Solid waste management at the university restaurant of the Federal Rural University of Pernambuco: diagnosis and analysis from the perspective of the environmental agenda for public administration

Manuela Medeiros Gonçalves, José de Lima Albuquerque

Abstract


The amount of solid waste produced by the University Restaurant of the Federal Rural University of Pernambuco is quite high. Roughly 3.5k meals are served daily. A number which requires proper strategies for waste reduction. The research main goal was to run a diagnosis and an analysis on the management of the main waste generated at the University Restaurant: generation, collection and final destination on the perspective of the Public Administration’s Environmental Agenda. The data collection was conducted through documental research and direct observation with the intention of identifying the management stages of the main solid waste generated. The methodology used was a case study with a qualitative investigative approach. The results showed a lack of efficiency on the management of the main produced waste and that would require further attention to A3P’s variable that outlines the management of generated waste and the related legislation. Besides, it is noted that and adjustment of the food planning at the restaurant with the intention to reduce the disparity between the planned and the consumed amount of food. The results of this research, as well as the recommendations for future studies, will be forwarded to the managers of the restaurant so the necessary actions can be taken in order to ensure the continuous improvement of its waste management.


Keywords


Restaurante universitário, agenda ambiental na administração pública, gestão de resíduos.

Full Text:

PDF

References


Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2004). NBR ISO 10004: resíduos sólidos - classificação. Rio de Janeiro.

Boff, L. (2016). Sustentabilidade: o que é – o que não é. (4a ed.). Petrópolis: Vozes.

Brandli, L., Frandoloso, M., Fraga, K., Vieira, L., & Pereira, L. (2012). Avaliação da presença da sustentabilidade ambiental no ensino dos cursos de graduação da universidade de Passo Fundo. Revista Avaliação, 17(2), 433-454.

Busato, M. A., & Ferigollo, M. C. (2018). Desperdício de alimentos em unidades de alimentação e nutrição: uma revisão integrativa da literatura. Holos, 34(1), 91-102. Recuperado em 15 de março de 2018, de http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/4081/pdf

Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução CONAMA nº 275, de 25 de abril 2001 (2001). Estabelece o código de cores para os diferentes tipos de resíduos, a ser adotado na identificação de coletores e transportadores, bem como nas campanhas informativas para a coleta seletiva. Diário Oficial da União, Brasília, DF. Recuperado em 20 de julho de 2017, de http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=291

Decreto nº 5.940, de 25 de outubro de 2006 (2006). Institui a separação dos resíduos recicláveis descartados pelos órgãos e entidades da administração pública federal direta e indireta, na fonte geradora, e a sua destinação às associações e cooperativas dos catadores de materiais recicláveis, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF. Recuperado em 8 de abril de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/decreto/d5940.htm

Frey, K. (2003). Desenvolvimento sustentável local na sociedade em rede: o potencial das novas tecnologias de informação e comunicação. Revista de Sociologia e Política, (21), 165-185.

Harmon, A. H., & Gerald, B. L. (2007). Position of the American Dietetic Association: food and nutrition professionals can implement practices to conserve natural resources and support ecological sustainability. Journal of the American Dietetic Association, 107(6), 1033-1043.

Jacobi, P. R., & Besen, G. R. (2011). Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Revista Estudos Avançados, 71(25).

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2003). Fundamentos da metodologia científica. (5a ed.) São Paulo: Atlas.

LARA, P. T. R. (2012, março-junho). Sustentabilidade em instituições de ensino superior. Revista Monografias Ambientais, 7(7), 1646 – 1656.

Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999 (1999). Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF. Recuperado em 10 de setembro de 2017, de http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=321

Lei n. 12.305, de 02 de agosto de 2010 (2010). Institui a política nacional de resíduos sólidos; altera a Lei nº. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF. Recuperado em 3 de junho de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm.

Lima, L. M. Q. (2004). Lixo: tratamento e biorremediação. São Paulo: Hemus.

Ministério do Meio Ambiente. (2005). Manual de educação para o consumo sustentável. Brasília: Consumers International.

Ministério do Meio Ambiente. (2009). Agenda ambiental na administração pública (5a ed.). Recuperado em 25 de novembro de 2017, de http://www.mma.gov.br/estruturas/a3p/_arquivos/cartilha_a3p_36.pdf.

Ministério do Meio Ambiente. (2017). A Política dos 5R’s. Recuperado em 30 de setembro de 2017, de http://www.mma.gov.br/informma/item/9410.

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. (2012). Instrução Normativa nº 10 de 12 de novembro de 2012. Estabelece regras para elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentável de que trata o art. 16, do Decreto nº 7.746, de 5 de junho de 2012, e dá outras providências. Recuperado em 15 de abril de 2017, de http://www.mme.gov.br/documents/10584/1154501/Instruxo-Normativa-10-2012.pdf/228ebf79-20dc-4e74-b019-8cc613338950.

Nunes, R. (2012, 1º semestre). Gastronomia sustentável. Revista Interação, 6(1), 42-59.

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. (2016) Perdas e desperdícios de alimentos na América Latina e no Caribe. Recuperado em 25 de agosto de 2017, de http://www.fao.org/americas/noticias/ver/pt/c/239394/.

Reis, H., Flavio, E., & Guimarães, R. (2015, agosto-setembro). Avaliação das condições higiênico-Sanitárias de uma Unidade de Alimentação e Nutrição Hospitalar de Montes Claros, MG. Revista Unimontes Científica, 17(2).

Sousa, C., Alves, A., Andrade, T., Nicodemo, S., & Vitorino, G. (2017). A Percepção ambiental de atores sociais de escolas públicas e privadas, em um bairro de João Pessoa (PB). Revista Brasileira de Educação Ambiental, 12(4), 180-193.

Strasburg, V. J., & Jahno, V. D. (2017, janero-fevereiro). Paradigmas das práticas de gestão ambiental no segmento de produção de refeições no Brasil. Revista de Engenharia Sanitária e Ambiental, 22(1), 3-12.

United Nations. World population prospects. (2017, Revision). Retrieved July 27, 2017, from https://esa.un.org/unpd/wpp/Publications/Files/WPP2017_KeyFindings.pdf

Vaz, C. (2006). Restaurantes: controlando custos e aumentando lucros. Brasília: LGE Editora Ltda.

Yin, R.K. (2015) Estudo de caso: planejamento e métodos. 5 ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.




DOI: https://doi.org/10.5902/1983465938702


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

  

   

       

 

------

Revista de Administração da UFSM. Brazilian Journal of Management

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, eISSN 1983-4659