Investigação da anosognosia pós acidente vascular cerebral em participantes de um grupo de reabilitação

Gabriele Ruiz Keller, Gabriela Marques Dias, Ana Lucia Cervi Prado, Heloisa Toledo da Silva, Cibele Bessa Pacheco

Resumo


O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma diminuição ou suspensão do aporte sanguíneo para o cérebro. A anosognosia representa as alterações em indivíduos quanto à percepção da existência ou extensão de suas dificuldades, interferindo negativamente na reabilitação. A anosognosia pós AVC é frequente na fase aguda e rara na fase crônica. Este estudo avaliou a anosognosia pós AVC em pacientes de um programa de reabilitação fisioterapêutica em grupo no interior do Rio Grande do Sul. Foi realizado um estudo com abordagem quantitativa, com caráter descritivo exploratório e de desenho transversal com 11 pacientes, com média de idade de 62,73±8,09 e seus respectivos familiares, no período de junho a outubro de 2017. Foi respondida a Anamnese e o Mini exame do estado mental com os pacientes e para avaliar a anosognosia foi respondida o The Patient Competency Rating Scale Versão brasileira (PCRS) - para pacientes e PCRS para familiares. Observou-se discrepância nos resultados da autopercepção do paciente e a percepção dos respectivos familiares, sendo de 9,45±6,80 na PCRS. Isso pode influenciar negativamente para a recuperação. Observamos correlação moderada negativa entre a idade atual e a discrepância da PCRS para familiares e pacientes. Os pacientes mais velhos tiveram melhor auto percepção das dificuldades, isso pode ser resultado da neuroplasticidade, em que se adaptaram às condições de saúde. Apesar de não abordarmos no estudo, acreditamos que a atividade física em grupo melhora os aspectos físicos e psíquicos, o que pode ajudar na prevenção da anosognosia.


Palavras-chave


Anosognosia; Acidente vascular cerebral; Hemiplegia; Autopercepção; Reabilitação

Texto completo:

PDF

Referências


Lotufo PA. Stroke in Brazil: a neglected disease. São Paulo Med J. 2005; 123(1). doi:10.1590/S1516-31802005000100001.

Smeltzer SC, Bare BG. Brunner & Suddarth. Tratado de enfermagem médico cirúrgica. 8. ed. Rio de Janeiro, Brasil: Guanabara; 1991.

Polese J C, Tonial A, Jung FK, Mazuco R, Oliveira SG, Schuster RC. Avaliação da funcionalidade de indivíduos acometidos por Acidente Vascular Encefálico. Rev Neurocienc. 2008;16(3):175-78.

Black JM, Matassarin-Jacobs E. Luckmann & Sorensen. Enfermagem médico-cirúrgica: uma abordagem psicofisiológica. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1996.

Falcão IV, Carvalho EMF, Barreto KML, Lessa FJD, Leite VMM. Acidente vascular cerebral precoce: implicações para adultos em idade produtiva atendidos pelo Sistema Único de Saúde. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2004;4(1):95-102. doi:10.1590/s1519-38292004000100009.

Prigatano GP. The Study of Anosognosia. 1. ed. New York: Oxford University Press; 2010.

Cocchini G, Beschin N, Cameron A, Fotopoulou A, Sala SD. Anosognosia for motor impairment following brain damage. Neuropsychologia. 2009;23(2):223–230. doi: 10.1037 / a0014266.

Prigatano GP. Anosognosia: clinical and ethical considerations. Curr Opin Neurol. 2009;22(6):606–611. doi: 10.1097/ WCO.0b013e328332a1e7.

Fotopoulou A, Pernigo S, Maeda R, Rudd A, Kopelman MA. Implicit awareness in anosognosia for hemiplegia: Unconscious interference without conscious re-representations. Brain. 2010;133(12):3564-3577. doi:10.1093.

Gialanella B, Monguzzi V, Santoro R, Rocchi S. Functional recovery after hemiplegia in patients with neglect: The rehabilitation role of anosognosia. Stroke. 2005;36(12):2687-90. doi: 10.1161/01.STR.0000189627.27562.c0.

Jehkonen M, Laihosalo M, Kettunen J. Anosognosia afterm stroke: Assessment, occurrence, subtypes and impact on functional outcome reviewed. Acta Neurol Scand, 2006;114(5):293-306. doi: 10.1111/ j.1600-0404.2006.00723.x.

Lourenço RA, Veras RP. Mini-Exame do Estado Mental: características psicométricas em idosos ambulatoriais. Rev Saúde Pública. 2006;40(4):712-719.

Zimmermann N, Pereira APA, Fonseca RP. Brazilian Portuguese version of the Patient Competency Rating Scale (PCRS-R-BR): semantic adaptation and validity. Trends Psychiatry Psychother. 2014;36(1):40-51. doi: 10.1590/2237-6089-2013-0021.

Souza LR, Hanus JS, Libera D, Bolzan L, Silva VM, Mangilli EM, et al. Sobrecarga no cuidado, estresse e impacto na qualidade de vida de cuidadores domiciliares assistidos na atenção básica. Cad. Saúde Colet. 2015;23(2):140-149. doi:10.1590/1414-462X201500020063.

Portal Brasil. Acidente vascular cerebral (AVC). 2012. [acesso em 2017 out 8]; Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2012/04/acidente-vascular-cerebral-avc.

Girardon-Perlini NMO, Hoffmann JM, Piccoli DG, Bertoldo C. Lidando com perdas: percepção de pessoas incapacitadas por avc. REME Rev. Min. Enf. 2007; 11(2):149-154. doi: S1415-27622007000200007.

Babinski J. Contribution à l’étude des troubles mentaux dans l’hémiplégie organique cérébrale (anosognosie). Revue Neurologique. 1914;27:845–848.

Vocat R, Staub F, Stroppini T, Vuilleumier P. Anosognosia for hemiplegia: a clinical-anatomical prospective study. Brain. 2010;133(12): 3578-3597. doi: 10.1093/brain/awq297.

Alves LC, Leite IC, Machado CJ. Conceituando e mensurando a incapacidade funcional da população idosa: uma revisão de literatura. Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13(4):1199-1207. doi: 10.1590/s1413-81232008000400016.

Organização Pan-Americana da Saúde. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Distrito Federal, 2005.

Pascual-Leone A, Amedi A, Fregni F, Merabet LB. The Plastic Human Brain Cortex. Annu Rev Neurosci. 2005; 28:377-401. doi: 10.1146/annurev.neuro.27.070203.144216.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236583438177

Direitos autorais 2019 Saúde (Santa Maria)

Acessos desde 08/08/2013.

   

 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

ISSN 0103-4499 ∴ eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

Licença Creative Commons