Violência praticada por parceiros íntimos e saúde: representações de mulheres de um município do Paraná

Tânia Maria Gomes da Silva, Marcelo Picinin Bernuci, Andréa Tenório Correia da Silva, Andréa Grano Marques, Lucas França Garcia, Neusa Gomes Rodrigues Tolotti

Resumo


Trata-se de estudo qualitativo, exploratório, utilizando a metodologia da história oral, através de entrevistas semiestruturadas com quatro moradoras de um município paranaense, vítimas de violência praticada por parceiros íntimos. Objetiva-se analisar representações da violência numa perspectiva geracional e perceber relações entre violência e adoecimento. O exame das narrativas utiliza o método da análise de conteúdo, com suporte na Teoria das Representações Sociais. A pesquisa empírica evidencia que abusos físicos e psicológicos são identificados como violência, tencionando a vida e comprometendo a saúde; que a violência resulta de permanências culturais que legitimam dissimetrias nas relações conjugais, prevalecendo a subalternidade feminina; a pobreza dificulta o rompimento das relações e a rede de apoio é frágil. Conclui-se pela necessidade de uma organização social que promova a igualdade de gênero para o enfrentamento da violência, disseminação da cultura da paz e promoção da saúde.


Palavras-chave


Violência de Gênero; História oral; Representação Social; Promoção da Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. Global plan of action to strengthen the role of the health system within a national multisectoral response to address interpersonal violence, in particular against women and girls, and against children. Switzerland; 2016. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/252276/9789241511537-eng.pdf;jsessionid=07398FDE3D21382F3B31F5B7DB40F0A6?sequence=1.

Minayo MCS, Souza ER, Silva, MMA. Institucionalização do tema da violência no SUS: avanços e desafios. In: Ciênc. Saúde coletiva. Junho, 2018. 2(6). Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/27543/2/Institucionaliza%C3%A7%C3%A3oViol%C3%AAnciaSUS.pdf.

Scott J. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Educação & Realidade. jul/dez, 1995; 20(2):71-99.

Liebschutz JM, Rothman EF. Intimate-partner violence. What physicians can do? New England Journal of Medicine. Nov., 2012; 29. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/fbc2/9e3422ddb1b263178b1c45e4530bc306f571.pdf

Atlas da Violência. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo; 2019. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatorio_institucional/190605_atlas_da_violencia_2019.pdf

Mota A, Schraiber LB. Medicina sob as lentes da História: reflexões teórico-metodológicas. Ciênc. Saúde coletiva, Rio de Janeiro, Abril, 2014; 19(4): 1085-94. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n4/1413-8123-csc-19-04-01085.pdf

Portelli A. História oral como arte da escuta. Tradução: Ricardo Santiago. São Paulo: Letra e Voz; 2016.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2016.

Moscovici S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 2003.

Silva LL, Coelho EBS, CaponI, SN. Violência silenciosa: violência psicológica como condição da violência física doméstica. Interface Botucatu. Abril, 2007; 11(21): 93-103. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/penf/v17n1/v17n1a07.pdf

Schraiber L. et al. Violence experienced: the nameless pain, Interface - Comunic, Saúde, Educ. 2003; 7(12): 41-54.

Zuma CE et al. Violência de gênero na vida adulta. In: Njaine K, Assis SG, Constantino P. (org.). Impactos da violência na saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2009.

Porto M, Bucher-Maluschke JSNF. A permanência de mulheres em situações de violência: considerações de psicólogas. Psic. Teor. E Pesq., Set., 2014; 30(3): 267-76. Disponível em: http://books.scielo.org/id/7yzrw/pdf/njaine-9788575415887-09.pdf

Gregori R; Silva RV; Ribeiro HM. Desafios para o acesso e sistematização dos dados de violência contra as mulheres no Brasil: a experiência de implementação do observatório da mulher contra a violência. In: Boletim Legislativo. Senado Federal. Núcleo de Estudos e Pesquisas da Consultoria Legislativa. Brasil. Abril, 2018; 70. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/procuradoria/pesquisa/desafios-para-o-acesso-e-sistematizacao-dos-dados-de-violencia-contra-as-mulheres-no-brasil-a-experiencia-de-implantacao-do-observatorio-da-mulher-contra-a-violencia-1

Schraiber LB, D’Oliveira AFPL, Couto MT. Violência e saúde: estudos científicos recentes. Revista de Saúde Pública. 2006. 40: 120-2. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v40nspe/30630.

Batista KBC, Schraiber LB, D’Oliveira AFPL. Gestores de saúde e o enfrentamento da violência de gênero contra as mulheres: as políticas públicas e sua implementação em São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2018; 34(8): e00140017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v34n8/1678-4464-csp-34-08-e00140017.pdf.

Czeresnia D. O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção. In: Czeresnia D, Freitas CM. (org.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003. p. 39-53. Disponível em: http://www.fo.usp.br/wp-content/uploads/AOconceito.pdf

Silva EB, Padoin SMM, Vianna LAC. Violência contra a mulher e a prática assistencial na percepção dos profissionais da saúde. Texto Contexto Enferm., Jan./Mar., 2015; 24(1): 229-37. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v24n1/pt_0104-0707-tce-24-01-00229.pdf.

Santi LN, Nakano MAS, Lettiere A. Percepção de mulheres em situação de violência sobre o suporte e apoio recebido em seu contexto social. Texto contexto - enferm. [online]. 2010;19(3): 417-24. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072010000300002.

Habermas J. Teoria do agir comunicativo. Racionalidade da ação e racionalização social. Rio de Janeiro: Martins Fontes; 2011.

Marinho PAS, Goncalves HS. Práticas de empoderamento feminino na América Latina. Rev. estud. soc. Jun., 2016; 56: 80-90. Disponível em: https://journals.openedition.org/revestudsoc/9863.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583441999

Direitos autorais 2020 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.