CAUSES AND CONSEQUENCES OF THE PROCESS OF SOIL SALINIZATION

Alceu Pedrotti, Rogério Moreira Chagas, Victor Callegari Ramos, Ana Paula do Nascimento Prata, Ariovaldo Antônio Tadeu Lucas, Pricila Barbosa dos Santos

Abstract


The process of soil salinization is typical of arid and semi-arid regions, often resulting from the combination of geological formation predominant in the landscape, poor distribution of rainfall, poor drainage and inadequate farm. The exploitation of natural resources with the use of inadequate techniques has favored the increase of the degree of degradation, because they affect agricultural production and the environment, causing a number of problems of social and political order. One area can remain saline during years with low or moderate salinity, unless the problem is detected. A further increase in the salt content can cause cessation of agricultural land in a few years since higher amounts of salts in the soil cause changes in the physical characteristics of the soils and slows or prevents the growth of plants, mainly due to increased osmotic potential and indirect toxicity of certain elements. Strategies such as the use of extracting plants, the use of gypsum and lime as the use of techniques to improve drainage of the soil, are adopted for reclamation by excess salts, and that when applied together can minimize the deleterious effects of excess salts in soil.


Keywords


Soil degradation; Excess salts; Phytoremediation; Halomorphics soils.

References


ABROL, I. P.; YADAV, J. S. P.; MASSOUD, F. I. Salt-affected soils and their management. United Nations, Rome, FAO Soils Bull. 39. 1988.

AGASSI, M.; SHAINBERG, I.; MORIN, J. 1981. Effect of electrolyte concentration and soil sodicity on infiltration rate and crust formation. Soil Sci. Soc. Am. J., v.45, p.848-851.

AGUIAR, C. R. C. 2006. Desempenho de Soja e Braquiária na Fitorremediação de Solos Contaminados com Petróleo. 109f. Dissertação (Mestrado em Saneamento Ambiental) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

AHMED, M.; QAMAR, I. A. 2004. Rehabilitation and Productive use of Salt affected Lands through Afforestation. Science Vision. v.9, n.1, p.178-191.

ALBUQUERQUE, J. A.; ARGENTON, J.; FONTANA, E. C.; COSTA, F. S.; RECH, T. D. 2002. Propriedades físicas e químicas de solos Incubados com resíduo alcalino da indústria de celulose. R. Bras. Ci. Solo, v.26, n.4, p.1065-1073.

ALMEIDA, D. M.; COSTA, R. N. T.; SAUNDERS, L. C. U.; MATIAS FILHO, J. 2001. Análise comparativa de envoltórios para drenos tubulares em condições de fluxo não-permanente. R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, v.5, n.1, p.10-15.

ANDRADE, L. N. V.; CRUCIANI, D. E. 1996. Condutividade hidráulica no processo de eluição em um solo bruno-não-cálcico. Sci. agric. v.53 n.1, p.43-50.

ASSIS, R. L.; PROCÓPIO, S. O.; CARMO, M. L.; PIRES, F. R.; FILHO, A. C.; BRAZ, G. B. P. 2010. Fitorremediação de Solo Contaminado com Herbicida Picloram por Plantas de Capim Pé de Galinha Gigante. R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, v.14, n.11, p.1131-1135.

AYERS, R. S.; WESTCOT, D. W. 1991. A qualidade da água na agricultura. Tradução de GHEYI, H. R.; MEDEIROS, J. F.; DAMASCENO, F. A. V. Campina Grande, PB: UFPB, 218p.

BARROS, M. F. C.; FONTES, M. P. F.; ALVAREZ V., V. H.; RUIZ, H. A. 2005. Aplicação de gesso e calcário na recuperação de solos salino-sódicos do Estado de Pernambuco. R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, v.9, p.320-326.

BARROS, M. F. C.; FONTES, M. P. F.; RUIZ, H. A.; ALVAREZ, V. V. H. 2004. Recuperação de solos afetados por sais no Nordeste do Brasil pela aplicação de gesso de jazida e calcário. R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, v.8, n.1, p.59-64.

