Perspectivas de mulheres em recuperação de drogas sobre o tratamento em uma comunidade terapêutica

Vagner Ferreira do Nascimento, Marciana Fernandes Moll, Rulio Glécias Marçal da Silva, Alisséia Guimarães Lemes, Juliana Fernandes Cabral, Tayane Próspero Cardoso, Margarita Antonia Villar Luis

Resumo


O estudo objetivou conhecer a perspectiva de mulheres em recuperação de drogas sobre o tratamento em uma comunidade terapêutica. Foi realizado em março a abril de 2016 em uma comunidade terapêutica de referência da região nordeste de Mato Grosso, junto a 15 mulheres. Utilizou-se entrevista semiestruturada com auxílio de roteiro e para análise dos dados, aplicou-se a análise de conteúdo. Observou-se que as mulheres manifestaram tristeza, angústia e aflição por estarem separadas de seus familiares durante o tratamento, o que dificulta a adesão e continuidade à terapia estabelecida. Além disso, demonstraram insatisfação quanto a forma de tratamento realizada, por não considerarem as particularidades individuais de cada mulher. Porém, reconhecem que suas condições atuais na comunidade terapêutica são notadamente melhores. Novas formas de abordagem podem ser incorporadas nesse tipo de serviço, priorizando a escuta ativa da mulher e de seus familiares no acolhimento e na construção do projeto terapêutico. 

Palavras-chave


Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias; Acontecimentos que Mudam a Vida; Comunidade Terapêutica; Saúde da Mulher.

Texto completo:

PDF

Referências


Marangoni SR, Oliveira MLF. Fatores desencadeantes do uso de drogas de abuso em mulheres. Texto & contexto enferm. 2013; 22(3):662-670.

Diehl A, Figlie NB. Prevenção ao uso de álcool e drogas: O Que Cada um de Nós Pode e Deve Fazer? Porto Alegre: Artmed; 2014.

Pratta EMM, Santos MA. O Processo Saúde-Doença e a Dependência Química: Interfaces e Evolução. Psicol teor pesqui. 2009; 25(2):203-211.

Bolzan LM. Onde estão as mulheres? A homogeneização da atenção à saúde da mulher que faz uso de drogas. Porto Alegre: [s.n.], 2015. 150 p. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2015.

Venosa PAS. Grupos psicoterapêuticos de mulheres dependentes químicas: questões de gênero implicadas no tratamento. Rev SPAGESP. 2011; 12(1):56-65.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas; 2010.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Censo demográfico do Brasil. Brasília: IBGE; 2010.

Ronzani TM, Costa PHA, Mota DCB, Laport TJ. Redes de atenção aos usuários de drogas: políticas e práticas. São Paulo: Cortez; 2015.

Fontanella BJB, Luchesi BM, Saidel MGB, Ricas J, Turato ER, Melo DG. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad saúde pública. 2011; 27(2):389-94.

Gomes RR, Ribeiro MC, Mattias EC, Brêda MZ, Mângia EF. Motivações e expectativas na busca de tratamento para o uso. Rev ter ocup. 2015; 26(3):326-335.

Lima MDA, Souza AS, Dantas MF. Assistência social e ações de enfrentamento ao crack e outras drogas: um debate necessário. Rev interfaces. 2016; 3(11):95-102.

Wright MGM, Gliksman L, Khenti A, Furegato ARF. A pesquisa sobre o fenômeno das drogas na perspectiva dos estudos multicêntricos na américa latina e caribe. Rev latinoam enferm. 2009; 17:751-3.

Damas FB. Comunidades Terapêuticas no Brasil: expansão, institucionalização e relevância social. Rev saúde pública. 2013; 6(1):50-65.

Crauss RMG, Abaid JLW. A dependência química e o tratamento de desintoxicação hospitalar na fala dos usuários. Contextos Clín. 2012; 5(1): 62-72.

Lopes RE, Nóbrega-Therian SM, Araújo PA, Gomes BV, Cavalcanti MMB. Quando o conviver desvela: assistência de saúde mental às mulheres com familiares usuários de droga. Sanare. 2015; 14(1):22-26.

Silva ML, Guimarães CF, Salles DB. Fatores de risco e proteção à recaída na percepção de usuários de substâncias psicoativas. Rev Rene. 2014; 15(6):1007-15.

Silva RL, Borrego ALS, Figlie NB. Psicoterapia de grupo. In: Diehl AE, Cordeiro DC, Laranjeira, R. Dependência química: prevenção, tratamento e políticas públicas. Porto Alegre: Artmed; 2011.

Bittencourt ALP, França LG, Goldim JR. Adolescência vulnerável: fatores biopsicossociais relacionados ao uso de drogas. Rev Bioét. 2015; 23(2):311-319.

Carvalho FRM, Brumarello T, Guimarães NA, Paes MR, Maftum MA. Causas de recaída e de busca por tratamento referidas por dependentes químicos em uma unidade de reabilitação. Colomb med. 2011; 42(2):57-62.

Favaro F, Paula SR. Dependentes químicos: o perfil da abstinência de drogas. J Health Sci Inst. 2012; 30(1):41-3.

Sanches JFA, Almeida KPB, Magalhães JM. O significado dos usuários de álcool e outras drogas sobre recaídas. Rev Interdisciplin. 2015; 8(2):53-59.

Souza MCH, Mühlen BKV, Coelho LRM, Oliveira CP, Rodrigues VS, Oliveira MS et al. Assertividade em mulheres dependentes de crack. Aletheia. 2014; 43-44: 105-115.

Coelho LRM, Sá LGC, Oliveira MS. Estratégias e Habilidades de Enfrentamento de Usuários de Crack em Tratamento. Rev psicol IMED. 2015; 7(2):99-109.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583423677

Direitos autorais 2017 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.