A revisão de textos nos ritos genéticos editoriais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2763938X63652

Palavras-chave:

Ethos discursivo, Interlíngua, Regimes de genericidade, Revisão de textos

Resumo

O objetivo deste artigo é abordar a revisão de textos como coração do processo editorial. As bases discursivas da noção de ritos genéticos editoriais são detalhadas, e daí se desdobram os conceitos de código linguageiro, regimes de genericidade e ethos discursivo, operacionalizando análises de materiais revisados e jogando luz sobre o ofício de editar textos. Trata-se de apresentar uma metodologia para o trabalho e a pesquisa, possivelmente também como percurso de formação de revisores.

Biografia do Autor

Luciana Salazar Salgado, Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Letras, São Carlos, SP

Professora Associada no Departamento de Letras da UFSCar, graduada em Letras (Francês e Português) pela FFLCH/USP (1992), licenciada em Língua Portuguesa pela FE/USP (1994), tem especialização em Comunicação de Marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing - ESPM (1995). É mestre em Educação (área de concentração: Ciência e Linguagem) pela Faculdade de Educação - FE/USP (1998) e doutora em Linguística (área de concentração: Análise do Discurso) pelo Instituto de Estudos da Linguagem - IEL/Unicamp (2007). Em seu segundo pós-doutoramento (2017-2019) trabalhou no Fundo Milton Santos, no Arquivo do Instituto de Estudos Brasileiros - IEB/USP; no pós-doutoramento desenvolvido no Departamento de Linguística da FFLCH/USP (2008 e 2010), estudou as políticas federais de formação de neoleitores. Trabalhou com projetos de editoria no núcleo técnico Confraria de Textos (1999-2010) e tem experiência em edição de textos, com ênfase em projetos coletivos e assessoria para coleções, tanto nas atividades executivas quanto nas de pesquisa e análise. Atualmente estuda as materialidades da cultura, com trabalhos ligados ao LABEPPE - laboratório de escritas profissionais e processos de edição (CEFET-MG, UFSCar), que abriga, sob sua coordenação, o Grupo de Pesquisa Comunica - inscrições linguísticas na comunicação (UFSCar/CNPq). Participa das atividades do Grupo de Pesquisa Literatura e Tempo Presente (UFSCar, Unesp/CNPq) e é membro do Instituto de Pesquisa FEsTA: fórmulas e estereótipos, teoria e análise (IEL, Unicamp). Na UFSCar, atua nos Programas de Pós-graduação em Linguística e em Estudos de Literatura; no IEB/USP, atua no Programa Multidisciplinar em Culturas e Identidades Brasileiras.

Referências

CAVALCANTI, Jauranice Rodrigues. A presença do conceito ‘gêneros de discurso’ nas reflexões de D. Maingueneau. In: Ling. (dis)curso, 2013, vol.13, n.2, p. 429-448.

CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de Análise do Discurso. Coord. Trad. Fabiana Komesu. São Paulo: Contexto, 2004.

CLARES, Letícia Moreira. Ritos genéticos editoriais do impresso ao audiolivro: o revisor de textos e as manobras de intervenção, São Carlos, 2014. Trabalho de Conclusão de Curso, Graduação em Linguística da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, SP.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano – Artes de fazer. Trad. Ephraim Alves. Vol. 1. 10 ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

MAINGUENEAU, Dominique. O contexto da obra literária. Trad. Marina Appenzeller. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

_______ . El ethos y la voz de lo escrito. Trad. Ramón Alvarado. Versión. Estúdios de Comunicación y Política, n. 6, Universidad Autonoma Metropolitana, Unidad Xochimilco (México), out. 1996, p. 79-92.

_______ . Novas tendências em Análise do Discurso. Trad. Freda Indursky. Campinas: Pontes, 1997.

________ . Discours. Intertextualité. Interlangue. Champs du signe, n. 13/14, 2002, p. 197-210.

_______ . Retour sur une catégorie: le genre. In: ADAM; GRIZE & BOUACHA (orgs.). Texte et discours: categories pour l´analyse. Dijon: Editions Universitaires de Dijon, 2004a, p. 107-118. (Collection Langages).

_____ . Diversidade dos gêneros de discurso. Trad. Emilia Lopes, Ida Machado e Renato Mello. In: MACHADO; MELLO (orgs.). Gêneros: reflexões em análise do discurso. Belo Horizonte: NAD/FALE/UFMG, 2004b, p. 43-58.

______ . Gênese dos discursos. Trad. Sírio Possenti. Curitiba: Criar, 2005.

______. Cenas da enunciação. Org. Sírio Possenti, M. Cecília Pérez de Souza-e-Silva. Curitiba: Criar, 2006a.

______. Discurso Literário. Trad. Adail Sobral. São Paulo: Contexto, 2006b.

______. A propósito do ethos. Trad. Luciana Salgado. In: MOTTA, A. R.; SALGADO, L. (org.) Ethos discursivo. São Paulo: Contexto, 2008, p. 11-29.

MOTTA, Ana Raquel; SALGADO, Luciana Salazar. A maquinaria discursiva como dispositivo enunciativo em funcionamento: teoria e método. In: SILVA, F. V; SILVA, A. A. (orgs.) Caleidoscópios do discurso. Campinas: Pontes, 2016, p. 45-64.

RUGONI, Luciana Sousa. O imaginário do revisor de textos nos ritos genéticos editoriais. São Carlos, 2015. Dissertação de Mestrado Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, SP.

SALGADO, Luciana Salazar. A circulação da energia social inscrita na vitalidade dos textos. Alfa, São Paulo, 54 (1): 11-31, 2010.

______ . Ritos genéticos editoriais – autoria e textualização. Edição revista. Bragança Paulista: Margem da Palavra, 2016.

SOUZA-E-SILVA, Maria Cecília Perez. Concepção integrada de discurso – discursividade e espaço discursivo. In: FIGARO, Roseli. (org.) Comunicação e Análise do Discurso. São Paulo: Contexto, 2012.

Publicado

2021-07-23

Como Citar

Salgado, L. S. (2021). A revisão de textos nos ritos genéticos editoriais. Gutenberg - Revista De Produção Editorial, 1(1), 117–149. https://doi.org/10.5902/2763938X63652