BARROS, M. F. C.; SANTOS, P. M.; MELO, R. M.; FERRAZ, F. B. 2006. Avaliação de Níveis de Gesso Para Correção da Sodicidade de Solos. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v.1, n.1, p.17-21.

BATISTA, M. J.; NOVAES, F.; SANTOS, D. G.; SUGUINO, H. H. 2002. Drenagem como Instrumento de Dessalinização e Prevenção da Salinização de Solos. 2.ed., rev. e ampliada. Brasília: CODEVASF, 216p.

CAVALCANTE, L. F.; SANTOS, R. V.; FERREYRA, F. F. H.; GHEYI, H. R.; DIAS, T. J. 2010. Recuperação de solos afetados por sais. In: GHEYI, H. R.; DIAS, N. S.; LACERDA, C. F. (eds.). Manejo da Salinidade na Agricultura: Estudos Básicos e Aplicados. Fortaleza, INCTSal, p.423-448.

COOPER, M. 2008. Degradação e Recuperação de Solos. Piracicaba, 31p.

CRUCIANI, D. E. 1989. A Drenagem na Agricultura. 4 ed. São Paulo: Nobel, 337p.

DAKER, A. 1988. A água na agricultura: Irrigação e drenagem. 7 ed. Rio de Janeiro, RJ: Freitas Bastos, 543p.

DIAS, N. S.; LIRA, R. B.; BRITO, R. F.; SOUSA NETO, O. N.; FERREIRA NETO, M.; OLIVEIRA, A. M. 2010. Produção de melão rendilhado em sistema hidropônico com rejeito da dessalinização de água em solução nutritiva. R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, v.14, n.7, p.755–761.

DIAS, N. S.; BLANCO, F. F. 2010. Efeitos dos sais no solo e na planta. In: GHEYI, H. R.; DIAS, N. S.; LACERDA, C. F. (eds.). Manejo da Salinidade na Agricultura: Estudos Básicos e Aplicados. Fortaleza, INCTSal, p.129-141.

DUDAL, R.; PURNELL, M. F. 1986. Land Resources: salt affected soils. Reclamation and Revegetation Research, v.5, p.1-10.

DUARTE, S. N.; DIAS, N. S.; TELES FILHO, J. F. 2007. Recuperação de um solo salinizado devido ao excesso de fertilizantes em ambiente protegido. Irriga, v.12, n.3, p.422-428.

ESTEVES, B. S.; SUZUKI, M. S. 2008. Efeitos da Salinidade Sobre as Plantas. Oecol. Bras., v.12, n.4, p.662-679.

FARIAS, S. G. G.; SANTOS, R. S.; FREIRE, A. L. O.; SILVA, R. B. 2009. Estresse salino no crescimento inicial e nutrição mineral de gliricídia (Gliricidia sepium (Jacq.) Kunth ex Steud) em solução nutritiva. R. Bras. Ci. Solo, v.33, n.5, p.1499-1505.

FASSBENDER, H. W.; BORNEMISZA, E. 1987. Química dos suelos com énfasis em suelos de América Latina. 2 ed., San José: IICA, 420p.

FERNANDES, C. A. D.; FILGUEIRA, M. A.; MARINHO, E. 2008. Estudos Preliminares do “Deserto Salino” e sua Influência na Poluição do Ar na Cidade de Mossoró/RN. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável. Mossoró, Brasil. v.1, n.3, p.152­163.

FERREIRA, P. A. Drenagem. In: Curso de engenharia de irrigação. 2001. Módulo XI. Brasília: Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior. 167p.

FIGUEIRÊDO, A. F. R. 2005. Análise do risco de salinização dos solos da bacia hidrográfica do Rio Colônia – Sul da Bahia. 84 f. (Dissertação de Mestrado) – Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus.

FLOWERS, T. J. 2004. Improving crop salt tolerance. Journal of Experimental Botany, v.55, n.369, p.307-319.

