Implantação de Protocolo de Atenção Materno Infantil em serviço escola

Jeniffer Stephanie Marques Hilário, Luana Matos Silva Araújo, Jaqueline Silva Santos, Maria Ambrosina Cardoso Maia, Tânia Maria Delfraro Carmo, Raquel Dully Andrade

Resumo


Objetivo: conhecer as percepções da equipe de um serviço escola de referência regional para HIV/Aids sobre o processo de implantação de um protocolo de atenção materno infantil.  Método: estudo descritivo e qualitativo, realizado em 2017, no interior de Minas Gerais, Brasil, com a participação de 10 membros da equipe do serviço escola. O grupo focal foi utilizado para a coleta de dados, e os dados coletados foram analisados mediante análise temática indutiva. Resultados: os relatos foram organizados em temas que retratam aspectos das mudanças realizadas no serviço, contribuições do protocolo para a organização dos processos de trabalho e a integralidade da atenção a clientela materno infantil, bem como destacam fatores imbricados na implantação que agiram como facilitadores ou dificultadores deste processo. Considerações finais: a implantação do protocolo foi percebida como um processo delicado que demanda envolvimento de diferentes atores, como profissionais de saúde e usuários do serviço de saúde.


Palavras-chave


Protocolos; Soropositividade para HIV; Saúde da mulher; Saúde da criança; Enfermagem materno-infantil

Referências


Nascimento RS, Oliveira JC. Ações para redução da transmissão vertical do HIV: contribuições para a enfermagem visando os direitos do paciente e a qualidade assistencial. Rev Acreditação [Internet]. 2015 [acesso em 2018 set 18];5(10):65-84. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5626628

Souza CP, Piantino CB, Queiroz CA, Maia MAC, Fortuna CM, Andrade RD. Incidência de transmissão vertical do HIV entre gestantes soropositivas cadastradas em um serviço de referência regional. Rev Pesqui (Univ Fed Estado Rio J Online). 2016;8(2):4526-37. doi: 10.9789/2175-5361.2016.v8i2.4526-4537

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico HIV/AIDS. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2019.

Aires APP, Wunsch DS, Bosa VL. A implementação do programa de distribuição de fórmula infantil para crianças nascidas de mães HIV positivas no Município de Porto Alegre/RS. Rev AMRIGS [Internet]. 2015 jul-set [acesso em 2018 set 18];59(3):160-8. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-835422?lang=fr

Castro AVG, Rodríguez SIG, Gazano AV. Transmisión vertical del virus de la inmunodeficiencia humana en mujeres usuarias del Centro Hospitalario Pereira Rossell. Rev Méd Urug. 2018;34(1):39-47. doi: 10.29193/rmu.34.1.4

Langendorf TF, Padoin SMM, Paula CC, Souza IEO, Aldrighi JD. Profilaxia da transmissão vertical do HIV: cuidado e adesão desvelados por casais. Rev Bras Enferm. 2016;69(2):275-81. doi: 10.1590/0034-7167.2016690210i

Lima ACMACC, Sousa DMN, Mendes IC, Oliveira LL, Oriá MOB, Pinheiro PNC. Transmissão vertical do HIV: reflexões para a promoção da saúde e cuidado de enfermagem. Av Enferm. 2017;35(2):181-9. doi: 10.15446/av.enferm.v35n2.39872

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para prevenção da transmissão vertical do HIV, sífilis e hepatites virais. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2019.

Muñoz MAV, Martínez TDL, Avendaño CV. Propuesta de protocolo de atención nutricional para pacientes viviendo con VIH sin terapia antirretroviral, atendidos en el centro de referencias diagnósticas del Hospital San Martín de Quillota. Nutr Hosp. 2015;31(2):980-7. doi: 10.3305/nh.2015.31.2.7888

Paula SHB, Martins TA, Borges SMS, Nogueira CMO, Freire VR. Evaluación de la implementación del protocolo de manejo de coinfección de tuberculosis y VIH en los servicios de asistencia especializada del estado de Ceará, Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2017;41:e48. doi: 10.26633/RPSP.2017.48

Hilário JSM, Lima SP, Santos JS, Silva PG, Matos GX, Andrade RD. Protocolo de atenção à saúde da mulher com HIV/AIDS: percepções de equipe de saúde. Rev Baiana Enferm. 2019;33:e33374. doi: 10.18471/rbe.v33.33374

Souza MKB, Lima YOR, Paz BMS, Costa EA, Cunha ABO, Santos R. Potencialidades da técnica de grupo focal para a pesquisa em vigilância sanitária e atenção primária à saúde. Rev Pesqui Qual. 2019;7(13):57-71. doi: http://dx.doi.org/10.33361/RPQ.2019.v.7.n.13.169

Souza LK. Pesquisa com análise qualitativa de dados: conhecendo a Análise Temática. Arq Bras Psicol [Internet]. 2019 [acesso em 2020 abr 21];71(2):51-67. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672019000200005

Vieira AC, Bertoncello KCG, Girondi JBR, Nascimento ERP, Hammerschmidt KSA, Zeferinho MT. Percepção dos enfermeiros de emergência na utilização de um protocolo para avaliação da dor torácica. Texto & Contexto Enferm. 2016;25(1):e1830014. doi: 10.1590/0104-07072016001830014

Machado RC, Gironés P, Souza AR, Moreira RSL, Jakitsch CB, Branco JNR. Protocolo de cuidados de enfermagem a pacientes com dispositivo de assistência ventricular. Rev Bras Enferm. 2017;70(2):353-9. doi: 10.1590/0034-7167-2016-0363

Villarroel J, Álvarez AM, Salvador F, Chávez A, Wu E, Contardo V. Mujeres jóvenes con infección por VIH adquirida por transmisión vertical. Expectativas de tener hijos no infectados. Rev Chil Infectol. 2016;33(6):650-5. doi: 10.4067/S0716-10182016000600006

Gomes DM, Oliveira MIC, Fonseca SC. Avaliação da testagem anti-HIV no pré-natal e na assistência ao parto no Rio de Janeiro, Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2015;15(4):413-23. doi: 10.1590/S1519-38292015000400005

Dawson-Rose C, Cuca YP, Webel AR, Solís Báez SS, Holzemer WL, Rivero-Méndez M, et al. Building trust and relationships between patients and providers: an essential complement to health literacy in HIV care. J Assoc Nurses AIDS Care. 2016;27(5):574-84. doi: 10.1016/j.jana.2016.03.001

Pires PN, Marega A, Creagh JM. Adesão à terapia antirretroviral em pacientes infetados pelo VIH nos cuidados de saúde primários em Nampula, Moçambique. Rev Port Med Geral Fam. [Internet]; 2017 fev [acesso em 2018 maio 20];33:30-40. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpmgf/v33n1/v33n1a04.pdf

Garbin CAS, Sandre AS, Rovida TAS, Pacheco KTS, Pacheco Filho AC, Garbin AJI. O cuidado para pessoas com HIV/AIDS sob a ótica de agentes comunitários de saúde. Trab Educ Saúde. 2019;17(1):e0018508. doi: 10.1590/1981-7746-sol00185




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769240085

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.