Perfil socioeconômico e qualidade de vida dos pacientes com protozooses intestinais

Sabine Helena Dantas, Marília Félix Chaves, Saul de Azevedo Souza, Allan Batista Silva, Francisca Inês de Sousa Freitas, Ulanna Maria Bastos Cavalcante, Caliandra Maria Bezerra Luna Lima

Resumo


As doenças parasitárias causam sintomas que muitas vezes incapacitam o indivíduo na realização de suas atividades normais. Por isso este estudo objetiva avaliar o perfil socioeconômico e a qualidade de vida de pacientes com protozooses intestinais atendidos em um hospital universitário. Foi realizada uma pesquisa exploratória de natureza observacional transversal, através da aplicação do questionário de qualidade de vida SF-36, no laboratório de Análises Clínicas do Hospital Universitário Lauro Wanderley, entre Fevereiro e Agosto de 2017. Das 77 amostras analisadas, 27% foram positivas para protozoários, onde a espécie mais frequente foi Endolimax nana (52,38%), seguida por Entamoeba histolytica/dispar (23,82%) e Entamoeba coli (19,04%). A maioria dos entrevistados eram do sexo feminino (76%), com faixa etária maior que 30 anos (85,7%), ensino fundamental incompleto (38,1%) e renda familiar igual a um salário mínimo (81%). Quanto ao questionário de qualidade de vida SF-36, os domínios estado geral de saúde e dor apresentaram as menores médias: 50,19 e 59,14 respectivamente. Tem-se que a ocorrência de protozooses intestinais promovem impactos na qualidade de vida de indivíduos infectados, sendo necessário que haja investimentos em medidas de controle e prevenção das mesmas.

Palavras-chave


Parasitologia; Infecções por Protozoários; Qualidade de vida

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. Deworming for health and development. Report of the Third Global Meeting of the Partners for Parasite Control. Geneva: World Health Organization; 2014.

Barbosa VS, Araújo KC, Leal Neto OB, Barbosa CS. Spatial distribution of schistosomiasis and geohelminthiasis cases in the rural áreas of Pernambuco, Brazil. Rev Soc Bras Med Trop. 2012;45(5):633-8.

Andrade EC, Leite ICG, Rodrigues VO, Cesca MG. Parasitoses intestinais: uma revisão sobre seus aspectos epidemiológicos, clínicos e terapêuticos. Rev APS, Juiz de Fora. 2010;13(2):231-40.

Visser S, Giatti LL, Carvalho RAC de, Guerreiro JCH. Estudo da associação entre fatores socioambientais e prevalência de parasitose intestinal em área periférica da cidade de Manaus (AM, Brasil). Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(8):3481-92.

Majera S, Neumayr A. Parasites de l’appareil gastro-intestinal. Swiss Medical Forum. 2015;15(11):242-50.

Pradhan P, Bhandary S, Shakya PR, Acharya T, Shrestha A. Prevalence of intestinal parasitic infections among public school children in a rural village of Kathmandu Valley. Nepal Med Coll J. 2014;16(1):50-3.

Vercruysse J, Levecke B, Prichard R. Human soil-transmitted helminths: implicatios of mass drug administration. Curr Opin Infect Dis. 2012;25(6):703-8.

Silva JC, Furtado LFV, Ferro TC, Bezerra KC, Borges EP, Melo ACFL. Parasitismo por Ascaris lumbricoides e seus aspectos epidemiológicos em crianças do Estado do Maranhão. Rev Soc Bras Med Trop. 2011;44(1):100-2.

Cavalcante UMB. Avaliação da Qualidade de Vida de pacientes enteroparasitados por meio de um instrumento genérico (SF 36) [dissertação]. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba; 2015.

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma MR. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol. 1999;39(3):143-50, 1999.

Abrunheiro LMM. A satisfação com o suporte social e a qualidade de vida no doente após transplante hepático. Psicologia.com.pt, 2005[acesso em 16 novembro de 2017]. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0255.pdf .

Melo SAL. Estudo de Enteroparasitoses em pacientes atendidos no Hospital Universitário Lauro Wanderley Município de João Pessoa – PB [dissertação]. João Pessoa - Universidade Federal da Paraíba. 2015.

Santos LP, Santos FLN, Soares NM. Prevalência de parasitoses intestinais em pacientes atendidos no Hospital Universitário Professor Edgar Santos, Salvador – Bahia. Rev Patol Trop. 2007;36(3):237-46.