FLOWERS, T. J.; COLMER, T. D. 2008. Salinity tolerance in halophytes. New Phytologist, v.179, n.4, p.945-963.

FOLEY, J. A.; DEFRIES, R.; ASNER, G. P.; BARFORD, C.; BONAN, G.; CARPENTER, S. R.; CHAPIN, F. S.; COE, M. T.; DAILY, G. C.; GIBBS, H. K.; HELKOWSKI, J. H.; HOLLOWAY, T.; HOWARD, E. A.; KUCHARIK, C. J.; MONFREDA, C.; PATZ, J. A.; PRENTICE, I. C.; RAMANKUTTY, N.; SNYDER, P. K. 2005. Global consequences of land use. Science, v.309, n.5734, p.570-574.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. 2011. The state of the world’s land and water resources for food and agriculture. Roma: FAO. 50p.

FREIRE, M. B. G. S. 2001. Saturação por sódio e qualidade da água de irrigação na degradação de propriedades físicas de solos no Estado de Pernambuco. 66f. Tese (Doutorado em Agronomia) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

GHADIRI, H.; ROSE, C. W. 1991. Sorbed chemical transport in overland flow: I. A nutrient and pesticide enrichment mechanism. Journal of Environmental Quality, v.20, n.3, p.628-633.

GHAFOOR, A.; QADIR, M.; MURTAZA, G. 2004. Salt Affected Soils: Principle of Management (1st Ed.) Institute of Soil and Environmental Sciences, Uni. Agric. Faisalabad.

GHEYI, H. R.; MEDEIROS, J. F.; BATISTA, M. A. F. 1991. Prevenção, manejo e recuperação de solos salinos e sódicos. Mossoró: ESAM, 70p.

GHEYI, H. R. 2000. Problemas de salinidade na agricultura irrigada. In: OLIVEIRA, T.; ASSIS, J. R.; R. N.; ROMERO, R. E.; SILVA, J. R. C. (Eds.). Agricultura, sustentabilidade e o semi-árido. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, p.329-345.

GHEYI, H. R.; QUEIROZ, J. E.; MEDEIROS, J. F. 1997. Manejo e controle da salinidade na agricultura irrigada. Campina Grande: UFPB/SBEA, 383p.

GUPTA, R. K.; ABROL, I. P. 1990. Sal-affected soils: their reclamations an management for crop production. Advances in Soil Science, v.11, p.223-288.

HOLANDA, A. C.; SANTOS, R. V.; SOUTO, J. S.; ALVES, A. R. 2007. Desenvolvimento inicial de espécies arbóreas em ambientes degradados por sais. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v.7, n.1, p.39-50.

HOLANDA, F. S. R.; MARCIANO, C. R.; PEDROTTI, A.; AGUIAR, J. F. de; SANTOS, V. P. 2001. Recuperação de áreas com problemas de salinização. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v. 22, n. 210, p. 57-61.

IIYAS, M.; QURESHI, R. H.; QADIR, M. A. 1997. Chemical changesin a saline-sodic soil after gypsum application and cropping. Soil Technol., v.10, n.3, 247-260.

IIYAS, M., MILLER, R. W., QURESHI, R. H. 1993. Hydraulic conductivity of saline-sodic soil after gypsum application and cropping. Journal of the Soil Science Society of America, v. 57, n.6, p.1580-1585.

JAIN, P. K.; PALIWAL, K.; DIXON, R. K.; GJERSTAD, D. H. 1989. Improving productivity of multipurpose tree on substandard soil in India. J. For., v.87, n.4, p.38-42.

KEREN, R.; SHAINBERG, I.; KLEIN, E. 1988. Settling and flocculation value of sodium-montmorillonite particles in aqueous media. Soil Sci. Soc. Am. J., 52:76-80.

KOBIYAMA, M.; MINELLA, J. P. G.; FABRIS, R. 2001. Áreas degradadas e sua recuperação. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v.22, n.210, p.10-17.

