Perfil epidemiológico da Hanseníase em Rondonópolis / MT: 2001 a 2010

Tony José de Souza, Lourenço Ribeiro da Cruz Neto, Helen Cristina Fávero Lisboa

Resumo


O objetivo deste estudo foi caracterizar os casos novos de Hanseníase notificados e confirmados no Município de Rondonópolis/MT. Trata-se de pesquisa de caráter quantitativo, com delineamento transversal, não experimental, retrospectiva, por meio de avaliação exploratória e descritiva utilizando dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) do Ministério da Saúde no período de 2001 a 2010. Durante o período do estudo foram diagnosticados 1.919 novos casos, o grupo etário mais frequente foi de 20 a 39 anos, sexo masculino, pardos, ensino fundamental incompleto e residente em zona urbana. Constatou-se ainda que a classificação operacional mais frequente  foi a multibacilar, sendo a  dimorfa predominante e a maioria dos casos não apresentaram nenhuma incapacidade física. Os resultados evidenciam elevado índice de casos de Hanseníase, sendo necessário descentralizar as ações de controle desta doença, capacitar os profissionais de saúde para realizarem o diagnostico precoce e prevenção.


Palavras-chave


Epidemiologia; Hanseníase; Prevalência

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia

de vigilância epidemiológica. 7. ed. Brasília; 2009.

Talhari S. et al. Hanseníase. 4 ed. Manaus: Gráfica Tropical; 2006.

Eder HMMT. Hanseníase. São Paulo: Editora Moderna; 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Hanseníase: Guia de vigilância epidemiológica. 6.

ed. Brasília; 2005.

Opromolla DVA. Noções de Hansenologia. Bauru: Centro de Estudos Dr. Reynaldo Quagliato, 2000.

Lima LS et al. Caracterização clínica-epidemiológica dos pacientes diagnosticados com hanseníase no município de

Caxias. MA. Rev. Bras. Clín. Med 2010; 7(2): 74-83.

Duarte MTC, Ayres JA, Simonetti JP. Perfil socioeconômico e demográfico de portadores de hanseníase atendidos em

consulta de enfermagem. Rev. Lat. Am. Enfermagem 2007.

WHO. World Health Organization. Leprosy global situation. Wkly. Epidemiol. Rec, 34, 289-296, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Situação Epidemiológica Hanseníase Brasil 2011,

Brasília. 2012. Disponível www.saude.gov.br Acesso em 05 de Maio de 2012.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Saúde. Superintendência de Políticas de Saúde. Coordenadoria de Gestão

da Informação em Saúde. Informações Regionais de Saúde ERS Rondonópolis – MT 2010, Cuiabá. 2011.

Lima MAR, Prata MO, Moreira D. Perfil da hanseníase no Distrito Federal no período de 2000 a 2005. Com. Ciências

Saúde 2008; 19(2): 163-170.

Aquino DMC et al. Perfil dos pacientes com hanseníase em área hiperendêmica da Amazônia do Maranhão, Brasil.

Rev. Soc. Bras. Med. Trop 2003; 36(1): 57-64.

Veronesi R, Focaccia R. Tratado de infectologia. 3ª ed. São Paulo: Atheneu, 2005.

Lana FCF, Amaral EP, Franco MS. et al. Estimativa da Prevalência oculta da Hanseníase no Vale do JequitinhonhaMinas Gerais. Rev. Min. Enf 2004; 2(8): 295- 300.

ACIR. Dossiê Rondonópolis 2010. 4ª ed. Rondonópolis: Marketing Mix, 2010.

Mello RS, Popoaski MCP, Nunes DH. Perfil dos pacientes portadores de Hanseníase na região Sul do Estado de

Saúde (Santa Maria), Vol. 44, n. 3, p. 1-10, setembro/dezembro, 2018

Perfil epidemiológico da Hanseníase em Rondonópolis / MT: 2001 a 2010

Santa Catarina no período de 01 de janeiro de 1999 a 31 de dezembro de 2003. ACM 2006; 35(1).

Miranzi SSC, Pereira LHM, Nunes AA. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro, no período

de 2000 a 2006. Rev. Soc. Bras. Med. Trop 2010; 43(1): 62-67.

Gomes CCD et al. Perfil clínico-epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase em um centro de

referência na região nordeste do Brasil. An. Bras. Dermatol 2005; 80(3): 283-2888.

Bogliolo GB. Hanseníase in Patologia. 6º ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2000.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583419084

Direitos autorais 2018 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.