Freitas LR, Oliveira MM, Massara CL, Avelar DMV, Avelar RS. Prevalência de parasitoses em usuários de laboratório de análises clínicas de Belo Horizonte/MG e duas cidades da região metropolitana no período de 2006 a 2011. In: IV Encontro de Iniciação Científica da UninCor; 2012 [acesso em 24 Novembro 2017]. Belo Horizonte/MG. Disponível em:http://periodicos.unincor.br/index.php/iniciacaocientifica/article/viewFile/1276/1030.

Silva RC. Prevalência de enteroparasitos no laboratório de análises clínicas (LAC) da Universidade Estadual da Paraíba [monografia]. Campina Grande - Universidade Estadual da Paraíba; 2014.

Sousa TM. Perfil enteroparasitológico dos pacientes atendidos no ambulatório do Hospital Universitário Lauro Wanderley de acordo com as condições climáticas [monografia]. João Pessoa - Universidade Federal da Paraíba; 2013.

Damaceno NS, Saraiva MA, Costa TL. Prevalência de Parasitoses Intestinais Em pacientes atendidos por Um Hospital da Cidade de Goiânia-Goiás. Rev Eletronica Farm. 2015; 13(1.1):9-10.

World Health Organization. Programmes and Projects. Parasitic diseases: hookworm disease. [acesso em 12 novembro de 2017]. Disponível: http://www.who.int/neglected_diseases/diseases/en/.

Pereira MF, Coelho FAZ, Marson FG, Capuano DM, Kanamura HY. Ocorrência de enteroparasitos e comensais em crianças do ensino fundamental no município de Pindamonhangaba, SP, Brasil. Rev Biociênc. 2011;17(1):40-9.

Lopes LM, Santos ES, Savegnago TL, Salvador FA, Ribeiro-Barbosa ER. Ocorrência de parasitas e comensais intestinais em crianças da comunidade da Vila Inglesa, em São Paulo, SP, Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz. 2010;69(2):252-54.

Dantas SH. Prevalência de enteroparasitoses em pacientes atendidos no ambulatório de gastroenterologia do Hospital Universitário Lauro Wanderley. In: Anais XXIII Encontro de Iniciação Científica da UFPB; 2015; João Pessoa.

Orlandini MR, Matsumoto LS. Prevalência de parasitoses intestinais em escolares. Universidade Estadual do Norte do Paraná, Campus Luiz Meneghel (UENP/CLM) [acesso em 13 de Novembro de 2017]. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1655-8.pdf.

Busato MA, Antoniolli MA, Teo CRPA, Ferraz L, Poli G, Tonini P. Relação de Parasitoses Intestinais com as condições de Saneamento Básico. Cienc Cuid Saude. 2014:13(2):357-63.

Busato MA, Dondoni DZ, Rinaldi ALS, Ferraz L. Parasitoses intestinais: o que a comunidade sabe sobre este tema? Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(34):1-6.

Nolla AC, Cantos GA. Relação entre a ocorrência de enteroparasitoses em manipuladores de alimentos e aspectos epidemiológicos em Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Cad Saúde Pública. 2005;21(2):641-5.

Camello JT, Cavagnolli NI, Spada PKWDS, Poeta J, Rodrigues AD. Prevalência de parasitoses intestinais e condições de saneamento básico das moradias em escolares da zona urbana de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul. Sci Med. 2016;26(1):1-6.

Souza AC, Alves FV, Guimarães HR, Amorim ACS, Cruz MA, Santos BS, et al. Perfil epidemiológico das parasitoses intestinais e avaliação dos fatores de risco em indivíduos residentes em um assentamento rural do Nordeste brasileiro. Rev Conex UEPG. 2016; 12(1):26-37.

Melo ACFL, Junior EAC, Azevedo IM, Souza DA, Miranda CRL, Borges EP, et al. Aspectos Epidemiológicos das Enteroparasitoses em Crianças de uma Unidade Pública de Ensino de Parnaíba, Piauí. Cient Ciênc Biol Saúde. 2016;16(3):191-6.

Santos SA, Merlini LS. Prevalência de enteroparasitoses na população do município de Maria Helena, Paraná. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(3):899-905.

Cavalcante UMB, Melo SAL, Dantas SH, Coelho HFC, Lima CMB. Avaliação da qualidade de vida de pacientes com enteroparasitoses atendidos em em um Hospital Universitário de João Pessoa (PB), utilizando um modelo de regressão logística. Tempus, actas de saúde colet. 2016;10(2):275-88.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236583438076

Direitos autorais 2019 Saúde (Santa Maria)

Acessos desde 08/08/2013.

   

 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

ISSN 0103-4499 ∴ eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

Licença Creative Commons