LACERDA, C. F.; CAMBRAIA, J.; CANO, M. A. O.; RUIZ, H. A.; PRISCO, J. T. 2003. Solute accumulation and distribution during shoot and leaf development in two sorghum genotypes under salt stress. Environmental and Experimental Botany, v.49, n.2, p.107-120.

LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal. São Carlos: RiMa, 2000. 531p.

LEAL, I. G.; ACCIOLY, A. M. A.; NASCIMENTO, C. W. A.; FREIRE, M. B. G. S.; MONTENEGRO, A. A. .A; FERREIRA, F. L. 2008. Fitorremediação de Solo Salino Sódico por Atriplex nummularia e Gesso de Jazida. R. Bras. Ci. Solo., v.32, n.3, 1065-1072.

LIMA, V. A.; FARIAS, M. S. S.; BORGES JÚNIOR, J. C. F. 2010. Drenagem agrícola no manejo dos solos afetados por sais. In: GHEYI, H. R.; DIAS, N. S.; LACERDA, C. F. (eds.). Manejo da Salinidade na Agricultura: Estudos Básicos e Aplicados. Fortaleza, INCTSal, p.369–382.

LUTHIN, J. N. 1973. Drainage engineering. New York: Robert E. Engineering. 250p.

MACÊDO, L. S; SOUSA, M. R.; MORRILL, W. B. B. 2007. Drenagem para Controle da Salinidade. Tecnol. & Ciên. Agropec., João Pessoa, v.1., n.2, p.69-71.

MAJOR, I.; SALES, J. C. 2012. Mudanças Climáticas e Desenvolvimento Sustentável. Disponível em acessado em 16 de junho de 2012.

MELO, M. R.; BARROS, C. F. M.; SANTOS, M. P.; ROLIM, M. M. 2008. Correção de solos salino-sódicos pela aplicação de gesso mineral. R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, v.12, n.4, p.376-380.

MOURA FILHO, W.; BUOL, S. W. 1976. Studies of a Latosol Roxo (Eutrustox) in Brazil: micromorphology effect on ion release. Experientiae, v.21, n.8, p.161-177.

MUDGAL, V.; MADAAN, N.; MUDGAL, A. 2010. Biochemical mechanisms of salt tolerance in plants: A review. Int. J. Bot., v.6, n.2, p. 136-143.

MUNNS, R. Comparative physiology of salt and water stress. 2002. Plant, Cell and Environment., v.25, n.2, p.239–250.

MUNNS, R. 2005. Genes and salt tolerance: bringing them together. New Phytologist, v.167, n.3, p.645-663.

MUNNS, R. The impact of salinity stress. Plantstress. Virtual article. Disponível em: http://www.plantstress.com/Articles/salinity_i/salinity_i.htm. Acesso em: 26 jul. 2012.

MUNNS, R.; RICHARD, A. JAMES, R. A.; LAUCHLI, A. 2006. Approaches to increasing the salt tolerance of wheat and other cereals. Journal of Experimental Botany, v.57, n.5, p.1025-1043.

MUNNS, R.; TERMAAT, A. 1986. Whole plant responses to salinity. Austr. J. Plant Physiol., v.13, n.1, p.143-160.

MUNNS, R.; TESTER, M. 2008. Mechanisms of salinity tolerance. Annu. Rev. Plant Biol. v.59, p.651–681.

NAWAZ, N. HUSSAIN, K.; MAJEED, A.; KHAN, F.; AFGHAN, S.; ALI, K. 2010. Fatality of salt stress to plants: Morphological, physiological and biochemical aspects. Afr. J. Biotechnol., v.9, n.34, p. 5475-5480.

NEUMANN, P. 1997. Salinity resistance and plant growth revisited. Plant, Cell & Environment., v.20, p.1193-1198.

O'LEARY, J. W. 1975. Hight humidity overcomes lethal levels of salinity in hydroponically grown salt-sensitive plants. Plant and Soil, v.42, n.3, p.717-721.

