Dor torácica aguda: enfermeiro desafiando uma patologia tempo dependente nas portas de entrada hospitalares

Angélica Zanettini, Marisa Basegio Carretta, Gabriela Stochero, Juliane Christofari da Silva, Camila Marcon, Viviane Pecini da Cunha

Resumo


Objetivo: avaliar a percepção dos enfermeiros diante do paciente com dor torácica nas portas de entrada do Serviço de Urgência e Emergência de um hospital geral. Método: estudo exploratório, descritivo, com abordagem qualitativa, realizado com 10 enfermeiros em um hospital geral de grande porte do Rio Grande do Sul, em 2018. A coleta de dados ocorreu através de entrevistas semiestruturadas, estudadas conforme análise de conteúdo. Resultados: constataram-se dificuldades no entendimento da Classificação de Risco, questões estruturais e organizacionais e a falta de profissionais qualificados. Como potencialidades, atendimento de maneira ágil, buscando a mais correta identificação dos sinais apresentados pelo paciente e a realização do eletrocardiograma no tempo adequado. Conclusão: evidenciou-se que o enfermeiro percebe estar apto para tomar decisões rápidas e precisas por meio do conhecimento de protocolos assistenciais. Porém, verifica-se a interferência de processos como o subdimensionamento de pessoal e a demanda excessiva dos serviços de porta de entrada.


Palavras-chave


Doenças cardíacas; Enfermagem; Emergência; Urgência; Dor torácica; Avaliação em Enfermagem

Referências


Vieira AC, Bertoncello KCG, Girondi JBR, Nascimento ERP, Hammerschmidt KSA, Zeferinho MT. Perception of emergency nurses in using a chest pain assessment protocol. Texto & Contexto Enferm. 2016;25(1):1-7. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072016001830014

Santos F, Freire PB, Ribeiro JA. Abordagem da dor torácica pelo enfermeiro em uma unidade de pronto atendimento na visão do paciente. Enferm Rev [Internet]. 2016 [acesso em 2018 set 10];19(2):199-211. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/enfermagemrevista/article/view/13149

Reggi S, Stefanini E. Diagnóstico das síndromes coronarianas agudas e modelo sistematizado de atendimento em unidades de dor torácica. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo [Internet]. 2016 [acesso em 2018 out 18];26(2):78–85. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=796510&indexSearch=ID

Teixeira AFJ, Franco A, Castanharo J, Oliveira KCS. Atuação da equipe de enfermagem no atendimento de emergência ao paciente com infarto agudo do miocárdio. Rev Fafibe On Line [Internet]. 2015 [acesso em 2018 set 18];8(1):300–9. Disponível em: http://unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/revistafafibeonline/sumario/36/30102015185545.pdf

Servinc S, Akyol AD. Cardiac risk factors and quality of life in patients with coronary artery disease. J Clin Nurs. 2010;19(9-10):1315-25. doi: https://doi.org/10.1111/j.1365-2702.2010.03220.x

Medeiros TLF, Andrade PCNS, Davim RMB, Santos NMG. Mortality by an acute myocardial infarction. Rev Enferm UFPE On Line. 2018;12(2):565-72. doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i2a230729p565-572-2018

Piegas LS, Timerman A, Feitosa GS, Nicolau JC, Mattos LAP, Andrade MD, et al. V Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre tratamento do infarto agudo do miocárdio com supradesnível do segmento ST. Arq Bras Cardiol [Internet]. 2015 [cited 2020 abr 01];105(2):1-121. Available from: http://publicacoes.cardiol.br/2014/diretrizes/2015/02_TRATAMENTO%20DO%20IAM%20COM%20SUPRADESNIVEL%20DO%20SEGMENTO%20ST.pdf

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Assistência à Saúde. Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2001 [acesso em 2019 jul 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnhah01.pdf

Secretaria de Saúde do Distrito Federal (BR). Manual de Acolhimento e Classificação de Risco [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2017 [acesso em 2019 jul 15]. Disponível em: http://www.saude.df.gov.br/wp-conteudo/uploads/2017/10/MANUAL-DE-ACOLHIMENTO-E-CLASSIFICA%C3%87%C3%83O-DE-RISCO-DA-REDE-SES-Web.pdf

Yin RK. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso; 2016.

