Compreendendo a sífilis congênita a partir do olhar materno

Martha Helena Teixeira de Souza, Elisiane Quatrin Beck

Resumo


Objetivo: compreender as percepções maternas sobre sífilis congênita e os cuidados de saúde desses recém-nascidos. Método: pesquisa descritiva exploratória de caráter qualitativo, realizada em hospital de médio porte, localizado na cidade satélite Paranoá, Distrito Federal, Brasília, no período de março a agosto de 2017. Fizeram parte do estudo 15 mulheres, mães de recém-nascidos portadores de sífilis congênita. Resultados: os dados resultaram em três eixos temáticos: Falhas na realização do pré-natal; Conhecimento das mães em relação à sífilis congênita e sentimentos das mães acerca do diagnóstico de sífilis congênita. Apesar da realização do pré-natal, evidenciaram-se inseguranças, fragilidades e insuficiência de conhecimentos em relação à doença no que se refere ao diagnóstico, tratamento e prevenção. Conclusão: acredita-se que a educação em saúde, com linguagem acessível e melhores estratégias pelos profissionais de saúde a estas gestantes e parceiros com sífilis, pode-se prevenir a sífilis congênita.

Palavras-chave


Sífilis; Sífilis Congênita; Pré-natal

Referências


Secretaria de Estado da Saúde [do Estado de São Paulo], Centro de Controle de Doenças. Programa Estadual de DST/Aids. Guia de bolso para o manejo da sífilis em gestante e sífilis congênita. São Paulo (SP): Secretaria de Estado da Saúde; 2016. 112 p.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico: sífilis. 2018;49 (45).

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico: sífilis. 2016;47 (47).

Domingues RMSM, Szwarcwald CL, Souza Junior PRB, Leal MC. Prevalência de sífilis na gestação e testagem pré-natal: estudo nascer no Brasil. Rev Saúde Pública. 2014;48(5):766-74.

Sortica AC. Rede de atenção à saúde, sífilis e educação em saúde, a intersecção necessária: um estudo de caso sobre sífilis em gestante e congênita no município de Esteio [dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2017.

Minayo MCS. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 34ª ed. Petrópolis: Vozes; 2015.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2014.

Lima VC, Mororó RM, Martins MA, Ribeiro SM, Linhares MSC. Perfil epidemiológico dos casos de sífilis congênita em um município de médio porte no nordeste brasileiro. J Health Biol Sci. 2017;5(1):56-61.

Rufino EC, Andrade SSC, Leadebal ODCP, Brito KKG, Silva FMC, Santos SH.Conhecimento de mulheres sobre ist/aids: intervindo com educação em saúde/ Women’s knowledge about sti/aids: working with health education. Cienc Cuid Saúde [Internet]. 2016 [acesso em 2018 mar 12];15(2):304-11. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/26287

Saraceni V, Pereira GFM, Silveira MF, Araújo MAL, Miranda AE. Vigilância epidemiológica da transmissão vertical da sífilis: dados de seis unidades federativas no Brasil. Rev Panam Salud Publica, Washington. 2017;41(44).

Ministério da Saúde (BR). Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para prevenção da transmissão vertical de HIV, sífilis e hepatites virais. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2019. p. 183.

Ministério da Saúde (BR). Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas. Prevenção da transmissão vertical de HIV, sífilis e hepatites virais: CONITEC, 2017 [acesso em 2018 mar 12]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2015/protocoloclinico-e-diretrizes-terapeuticas-para-prevencao-datransmissao-vertical-de-hiv

França ISX, Batista JDL, Coura AS, Oliveira CF, Araújo AKF, Sousa FS. Fatores associados à notificação da sífilis congênita: um indicador de qualidade da assistência pré-natal. Rev Rene. 2015 maio-jun; 16(3):374-81.

Rodrigues VLR, Oliveira FM, Afonso TM. Sífilis congênita na perspectiva de um desafio para a saúde pública. Congresso internacional de enfermagem; 2017; Aracajú, SE. Anais. (CIE Unit. 2017 [acesso em 2018 abr 14];1(1). Disponível em: https://bit.ly/2zE1A2C

Andrade FM, Castro JFL, Silva AV. Percepção das gestantes sobre as consultas médicas e de enfermagem no pré-natal de baixo risco. Rev Enferm Cent Oeste Min. 2016 set-dez;6(3):2377-88.

Lima VC, Mororó RM, Feijão DM, Frota MVV, Martins MA, Ribeiro SM, et al. Percepção de mães acerca da sífilis congênita em seu concepto. Espaço para a saúde. Rev Saúde Pública Paraná. 2016. 17(a2):118-25.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids e hepatites virais. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para atenção integral às pessoas com infecções sexualmente transmissíveis. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2015.

Godinho MLM, Dias MV, Barlem ELD, Barlem JGT, Rocha LP, Ferreira AG. Diretivas antecipadas de vontade: percepção acerca da aplicabilidade no contexto neonatal e pediátrico. Rev Enferm UFSM 2018 jul-set [acesso em 2018 fev 05];8(3):475-88. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/27887

Santos LV, Inagaki ADM, Abud ACF, Oliveira JKA, Ribeiro CJN, Oliveira MIA. Características sociodemográficas e risco para doenças sexualmente transmissíveis entre mulheres atendidas na atenção básica. Rev Enferm UERJ [Internet]. 2014 [acesso em 2018 fev 05]; 22(1):111-5.Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v22n1/v22n1a17.pdf

Oliveira AEC, Deininger LSC, Lima IMB, Lima DC, Nascimento JA, Andrade JM. Adesão das mulheres ao exame citológico do colo uterino na atenção básica. Rev Enferm UFPE On Line [Internet]. 2016 [acesso em 2018 fev 05];10(11):4003-14. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/enfermeria/resource/pt/bde-3014




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769232072

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.