A percepção de agentes comunitárias de saúde sobre o planejamento reprodutivo com adolescentes

Carolina Coutinho Costa, Camila Daiane Silva, Daniele Ferreira Acosta, Victoria Leslyê Rocha Gutmann

Resumo


Objetivo: conhecer a percepção de agentes comunitárias de saúde sobre o planejamento reprodutivo realizado com os adolescentes. Método: estudo qualitativo com dez agentes de uma unidade básica de saúde da família. Para a coleta de dados foi utilizado Grupo Focal. Utilizou-se a Análise de Conteúdo. Resultados: as agentes acreditavam na importância do planejamento reprodutivo com adolescentes, considerando o pouco diálogo intrafamiliar e a dificuldade em abordar o assunto nas visitas domiciliares. Reconheciam a necessidade de abordar o planejamento de modo ampliado, ao encontro do autoconhecimento, do respeito com o próximo e da prevenção das violências. Conclusão: a percepção das agentes pode ser favorecida ou prejudicada pela relação de proximidade com os profissionais de saúde. A temática deve ser discutida com os adolescentes, pois muitos não possuem comunicação com os pais, representando um tabu em muitos lares, seja por questões culturais ou por acreditarem ser um incentivo à prática sexual.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Agentes Comunitários de Saúde; Adolescentes

Referências


Ministério da Saúde (BR). Marco Legal: saúde, um direito de adolescentes [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2007 [acesso em 2019 jul 03]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/07_0400_M.pdf

Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (CEDECA). Estatuto da Criança e do Adolescente [Internet]. Rio de Janeiro (RJ): CEDECA; 2017 [acesso em 2019 jul 03]. Disponível em: https://cedecarj.org.br/portfolio/estatuto-da-crianca-e-do-adolescente-2017/

Silva MRB, Silva LA, Maturana HCA, Silva RB, Santos ME, Figueiredo Filho V. Por que elas não usam? um estudo sobre a não adesão das adolescentes ao preservativo e suas repercussões. Saúde Redes. 2015;(1)4:75-83. doi: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2015v1n4p75-83

Dorneles DF, Hatzenberger DHC, Schnorr L. Percepção dos usuários sobre os grupos e espaços de vivência e convivência no Bairro Lomba do Pinheiro em Porto Alegre. Saúde Redes [Internet]. 2019 [acesso em 2019 jul 03];(5)1:75-104. Disponível em: http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.php/rede-unida/article/view/982

Ministério da Saúde (BR). Datasus. TABNET. Estatísticas vitais [Internet]. 2018 [acesso em 2020 abr 24]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0205

Alonso CMC, Béguin PD, Duarte FJCM. Trabalho dos agentes comunitários de saúde na estratégia saúde da família: metassíntese. Rev Saúde Pública. 2018;(52)14:1-13. doi: https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2018052000395

Almeida AM, Machado BR, Silva FMR, Quadros KAN. Dificuldade dos agentes comunitários de saúde na prática diária. Rev Med Minas Gerais [Internet]. 2016 [acesso e 2019 ago 24];26:e-1800. Disponível em: http://rmmg.org/artigo/detalhes/2081

Souza LK. Recomendações para a realização de grupos focais na pesquisa qualitativa. Psi UNISC. 2020;(4)1:52-66. doi: http://dx.doi.org/10.17058/psiunisc.v4i1.13500

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Neumann DMC, Missel RJ. Família digital: a influência das tecnologias nas relações entre pais e filhos adolescentes. Pensando Fam [Internet]. 2019 [acesso em 2020 abr 15];(23)2:75-91. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2019000200007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Bittar DB, Nakano AMS. Violência simbólica entre adolescentes nas relações afetivas do namoro. Rev Esc Enferm USP. 2017:(51)e:03298. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2017003003298

Aragão JMN, Gubert FA, Torres RAM, Silva ASR, Vieira NFC. O uso do facebook na aprendizagem em saúde: percepções dos adolescentes escolares. Rev Bras Enferm. 2018;(17)2:286-92. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0604

Queiroz MVO, Vasconcelos MM, Alcântara CM, Fé MCM, Silva ANS. Características sociodemográficas e gineco-obstétricas de adolescentes assistidas em serviço de planejamento familiar. Rev Enferm UFSM. 2017;(7)4:615-28. doi: http://dx.doi.org/10.5902/2179769226988

Maciazeki-Gomes RC, Souza CD, Baggio L, Wachs F. O trabalho do agente comunitário de saúde na perspectiva da educação popular em saúde: possibilidades e desafios. Ciênc Saúde Colet. 2016;(21)5:1637-46. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232015215.17112015

Cuellar KJM, Vargas EC. Creencias y prácticas culturales de las madres sobre el cuidado del niño menor de cinco años em Tarata-Tacna. Rev Méd Basadrina [Internet]. 2019 [acceso en 2020 abr 24];(13)2:71-78. Disponible en: http://www.revistas.unjbg.edu.pe/index.php/rmb/article/view/884/950

Netto JJM, Dias MSA, Machado MFAS, Gubert FA, Vasconcelos MIO, Oliveira MS, et al. Construção e validação de instrumento para subsidiar o cuidado ao adolescente na Atenção Primária à Saúde. Adolesc Saúde [Internet]. 2018 [acesso em 2019 ago 24];(15)2:92-101. Disponível em: http://www.adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=724




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769240345

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.