Pré-natal da gestante de risco habitual: potencialidades e fragilidades

Andressa Arraes Silva, Mara Julyete Arraes Jardim, Claudia Teresa Frias Rios, Lena Maria Barros Fonseca, Liberata Campos Coimbra

Resumo


Objetivo: conhecer as potencialidades e fragilidades na consulta pré-natal de risco habitual. Método: estudo qualitativo, desenvolvido com vinte gestantes que realizaram o pré-natal na Atenção Primária à Saúde do município de São Luís, no ano de 2017. Para análise dos dados utilizou-se a Análise Temática com base nos parâmetros preconizados pelo Ministério da Saúde. Resultados: o acolhimento, o fácil acesso, a realização de exames e os grupos de gestantes configuram-se como potencialidades do pré-natal. A falta de organização das unidades, de medicamentos de uso essencial, de recursos materiais, o tempo prolongado para início das consultas e para as realizações dos exames consistiram em fragilidades. Conclusões: a avaliação da assistência pré-natal a partir da percepção das usuárias trouxe contribuições para intervenções nas fragilidades dos serviços de saúde às gestantes, e o atendimento de acordo com o que está preconizado pelo Ministério da Saúde. Descritores: Cuidado pré-natal; Humanização da assistência; Enfermagem no consultório.


Palavras-chave


Cuidado pré-natal; Humanização da assistência; Enfermagem no consultório

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2012.

Mascarenhas PM, Silva GR, Reis TT, Casotti CA, Nery AA. Análise da Mortalidade Materna. Rev Enferm UFPE Online [Internet]. 2017 [acesso em 2017 out 10];11(11):4653-62. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/231206/25208.

Ferreira ABH. Dicionário da língua portuguesa. 5ª ed. Curitiba: Positivo; 2010. 2222p.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 569, de 1 de junho de 2000. Institui o Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento no âmbito do Sistema Único de Saúde [Internet]. 2000 [acesso em 2017 nov 20]. Diário Oficial da União, Brasília (DF); 2000 jun 01. Seção 1, p. 4-6. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2000/prt0569_01_06_2000_rep.html.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.351, de 5 de outubro de 2011. Altera a Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011, que institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Rede Cegonha [Internet]. 2011 [acesso em 2017 dez 05]. Diário Oficial da União, Brasília (DF); 2011 jul 27. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2351_05_10_2011.html.

Rosand GB, Slinning K, Roysamb E, Tambs K. Relationship dissatisfaction and other risk factors for future relationship dissolution: a population-based study of 18.523 couples. Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol. 2014;49(1):109-19.

Barreto CN, Ressel LB, Santos CC, Wilhelm LA, Silva SC, Alves CN. Prenatal care in the voice of pregnant women. Rev Enferm UFPE Online [Internet]. 2013 [acesso em 2017 out 10];7(5):4354-63. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/11674/13850.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009. 281p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gravidez, parto e nascimento com saúde, qualidade de vida e bem-estar. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Caderneta da Gestante. 3ª ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos [Internet]. 2012 dez 12 dez [acesso em 2017 out 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html.

Alkema L, Chou D, Hogan D, Zhang S, Moller AB, Gemmill A, et al. Global, regional, and national levels and trends in maternal mortality between 1990 and 2015, with scenario-based projections to 2030: a systematic analysis by the UN Maternal Mortality Estimation Inter-Agency Group. Lancet. 2016;387(10017):462-74.

Santos JO, Pacheco TS, Oliveira PS, Pinto VL, Gabriellone MC, Barbieri M. The obstetrical and newborn profile of postpartum women in maternities in São Paulo. Rev Pesqui Cuid Fundam [Internet]. 2015 jan [acesso em 2017 out 10];7(1):1936-45. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/3547/pdf_1432.

Santiago CMC, Sousa CNS, Nóbrega LLR, Salees L, Morais F. Assistência pré-natal e as práticas desenvolvidas pela equipe de saúde: revisão integrativa. Rev Pesqui Cuid Fundam [Internet]. 2017 jan [acesso em 2017 out 29];9(1):279-88. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/4184/pdf_1.

Castro ECM, Leite AJM, Guinsburg R. Mortalidade com 24 horas de vida de recém-nascidos pré-termo de muito baixo peso da Região Nordeste do Brasil. Rev Paul Pediatr. 2016;34(1):106-13.

OLIVEIRA JCS, FERMINO BPD, CONCEIÇÃO EPM, NAVARRO JP. ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL REALIZADA POR ENFERMEIROS: O OLHAR DA PUÉRPERA. REV ENFERM CENT-OESTE MIN. 2015 MAIO-AGO;5(2):1613-28.

Campos ML, Veleda AA, Coelho DF, Telo SV. Percepção das gestantes sobre as consultas de pré-natal realizadas pelo enfermeiro na atenção básica. J Nurs Health. 2016;6(3):379-90.

Feliciano NB, Pradebon VM, Lima SS. Enfermagem no pré-natal de baixo risco na estratégia Saúde da Família. Aquichan. 2013;13(2):261-9.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769232336

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.