OLIVEIRA, L. B. DE; RIBEIRO, M. R.; FERREIRA, M. G. V. X.; LIMA, J. F. W. F.,; MARQUES, F. A. 2002. Inferências pedológicas aplicadas ao Perímetro Irrigado de Custódia, PE. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.37, p.1477-1486.

OLIVEIRA, M. 1997. Gênese, classificação e extensão de solos afetados por sais. In: GUEYI, H. R.; QUEIROZ, J. E.; MEDEIROS, J. F. (Ed.) Manejo e controle da salinidade na agricultura irrigada. Campina Grande: UFPB, cap.1, p.1-35.

PEREIRA, B. F. F. 2005. Potencial Fitorremediador das Culturas de Feijão-De-Porco, Girassol e Milho Cultivadas em Latossolo Vermelho Contaminado com Chumbo. 68f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Tropical e Subtropical) – Instituto Agronômico, Campinas.

PIRES, F. R.; PROCÓPIO, S. O.; SOUZA, C. M.; SANTOS, J. B.; SILVA, G. P. 2006. Adubos Verdes na Fitorremediação de Solos Contaminados com o Herbicida Tebuthiuron. Revista Caatinga, v.19, n.1, p.92-97.

PIRES, F. R.; SOUZA, C. M.; SILVA, A. A.; PROCÓPIO, S. O.; FERREIRA, L. R. 2003. Fitorremediação de Solos Contaminados com Herbicidas. Planta Daninha, v.21, n.2, p.335-341.

PORTO, E. R.; ARAÚJO, O.; ARAÚJO, G. G. L.; AMORIM, M. C. C.; PAULINO, R. V.; MATOS, A. N. B. 2004. Sistema de produção integrado usando efluentes da dessalinização. Petrolina: Embrapa Semiárido. 28p. (Documentos, 187).

PORTO, E. R; AMORIM, M. C. C.; SILVA JÚNIOR, L. G. de A. 2001. Uso do rejeito da dessalinização de água salobra para irrigação da erva-sal (Atriplex nummularia). R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, v.5, n.1, p.111-115.

QADIR, M.; OSTER, J. D. 2004. Crop and irrigation management strategies for saline-sodic soils and waters aime at environmentally sustainable agriculture. Sci Total Environ., v.323, n.1-3, p.1-19.

QADIR, M.; OSTER, J. D.; SCHUBERT, S.; NOBLE, A. D.; SAHRAWAT, K. L. 2007. Phytoremediations of sodic and salinesodic soils. Adv. Agron., v.96, p.197-247.

QADIR, M.; QURESSHI, R. H.; AHMAD, N. 1998. Horizontal flushing: A promising ameliorative technology for hard saline-sodic and sodic soils. Soil Till. Res., v.45, p.119-131.

QADIR, M.; STEFFENS, D.; YAN , F.; SCHUBERT , S. 2003. Sodium Removal from a Calcareous Saline-Sodic Soil through Leaching and Plant Uptake During Phytoremediation. Land Degradation and Development.,v.14, p.301-307.

QUEIROZ, S. O. P.; TESTEZLAF, R.; MATSURA, E. E. 2009. Metodologia Para Avaliação da Salinidade do Solo em Ambiente Protegido. Irriga, v.14, n.3, p.383-397.

QUIROZ, H. C. T. 2009. Potencial fitorremediador da Atriplex nummularia em solos salinizados e sodificados pelo reúso de efluentes de esgotos tratados na agricultura. 2009. 83f. (Dissertação de mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

RHOADES, J. D.; INGVALSON, R. D. 1969. Macroscopic swelling and hydraulic conductivity properties of four vermiculitic soils. Soil Science Society of America Proceedings, v.33, p.364-370.

