Contexto clínico-epidemiológico dos casos de hanseníase notificados em Governador Valadares, Minas Gerais - Brasil, entre 2015 e 2019

Daniel Madeira Cardoso, Thalisson Artur Ribeiro Gomides

Resumo


Objetiva-se caracterizar o contexto clínico-epidemiológico dos casos de hanseníase notificados no município de Governador Valadares (GV) entre 2015 e 2019. Metodologia: Trata-se de um estudo ecológico no qual foram analisadas variáveis sociodemográficas (sexo, faixa etária e escolaridade) e variáveis clínicas (forma clínica, classificação operacional, número de lesões, presença de incapacidade e tipo de saída). Resultados: Entre os 387 casos notificados, 52,1% eram do sexo masculino, 26,6% apresentavam idade ≥65 anos e 22,9% possuíam da 1ª a 4ª série do ensino fundamental incompleta. Com relação às variáveis clínicas, 42,8% foram classificados como dimorfos e 56,3% como multibacilares. Além disso, foi possível identificar que a maior parte apresentava 5 ou mais lesões (43,4%) e grau de incapacidade zero (71,3%). Observou-se ainda correlação entre ser do sexo masculino e apresentar forma virchowiana (*p=0,0001), multibacilar (*p=0,0004), possuir 5 ou mais lesões (*p=0,0008) e desenvolver incapacidade de grau 2 (*p=0,002). Por outro lado, houve correlação entre ser do sexo feminino e forma tuberculóide (*p=0,001) e o surgimento de somente 1 lesão (*p=0,002). Torna-se importante ressaltar que os percentuais de cura permaneceram acima de 90%. Considerações finais: A hanseníase é uma doença de impacto em GV, fato que torna imprescindível o diagnóstico precoce e a prevenção por meio de medidas de educação em saúde. 


Palavras-chave


Hanseníase; Epidemiologia; Detecção; Clínica médica.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de vigilância em saúde: volume único. 3ed. Brasília; 2019.

Pinheiro RO, Salles JS, Sarno EN, Sampaio EP. Mycobacterium leprae-host-cell interactions and genetic determinants in leprosy: an overview. Future Microbiology. 2011; 6(2):217–230.

Aarão TLS, Sousa JR, Falcão ASC, Falcão LFM, Quaresma JAS. Nerve Growth Factor and Pathogenesis of Leprosy: Review and Update. Front. Immunol. 2018; 9(939):1-8.

Souza TJ, Neto LRC, Lisboa HCF. Perfil epidemiológico da Hanseníase em Rondonópolis/ MT: 2001 a 2010. Saúde Santa Maria. 2018; 44(3):1-10.

Basombrio B, Cochrane, RG, Prieto, JG, Khanolkar, VR, Kitamura, K, Latapi, F, Rabello, FEA, Vegas, M, Wade, HW, Arnold, H. Comision of classification – Draft Report of Classification Committee. Memoria de VI Congreso Internacional de Leprologia. Madrid : Gobierno de España y Asociacion Internacional de la Lepra; 1953, pp. 75-86.

Ridley DS, Jopling WH. A classification of leprosy for research purposes. Lepr Rev. 1962; 33:119-28.

Vieira NF, Lanza FM, Martínez-Riera JR, Nolasco A, Lana FCF. Orientación de la atención primaria en las acciones contra la lepra: factores relacionados con los profesionale. Gac Sanit. 2020; 34(2): 120-126.

Faria L, Calábria LK. Aspectos históricos e epidemiológicos da hanseníase em Minas Gerais. Revista de Medicina e Saúde de Brasília. 2018; 6 (3): 406-424.

Brasil. Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Portal de Vigilância em Saúde. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais – Doenças/Agravos de notificação compulsória. 2020. Disponível em: http://vigilancia.saude.mg.gov.br/index.php/informacoes-de-saude/informacoes-de-saude-tabnet-mg/. Acesso em 15 maio de 2020.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Governador Valadares. [Internet], 2020 [citado 17 maio de 2020]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-eestados/mg/governador-valadares.html

Genovez PF, Pereira FR. O “drama” da hanseníase: Governador Valadares, as políticas públicas de saúde e suas implicações territoriais na década de 1980. História, Ciências, Saúde. 2016; 23(2): 379-396.

