FITOSSOCIOLOGIA E AUTOECOLOGIA SUBSIDIANDO A RESTAURAÇÃO DE MATA CILIAR, EM REGIÃO DE TRANSIÇÃO CAMPO-FLORESTA

Daniele Barbosa da Costa, Maristela Machado Araujo, Daniele Guarienti Rorato, Luciane Belmonte Chami, Suelen Carpenedo Aimi

Resumo


O objetivo desse estudo foi identificar áreas potenciais para coleta de sementes e elencar espécies nativas promissoras para serem testadas na recuperação de matas ciliares na região de transição campo-floresta, São Francisco de Paula, RS. Observaram-se quatro fragmentos de vegetação (F1, F2, F4 e F5), dos quais foram realizadas a análise fitossociológica e autoecológica das espécies presentes. Os resultados mostraram que F1 e F2 apresentam potencial para coleta de sementes. Na restauração de áreas, destacam-se Araucaria angustifolia, Sebastiania commersoniana, Eugenia uruguayensis, Myrciaria delicatula, Drimys brasiliensis, Blepharocalyx salicifolius, Ocotea pulchella, Cinnamomum amoenum, Styrax leprosus, Myrceugenia cucullata, Calyptranthes concinna, Myrcia palustris, Zanthoxylum rhoifolium, Roupala brasiliensis, Casearia decandra e Sebastiana brasiliensis como espécies com potencial para a restauração de áreas na região, com abrangente possibilidade de conservação nos fragmentos onde ocorrem.

Palavras-chave


Restauração florestal; Áreas de coleta de sementes; Espécies nativas

Texto completo:

PDF

Referências


ATTANASIO CM. Manual Técnico: Restauração e monitoramento da Mata Ciliar e da Reserva Legal para a Certificação Agrícola – Conservação da Biodiversidade na Cafeicultura. Piracicaba: IMAFLORA, 2008. 60 p.

BACKES P, IRGANG B. Árvores do Sul: guia de identificação & interesse ecológico. 1. ed. Santa Cruz do Sul: Instituto Souza Cruz; Porto Alegre: Pallotti, 2002. 326p.

BENTES-GAMA MM, PEREIRA NS, CAPELASSO PHS, SALMAN AK, VIEIRA AH. Espécies arbóreas nativas com potencial para recuperação de paisagens alteradas em Rondônia. Documentos, Embrapa Rondônia, Porto Velho, RO, 2008, 29p.

BITAR OY. Avaliação da Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração na Região Metropolitana de São Paulo. [Tese]. São Paulo: Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, USP/SP; 1997.192p.

BRASIL. Resolução Conama 369 de 28 de março de 2006. Diário Oficial da União (Brasília, DF), 29 de mar. 2006. Seção I.

BRASIL. Lei nº 12651, de 25 de maio de 2012. Institui o novo Código Florestal. Diário Oficial da União (Brasília, DF), 25 maio. 2012. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20112014/2012/Lei/L12651.htm#art83>. Acesso em 15 de Junho 2015.

BOND-BUCKUP G. Biodiversidade dos Campos de Cima da Serra. 2 ed. Porto Alegre; 2010, 146p.

CARVALHO PER. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo; Embrapa Floresta; v.1; 2003; 1039p.

CARVALHO PER. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo; Embrapa Floresta; v.2; 2006; 627p.

CARVALHO PER. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo; Embrapa Floresta; v.3; 2008; 593p.

CECONI DE. Diagnóstico e recuperação da mata ciliar da sanga Lagoão do Ouro na microbacia hidrográfica do Vacacaí-mirim, Santa Maria – RS. [Tese]. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, SM/RS; 2010.132f.

CORDEIRO J, RODRIGUES WA. Caracterização fitossociológica de um remanescente de Floresta Ombrófila Mista em Guarapuava, PR. Rev. Árvore. 2007;vol.31,n.3,p. 545-554.

CHAMI LB. Vegetação e mecanismos de regeneração natural em diferentes ambientes da Floresta Ombrófila Mista na FLONA de São Francisco de Paula, RS. [Dissertação]. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, SM/ RS; 2008,125f.

CRESTANA MSM, FERRETI AR, TOLEDO FILHO DV, ÁRBOCZ GF, SCHMIDT HAP, GUARDIA JFC. Florestas-Sistemas de Recuperação com Essências Nativas, Produção de Mudas e Legislações. 2ª ed. Campinas: CATI; 2004, 216p.

EBLING AA. Dinâmica e projeção de um remanescente de floresta com araucária em São Francisco de Paula, RS. [Dissertação]. Irati: Universidade Estadual do Centro-Oeste, Paraná; 2012.142f.

FELFILI JM, REZENDE RP. Conceitos e métodos em fitossociologia. Comunicações Técnicas Florestais. 2003; v.5, n.1, 68p.

FERRETTI AR. Fundamentos ecológicos para o Planejamento da Restauração Florestal. In: GALVÃO APM, MEDEIROS ACS. (Editores Técnicos). Restauração da Mata Atlântica em Áreas de sua Primitiva Ocorrência Natural. Colombo: Embrapa Florestas, 2002.p. 21-26.

GOMES M. Reavaliação taxonômica de algumas espécies dos gêneros Coussarea Aubl. E Faramea Aubl. (Rubiaceae, tribo Coussareae). Acta Bot. Bras. 2003;v.17,n. 3,p. 449-466.

HIGA AR, SILVA LD. (Org.). Pomar de sementes de espécies florestais nativas. Curitiba: FUPEF; 2006, 264p.

KAGEYAMA PY, GANDARA FB. Recuperação de Áreas Ciliares. In: RODRIGUES RR, LEITÃO FILHO HF. Matas Ciliares: conservação e recuperação. 3 ed. São Paulo: EDUSP, 2000.p.249-269.