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Qual Health Care. 2007;19(6):349–57. doi: https://doi.org/10.1093/intqhc/mzm042

Bardin L. Análise de Conteúdo. Edições 70. Lisboa (Portugal): LDA; 2011.

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, DF, 2013. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 26 mar. 2018.

Audi CA, Santiago SM, Andrade MD, Francisco PM. Risk factors for cardiovascular disease in prison institution staff: a cross-sectional study. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2016 [cited 2018 Aug 03];25(2):301-10. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27869948

Medeiros TLF de, Andrade PCNS de, Davim RMB, dos Santos NMG. Mortality by an acute myocardial infarction. Rev Enferm UFPE On Line. 2018;12(2):565-72. doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i2a230729p565-572-2018

Piegas LS, Feitosa G, Mattos LA, Nicolau JC, Rossi Neto JM, Timerman A, et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. IV Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre tratamento do infarto agudo do miocárdio com supradesnível do segmento ST. Arq Bras Cardiol [Internet]. 2009 [acesso em 2018 set 05];93(6 Supl 2):e179-e264.Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2009/diretriz_iam_9306supl2.pdf

Santos F, Freire PB, Ribeiro JA. Nurse’s approach to chest pain in an emergency care unit in the patient’s vision. Enferm Rev [Internet]. 2017 fev [acesso em 2020 mar 31];20(1):13-22. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/enfermagemrevista/article/view/15411

Gouvêa VET, Reis MAM, Gouvêa GM, Lima HN, Abuabara A. Evaluation of the Manchester Triage System in the Acute Coronary Syndrome. Int J Cardiovasc Sci [Internet]. 2015 [acesso em 2018 set 13];28(2):107-13. Disponível em: http://www.onlineijcs.org/sumario/28/pdf/v28n2a05.pdf

Viana RR, Souza MRSM. Marcadores bioquímicos no infarto agudo do miocárdio. Rev Eletrônica Biociências Biotecnologia Saúde [Internet]. 2017 [acesso em 2019 jul 18];9(18):1-8. Disponível em: https://interin.utp.br/index.php/GR1/article/view/1480

Reggi S, Carvalho AC. The importance of telemedicine and of pre-hospital thrombolysis. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo [Internet]. 2016 [acesso em 2018 set 20];26(2):86-92. Disponível em: http://socesp.org.br/revista/assets/upload/revista/17635641841534341390pdfL60-REVISTA-SOCESP-V26-N2-12-07-16.pdf

Camara RF, Paulino TS, Pereira FCC, Nelson ICASR, Rocha KM, Inácio Neto L. O papel do enfermeiro no processo de classificação de risco na urgência: uma revisão. Rev Humano Ser [Internet]. 2015 [acesso 2020 mar 31];1(1):99-114. Disponível em: http://periodicos.unifacex.com.br/humanoser/article/view/628/146

O’Dwyer G, Konder MT, Reciputti LP, Macedo C, Lopes MGM. O processo de implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência no Brasil: estratégias de ação e dimensões estruturais. Cad Saúde Pública. 2017;33(7):e00043716. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311x00043716

Abreu JG, Souza KA, Assis EV, Sousa MNA, Silva EN. Dificuldades encontradas pelos profissionais de saúde à implementação da classificação de risco no setor de urgência e emergência. RIS [Internet]. 2016 mar [acesso em 2018 set 17];1(3):209-22. Disponível em: http://www.interdisciplinaremsaude.com.br/Volume_9/Trabalho_12.pdf




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769236945

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.