Políticas organizacionais para incentivar bicicletas na mobilidade urbana em Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Daniele Eckert Matzembacher, Luis Felipe Machado do Nascimento

Resumo


O objetivo deste artigo foi identificar as políticas de incentivo ao uso de bicicleta como meio de transporte desenvolvidas por organizações em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, bem como a vinculação de tais políticas aos programas de gestão socioambiental dessas organizações.  Examinou-se também se essas políticas influenciaram os trabalhadores na decisão de utilizar a bicicleta como meio de locomoção ao trabalho. Constatou-se que bicicletários, vestiários, chuveiros, armários, kit de ferramentas e campanhas de promoção são alguns dos componentes das políticas de incentivo ao uso de bicicletas e que a grande maioria das organizações estudadas não vincula suas políticas socioambientais ao incentivo ao uso de bicicletas como meio de locomoção ao trabalho. Em relação aos trabalhadores, observou-se que as políticas de incentivo têm resultados positivos na escolha da bicicleta como forma de locomoção urbana. Diante disso, este trabalho mostra a relevância de introduzir meios de transporte que promovam melhores condições de saúde física e mental à população, que ajudem a solucionar problemas de mobilidade e a melhorar o uso de espaços públicos e que contribuam para a redução da emissão de poluentes atmosféricos. O objetivo deste artigo foi identificar as políticas de incentivo ao uso de bicicleta como meio de transporte desenvolvidas por organizações em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, bem como a vinculação de tais políticas aos programas de gestão socioambiental dessas organizações.  Examinou-se também se essas políticas influenciaram os trabalhadores na decisão de utilizar a bicicleta como meio de locomoção ao trabalho. Constatou-se que bicicletários, vestiários, chuveiros, armários, kit de ferramentas e campanhas de promoção são alguns dos componentes das políticas de incentivo ao uso de bicicletas e que a grande maioria das organizações estudadas não vincula suas políticas socioambientais ao incentivo ao uso de bicicletas como meio de locomoção ao trabalho. Em relação aos trabalhadores, observou-se que as políticas de incentivo têm resultados positivos na escolha da bicicleta como forma de locomoção urbana. Diante disso, este trabalho mostra a relevância de introduzir meios de transporte que promovam melhores condições de saúde física e mental à população, que ajudem a solucionar problemas de mobilidade e a melhorar o uso de espaços públicos e que contribuam para a redução da emissão de poluentes atmosféricos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1983465916994

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

  

  

Revista de Administração da UFSM. Brazilian Journal of Management

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, eISSN 1983-4659