RIBEIRO, J. S.; LIMA, A. B.; CUNHA, P. C.; WILLADINO, L.; CÂMARA, T. R. O. 2007. Estresse abiótico em Regiões Semi-Áridas: Respostas Metabólicas das Plantas. In: MOURA, A. N.; ARAUJO, E. L.; ALBUQUERQUE, U. P. (orgs.) Biodiversidade, potencial econômico e processos eco-fisiologicos em ecossistemas nordestinos, Recife: Comunigraf. 361p.

RIBEIRO, M. R.; BARROS, M. F. C.; FREIRE, M. B. G. S. 2009. Química dos solos salinos e sódicos. In: MELO, V. F.; ALLEONI, L. R. F. (eds.). Química e mineralogia do solo. Parte II – Aplicações. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, p.449-484.

RIBEIRO, M. R. 2010. Origem e Classificação dos Solos Afetados por Sais. In: GHEYI, H. R.; DIAS, N. S.; LACERDA, C. F. (Eds.). Manejo da Salinidade na Agricultura: Estudos Básicos e Aplicados. Fortaleza, INCTSal. p.11-19.

RIBEIRO, M. R.; FREIRE, F. J.; MONTENEGRO, A. A. A. 2003. Solos halomórficos no Brasil: Ocorrência, gênese, classificação, uso e manejo sustentável. In: CURI, N.; MARQUES, J. J.; GUILHERME, L. R. G.; LIMA, J. M.; LOPES, A. S; ALVAREZ, V. H. (eds.). Tópicos em Ciência do Solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, v.3, p.165-208.

RICHARDS, L. A. 1954. Diagnosis and improvement of saline and alkali soils. Washington D.C., U.S. Salinity Laboratory. 160p. (USDA Agriculture Handbook, 60).

RUIZ, H. A.; SAMPAIO, R. A.; OLIVEIRA M. de; VENEGAS, V. H. A. 2004. Características químicas de solos salino-sódicos submetidos a parcelamento da lâmina de lixiviação. Pesq. agropec. bras., v.39, n.11, p.1119-1126.

SANTOS, P. R. 2006. Germinação, vigor e crescimento de duas cultivares de feijoeiro em soluções salinas. 48 f. Dissertação (Mestrado em Solos e nutrição de plantas) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa-MG.

SANTOS, R. V.; HERNANDEZ, F. F. F. 1997. Recuperação dos solos afetados por sais. In: GHEYI, H. R.; QUEIROZ, J. E.; MEDEIROS, J. F. de (eds.). Manejo e controle da salinidade na agricultura irrigada. Campina Grande: SBEA, cap.10, p.337-356.

SHAIBERG, I.; OSTER, J. D. 1978. Quality of irrigation water. Bet dagon: International Irrigation Center, 1978. 65p.

SHAINBERG,I; LETEY, J. 1984. Response of soils to sodic and saline conditions. Hilgardia, v. 52, p.1-57.

SILVA, C. A. S.; PARFITT, J. M. B. 2004. Drenagem superficial para diversificação do uso dos solos de várzea do Rio Grande do Sul. Circular Técnica nº 40. Pelotas: EMBRAPA, 10p.

SILVA, E. N.; SILVEIRA, J. A. G.; RODRIGUES, C. R. F.; DUTRA, A. T. B.; ARAGÃO, R. M. 2009. Acúmulo de íons e crescimento de pinhão-manso sob diferentes níveis de salinidade. Revista Ciência Agronômica, v.40, n.2, p.240-246.

SILVA, J. L. A.; ALVES, S. S. V.; NASCIMENTO, I. B.; SILVA, M. V. T.; MEDEIROS, J. F. 2011. Evolução da salinidade em solos representativos do Agropólo Mossoró-Assu cultivado com meloeiro com água de deferentes salinidades. Agropecuária Científica no Semi-Árido, v.7, n.4, p.26-31.

SKAGGS, R. W. 1981. DRAINMOD - Reference report: Methods for design and evaluation of drainage-water management systems for soils with high water tables. Raleigh: USDA-SCS, 329p.