Brasil. Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico de Hanseníase 2020. [Internet]. 2020, [Citado em 15 de maio de 2020]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2020/boletim-epidemiologico-de-hanseniase-2020

Gordon ASA, Neto MS, Bezerra JM, Gomes JMS, Barreto JG. Análise Espacial como ferramenta de Monitoramento da Hanseníase em município hiperendêmico do Maranhão. In: Anais do 55° Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical; 2019; Belo Horizonte, Brasil. Belo Horizonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical; 2019. p.130-131 [Citado 16 maio de 2020]. Disponível em: https://www.medtrop-parasito2019.com.br/anais/divisao/aprovados

Caldeira RD, Silva FR, Silva FS. Comprometimento social de portadores de hanseníase do nordeste do Pará. In: Anais do 55° Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical; 2019; Belo Horizonte, Brasil. Belo Horizonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical; 2019. p.63 [Citado 16 maio de 2020]. Disponível em: https://www.medtrop-parasito2019.com.br/anais/divisao/aprovados

Qian MB, Chen J, Bergquist R, Li Z, Li S, Xiao N et al. Neglected tropical diseases in the People’s Republic of China: progress towards elimination. Infectious Diseases of Poverty. 2019; 8(86):1-16.

Santos VS, Souza CDF, Martins-Filho PRS, Cuevas LE. Leprosy: why does it persist among us?. Expert Rev Anti Infect Ther. 2020; 1-3.

Junior AFR, Vieira MA, Caldeira AP. Perfil epidemiológico da hanseníase em uma cidade endêmica no Norte de Minas Gerais. Rev Bras Clin Med. 2012; 10(4):272-277.

Mushtaq S, Dogra N, Dogra D, Faizi N. Trends and patterns of leprosy over a decade in a tertiary care hospital in Northern India: A retrospective analysis. Indian J Dermatol Venereol Leprol. 2020; 86(2): 141-149.

Aquino DMC, Caldas AJM, Silva AAM, Costa JML. Perfil dos pacientes com hanseníase em área hiperendêmica da Amazônia do Maranhão, Brasil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2003; 36(1): 57-64.

Mello RS, Popoaski MCP, Nunes DH. Perfil dos pacientes portadores de Hanseníase na região Sul do Estado de Santa Catarina no período de 01 de janeiro de 1999 a 31 de dezembro de 2003. ACM. 2006; 35(1).

Botelho GIS, Arão TLS, Soares LPMA, Botelho BS, Pinto BS, Fuzii HT et al. Imunorreatividade das células dendríticas nas lesões foveolares da hanseníase dimorfa. Rev Pan-Amaz Saude. 2013; 4(2):19-25

Sousa DB, Souza-Santos R, Cunha MD, Sobral A. Hot spots of leprosy in the endemic area of São Luís, Maranhão State, Northeastern Brazil. J Infect Public Health. 2020; 13(2): 228-234.

Sellera PEG, Neto OLM, Vasconcelos AMN, Ruy MB, Moraes FLS, Santos SO. Panorama da situação de saúde do Distrito Federal: análise do período de 2005 a 2017. Ciênc. saúde coletiva. 2019; 24 (6):2009-2020.

Schaub R, Avanzi C, Singh P, Paniz-Mondolfi A, Cardona-Castro N, Legua P et al. Leprosy Transmission in Amazonian Countries: Current Status and Future Trends. Current Tropical Medicine Reports. 2020; 7:79–91

Ribeiro MDA, Silva JCA, Oliveira SB. Estudo epidemiológico da hanseníase no Brasil: reflexão sobre as metas de eliminação. Rev Panam Salud Publica. 2018; 42: 1-7.

Governador Valadares. Creden-PES oferece teste rápido molecular para tuberculose [Internet]. [Citado em 18 de maio de 2020]. Disponível em: https://www.valadares.mg.gov.br/detalhe-da-materia/info/creden-pes-oferece-teste-rapido-molecular-para-tuberculose/85950




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583444459

Direitos autorais 2020 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.