Responsabilidade social e a governança corporativa: perspectivas de gestão socioambiental nas organizações

NAIRANA RADTKE CANEPPELE BUSSLER, JULIANA DA FONSECA CAPSSA LIMA SAUSEN, DANIEL KNEBEL BAGGIO, LURDES MARLENE SEIDE FROEMMING, SANDRA BEATRIZ VICENCI FERNANDEZ

Resumo


A Responsabilidade Social aliada à Governança Corporativa proporciona diversas implicações e reflexões para os vários atores envolvidos, uma vez que implica no compromisso dos negócios de contribuir para o desenvolvimento econômico sustentável. Este artigo utilizou como metodologia a pesquisa bibliográfica, com o intuito de verificar a relação entre Governança Corporativa, Responsabilidade Social Corporativa e a atual perspectiva ambiental das organizações diante desta relação, por meio dos princípios e propostas do CEBDS (Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável) e de cases de 20 empresas-modelo em responsabilidade socioambiental, segundo levantamento da revista Exame. Conclui-se que no contexto atual, as organizações que pretendem prosperar e se destacar no mercado corporativo, cada vez mais inclinam-se à perspectiva do ambientalismo renovado, adotando práticas socioambientais para agregar valor à sua imagem, priorizando os interesses políticos que visam ao lucro econômico, como o pilar para as decisões de viabilidade das práticas sustentáveis.


Palavras-chave


Governança Corporativa; Responsabilidade Social Corporativa.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A.; ROSSETTI, J. P. Governança Corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. (7. ed.). São Paulo: Atlas, 2014.

BACKES, R. G. et al. Governança corporativa e performance organizacional: descrição de estudos sobre o tema. Revista Reflexão Contábil, v. 28, n. 2, p. 59-73, maio/ago. 2009.

BLAIR, M. M. Ownership and control: re-thinking corporate governance for the twenty-first century. Washington: Brookings Institution, 1995.

BORGES, L. F. X.; SERRÃO, C. F. B. Aspectos de governança corporativa moderna no Brasil. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 12, n. 24, p. 111-148, dez. 2005.

BRAGA JUNIOR, S. S.; SILVA, D. Da; AQUINO, N. S. Comportamento do consumidor: há recompensa às empresas socialmente responsáveis? Revista Administração UFSM, v. 8, n.3, p. 384-396, 2015.

CAVALCANTI, C. Concepções da economia ecológica: suas relações com a economia dominante e a economia ambiental. Revista Estudos Avançados, v.24, n.68, 2010.

Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável - CEBDS. (2016). Disponível em: . Acesso em: 04 jul. 2016.

DIAS, R. Responsabilidade social: fundamentos e gestão. São Paulo: Editora Atlas, 2012.

EGRI, C. P.; PINFIELD L. T. As organizações e a biosfera: ecologia e meio ambiente. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. (Org.). Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. v. 1. (pp. 61-97). São Paulo: Atlas. 2006

FERNANDEZ, B. P. M. Ecodesenvolvimento, Desenvolvimento Sustentável e Economia Ecológica: em que sentido representam alternativas ao paradigma de desenvolvimento tradicional? Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, n.23, v.23, p.109-120, 2011.

FINKELSTEIN, L. S. What is Global Governance. Vancouver: Associação de Estudos Internacionais. 1991.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas. 2010.

GORDON, J. N. The shaping force of corporate law in the new economic order. University of Richmond Law Review, v. 31, n. 5, p. 1473-1499, 1997.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa – IBGC. 2016. Disponível em: http://www.ibgc.org.br. Acesso em: 03 jul. 2016.

KELM, M.L.; RENTZ, C.M.; ALEBRANDT, S.; SAUSEN, J. O. Institucionalização das iniciativas socioambientais das organizações: interfaces entre a teoria do desenvolvimento social de Habermas e o isomorfismo da teoria institucional. Cad. EBAPE.BR, v. 12, Edição Especial, artigo 2, Rio de Janeiro, Ago. 2014.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3. ed.Porto Alegre: Bookman. 2002.

MATIAS, E. F. P. A humanidade contra as cordas. São Paulo: Paz e Terra. 2014.

REVISTA EXAME, 20 empresas-modelo em responsabilidade socioambiental. Publicada em 9 jan. 2014. Disponível em: http://exame.abril.com.br/negocios/as-20-empresas-modelo-em-responsabilidade-socioambiental/. Acesso em: 11 set. 2017.

SANTOS, M. H. DE C. Governabilidade, governança e democracia: criação da capacidade governativa e relações executivo-legislativo no Brasil pós-constituinte. Revista de Ciências Sociais, v. 40, n.3. 1997

SIFFERT FILHO, N. Governança corporativa: padrões internacionais e evidências empíricas no Brasil nos anos 90. Revista do BNDES. v. 5, n. 9, p. 123-146, 1998

VEIGA, J. E. DA. A emergência socioambiental. São Paulo: Senac. 2007.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas. 2009.

WORD BANK GROUP. Disponível em: http://www.worldbank.org/. Acesso em: 17 set. 2017.




DOI: https://doi.org/10.5902/2359043227199

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. 

     

   

   

 

ISSN Eletrônico: 2359-0432

ISSN Impresso: 2446-7103