LANDRUM L R. Campomanesia, Pimenta, Blepharocalyx, Legrandia, Acca, Myrrhinium and Lumma (Myrtaceae). Flora Neotropica. 1986;v.45,p. 1-178.

LEGRAND CD, KLEIN RM. Mirtáceas – Gomidesia. In: REITZ R (Editor). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1967, p. 1-44.

LEGRAND CD, KLEIN RM. Mirtáceas: Eugenia. In: REITZ R (Editor). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1969, p. 45-216.

LEITE PF, KLEIN RM. Vegetação. In: IBGE. Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro, 1990, p. 115-190.

LONGHI RA. Livro das Árvores: árvores e arvoretas do Sul. 2.Ed. Porto Alegre: L&Pm; 1995, 176p.

LONGHI SJ. Comunicação pessoal. 2012.

LOPES SB, GONÇALVES L. Elementos Para Aplicação Prática das Árvores Nativas do Sul do Brasil na Conservação da Biodiversidade. Rio Grande do Sul: Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, 2006. 18p. Disponível em: . Acesso em: 12 abril 2015.

LORENZI H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum; 1992. vol. 1, 352p.

LORENZI H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum; 1998. vol. 2, 368p.

LORENZI H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2rd ed. Nova Odessa: Plantarum; 2002. vol. 2, 381p.

LORENZI H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 4rd ed. Nova Odessa: Plantarum; 2002b. vol. 1, 381p.

LORENZI H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum; 2009. vol. 3, 384p.

MARTINS SV. Recuperação de Matas Ciliares. Viçosa: Aprenda Fácil; 2001, 143p.

MELO JT, SILVA JÁ, TORRES RAA, SILVEIRA CES, CALDA LS. Coleta, propagação e desenvolvimento inicial de espécies do cerrado. In: SANO SM, ALMEIDA SP. (Eds). Cerrado: ambiente e flora. Planltina: EMBRAPA-CPAC, 1998. p.195-246.

MORENO JA. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria de Agricultura; 1961, 73p.

MOSCOVICH FA. Dinâmica de crescimento de uma Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. [Tese]. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, SM/RS; 2006.130f.

MUNDIM TG. Avaliação de espécies nativas usadas na revegetação de áreas degradadas no cerrado. [Trabalho de conclusão de curso]. Brasília: Universidade de Brasília, Faculdade de Tecnologia, Brasília. 2004.100 f.

NELVING JUNIOR LI, REITZ R. Timeleaceas. In: REITZ R (Org.). Flora ilustrada Catarinense. Itajaí, 1968. 21p.

PILLAR VP, MÜLLER SC, CASTILHOS ZMS, JACQUES AVA. Campos Sulinos - conservação e uso sustentável da biodiversidade. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2009. 409p.

PRIMACK RB, RODRIGUES E. Biologia da conservação. Londrina: E. Rodrigues, 2001. 327 p.

REITZ R, KLEIN RM, REIS A. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Itajaí: Sellowia, n. 34-35, p. 1- 525. 1983.

RIO GRANDE DO SUL. Diretrizes ambientais para restauração de matas ciliares. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Departamento de Florestas e Áreas Protegidas. Porto Alegre: SEMA, 2007. 33p.

RODRIGUES RR, BRANCALION PHS, ISERHAGEN I. Pacto pela restauração da Mata Atlântica: referencial dos conceitos e ações de restauração florestal. 1ed. São Paulo: LERF/ESALQ: Instituto BioAtlântica; v.1, 2009, 256p.

RORATO DG. Fitossociologia de espécies nativas de mata ciliar no entorno do Reservatório Divisa, São Francisco de Paula, RS. [Dissertação]. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria/RS. 2012,109f.

SAWCZUK AR. Florística e estrutura horizontal no período 2002-2008 de um Fragmento de Floresta Ombrófila Mista no Centro-Sul do Estado do Paraná. [Dissertação]. Irati: Universidade Estadual do Centro-Oeste, Paraná. 2009,157f.

SCHORN LA, KRIEGER A, NADOLNY MC, FENILLI TAB. Avaliação de técnicas para indução da regeneração natural em área de preservação permanente sob uso anterior do solo com Pinus elliottii. Floresta. 2010,v.40,n.2,p. 281-294.

SCREMIN DIAS E, BATTILANI JL, SOUZA ALT, PEREIRA SR, KALIFE C, SOUZA PR. Manual de produção de sementes de espécies florestais nativas. Campo Grande, MS: UFMS; 2006, 62p.

SEGER CD, DLUGOSZ FL, KURASZ G, MARTINEZ DT, RONCONI E, MELO LA et al. Levantamento florístico e análise fitossociológica de um remanescente de Floresta Ombrófila Mista localizado no município de Pinhais, Paraná-Brasil. Floresta. 2005;v.35,n.2,p. 291-302.

SOBRAL M, JARENKOW JÁ, BRACK P, IRGANG B, LAROCCA J, RODRIGUES RS. Flora arbórea e arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. São Carlos, RiMA/Novo Ambiente, 2006, 350p.

STRECK EV, KÄMPF N, DALMOLIN RSD, KLAMT E, NASCIMENTO PC, SCHNEIDER P. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2.ed. Porto Alegre, EMATER/RS-ASCAR, 2008. 222p.

VACCARO S. Crescimento de uma Floresta Estacional decidual, em três estágios sucessionais, no município de Santa Tereza, RS, Brasil. [Tese]. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, SM/RS; 2002.137f.

WURDACK JJ. Melastomataceae of Santa Catarina. Sellowia. 1962.v.14,n.14,p. 109-217




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130819501

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.