma aplicação em vinícolas localizadas na serra gaúcha. 215 f. Tese. Doutorado em Agronegócio. Centro de Estudos e Pesquisas em Agronegócios. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

CMMAD – Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso futuro comum. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1991.

CORRAR, L. J.; PAULO, E.; DIAS FILHO, J. M. Análise multivariada: para os cursos de administração, ciências contáveis e economia. São Paulo: Atlas, 2007.

DALÉ, L. B. C.; ROLDAN, L. B.; HANSEN, P. B. Analysis of Sustainability Incorporation by Industrial Supply Chain in Rio Grande do Sul State (Brazil) Journal of Operations and Supply Chain Management, 4 (1), p. 25 – 36, 2011.

DAROIT, D.; NASCIMENTO, L. F. Dimensões da inovação sob o paradigma do desenvolvimento sustentável. In: 28º Encontro Nacional da ANPAD, Curitiba/PR. Anais…, 2004.

DIEGUES, A. C. A ecologia política das grandes ONGS transnacionais conservacionistas. São Paulo: HUCITEC - NUPAUB, 2008.

ELKINGTON, J. Sustentabilidade, canibais de garfo e faca. São Paulo: M. Books, 2011. 488p.

FÁVERO, L. P; BELFIORE, P.; SILVA, F. L.; CHAN, B. L. Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisão. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

FIELD, A. Descobrindo a estatística usando o SPSS. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

GUNDAY, G.; ULUSOY, G,; KILIC, K.; ALPKAN, L. Effects of innovation types on firm performance. International Journal Production Economics, v. 133, p. 662-676, 2011.

HAIR, J.; BLACK, W. C.; BABIN, B. B.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

JACOBS, F. R.; CHASE, R. B. Administração das operações e da cadeia de suprimentos. 13. ed. Porto Alegre: AMGH, 2012.

LUNDVALL, B. (Ed). Nacional systems of innovation: toward a theory of innovation and interactive learning. Ed. Anthem Press. London, UK, 2010. Cap. 1 e 2, p. 1-46.

MADUREIRA, L.; GAMITO, T. M.; FERREIRA, D.; PORTELA, J. Inovação em Portugal Rural: detetar, medir e valorizar. Cascais: Editora Pincipia, 2013.

MAKKONEN, T.; VAN DER HAVE, R. P. Benchmarking regional innovative performance: composite measures and direct innovation counts. Scientometrics, Budapest, Hungary, 2012.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

MAPA - MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Curso de propriedade intelectual e inovação no agronegócio. Ministério da agricultura, pecuária e abastecimento. Luiz Otávio Pimentel (Org.). Brasília: MAPA, 2009.

NASCIMENTO, E. P. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico. Estudos Avançados, v. 26, n. 74, p. 51-64, 2012.

OCB - Organização das Cooperativas Brasileiras. Agenda institucional do cooperativismo. Brasília: Sistema OCB, 2015. Disponível em: www.brasilcooperativo.coop.br. Acesso em: 18 Ago., 2016.

OCB – Organização das Cooperativas Brasileiras. Cooperativismo em toda parte. Disponível em: http://www.ocb.org.br/site/ramos/index.asp. Acesso em: 17 Ago., 2016.

OECD. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. FINEP, Brasil, 2007.

PALLANT, J. SPSS Survival Manual. 5th Edition. Berkshire: McGraw-Hill, 2010.

PORTO, G. S. Gestão da inovação e empreendedorismo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

RABELO, N. S.; SILVA, C. E. Modelos de Indicadores de Responsabilidade Socioambiental Corporativa. Revista Brasileira de Administração Científica, v. 2, n. 1, p.2-10, jun. 2011.

REICHERT, F. M.; CAMBOIM, G. F.; ZAWISLAK, P. A. Capacidades e trajetórias de inovação de empresas brasileiras. Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 5, Set./Out., p. 161-194, 2015.

ROESCH, S. M. A. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. 3. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SANTOS, J. A. M.; TAVARES, M. C.; VASCONCELOS, M. C. R. L.; AFONSO, T. O processo de inovação tecnológica na Embrapa e na Embrapa Agrobiologia: desafios e perspectivas. Perspectivas em Ciência da Informação, v.17, n.4, p.175-194, out./dez. 2012.

SCHALTEGGER, S.; LUDEKE-FREUND, F.; HANSEN, E. G. Business cases for sustainability and the role of business model innovation: developing a conceptual framework. Centre for Sustainability Management (CSM), Leuphana Universitat Lüneburg Scharnhorststr. 2011, p. 1-32.

SCHVARZ SOBRINHO, R. Proposta de estrutura para análise da natureza das inovações em organizações: uma aplicação em cooperativas agropecuárias paranaenses. 193 f. Tese (doutorado) Programa de Pós-Graduação em Agronegócios, Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

SOUZA, A. S.; SILVA FILHO, J. L.; ABREU, M. C. S. Estratégias para a sustentabilidade: um estudo multicasos sobre empresas em operação no estado do Ceará. Revista Economia, v. 45, n. 3, p. 135-157, jul-set., 2014.

SPIELMAN, D. J.; KELEMEWORK, D. Measuring agricultural innovation system properties and performance: illustrations from Ethiopia and Vietnam. International Service for National Agricultural Research Division, Washington, 2009.

THOMPSON, A. A.; STRICKLAND III, A. J.; GAMBLE, J. E. Administração estratégica. 15. ed. São Paulo: McGraw Hill, 2008.

TIDD, J.; BESSANT, J. Gestão da inovação. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

VEIGA, J. E. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. São Paulo: Garamond, 2006.

VIEIRA, M. M. F. Por uma boa pesquisa (qualitativa) em administração. In: VIEIRA. M. M. F.; ZOUAIN, D. M (Org.). Pesquisa qualitativa em administração. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, p. 13-28, 2006.

VIEIRA FILHO, J. E. R.; VIEIRA, A. C. P. Panorama das inovações na pesquisa agrícola no Brasil: o sistema de propriedade intelectual. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), n. 24, p. 51-60, 2014.

WU, Z.; PAGELL, M. Balancing priorities: decision-making in sustainable supply chain management. Journal of Operations Management. 29, p. 577–590, 2011.

YOUNG, L. H. B. Sociedades cooperativas: resumo prático. 8. ed. Curitiba: Juruá, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5902/2359043243058

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. 

     

   

   

 

ISSN Eletrônico: 2359-0432

ISSN Impresso: 2446-7103