SOUSA. C. H. C. 2007. Análise da tolerância a salinidade em plantas de sorgo, feijão de corda e algodão. Fortaleza. 73f. Dissertação (Mestrado em Irrigação e Drenagem) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

SZABOLCS, I. 1979. Review of research on salt affected soils. Paris: UNESCO. 137p.

TAN, K. H. 1992. Principles of soil chemistry. 2.ed. New York. 362p.

TAVARES FILHO, A. N. T.; BARROS, M. F. C.; ROLIM, M. M.; SILVA, E. F. F. 2012. Incorporação de Gesso Para Correção da Salinidade e Sodicidade de Solos Salino-Sódicos. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Campina Grande, Brasil. v.16, n.3, p.247–252.

TÁVORA, F. J. A. F.; FERREIRA, R. G.; HERNANDEZ, F. F. F. 2001. Crescimento e relações hídricas em plantas de goiabeira submetidas a estresse salino com NaCl. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.23, n.2, p.441–446.

VIANA, S. B. A; FERNANDES, P. D; GHEYI, H. R; SOARES, F. A. L.; CARNEIRO, P. T. 2004. Índices morfofisiológicos e de produção de alface sob estresse salino. R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, v.8, n.1, p.23-30.

WANDERLEY, R. A. 2009. Salinização de solos sob aplicação de rejeito de dessalinizadores com e sem adição de fertilizantes. 52 f. (Dissertação de Mestrado) – Universidade de Federal Rural de Pernambuco, Recife.

WILLADINO, L.; CAMARA, T. R. 2004. Origen y natureza de los ambientes salinos. In: REIGOSA, M. J. PEDROL, N.; SÁNCHEZ, A. (eds). La ecofisiología vegetal una ciencia de síntesis. Madri: Editora Thompsom, cap.10, p.303-330.

WILLIAMS, W. D. 1987. Salinization of rivers and streams: an important environmental hazard. Ambio. v.16, p.180-185.

YOKOI, S.; BRESSAN, R. A.; HASEGAWA, P. M. 2002. Salt stress tolerance of plants. Jircas Working Report, Ishigaki, v. 1, p. 25-33.

ZHU, J. K. 2002. Salt and drought stress signal transduction in plants. Annual Review of Plant Biology, Oxford, v.53, n.1, p.247-273.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236117016544



DEAR AUTHORS,

PLEASE, CHECK CAREFULLY BEFORE YOUR SUBMISSION:

- IF ALL AUTHORS "METADATA" (ORCID, LINK TO LATTES, SHORT BIOGRAPHY, AFFILIATION) WERE ADDED,

- THE CORRECT IDIOM YOUR SECTION,

- IF THE HIGHLIGHTS WERE ADDED,

- IF THE GRAPHIC ABSTRACTS WAS ADDED,

- IF THE REVIEWERS INDICATION WAS DONE,

- IF THE REFERENCES FORMAT ARE CORRECT(ABNT)

- IF THE RESOLUTION YOUR FIGURES (600 DPI) ARE SUITABLE

*******************************

PREZADOS AUTORES,

POR FAVOR, VERIFIQUE ATENTAMENTE ANTES DA SUBMISSÃO: 
- SE OS METADADOS (ORCID, LINK PRO LATTES, CURTA BIOGRAFIA E AFILIAÇÃO) DE "TODOS" OS AUTORES FORAM ADICIONADOS, 
- IDIOMA, 
- SE OS HIGHLIHTS FORAM ADICIONADOS, 
- SE O GRAPHICAL ABSTRACT FOI ADICIONADO, 
- SE A INDICAÇÃO DOS REVISORES FOI FEITA, 
- SE O FORMATO DAS REFERÊNCIAS ESTÁ ADEQUADO (ABNT) 
- SE A RESOLUÇÃO SUAS FIGURAS (600 DPI) ESTÁ ADEQUADA.

 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

 

**************************************************

WE ARE ON FACEBOOK! (You are our guest!)

 

Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/22361170

Contact: reget.ufsm@gmail.com

...................................................................................


Accesses since 19/06/2012

...................................................................................

Sponsors: