Ciclos econômicos, morfologia urbana e sistemas territoriais em Urucará (AM)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2236499453316

Palavras-chave:

Ciclos econômicos, Morfologia urbana, Sistemas territoriais, Urucará

Resumo

O presente artigo tem por objetivo compreender o crescimento urbano de Urucará (AM) com base nos elementos que compõem a análise da morfologia urbana e as redes de sujeitos locais que dinamizam a economia da cidade e moldam o espaço intraurbano. Para se entender a atual forma e as dimensões do plano urbano, retomam-se aspectos históricos de como a cidade foi se alterando a partir de sua inserção na rede urbana regional por meio de surtos e declínios de ciclos político-econômicos e como isso se refletiu nos planos urbanos estabelecidos. Na sequência, analisa-se a morfologia urbana reconfigurada por sistemas territoriais: Urbano-Ribeirinho (ligado à economia popular) e Urbano-Fluvial (ligado ao capital mercantil e setores dominantes da economia local). Os resultados finais salientam que a expansão urbana é condicionada pelo fator sítio que limita ou potencializa sua apropriação e que a cidade enquanto forma tem possibilitado práticas espaciais a partir de diversas centralidades, condicionando um contínuo movimento entre a sede e interiores.

Biografia do Autor

Rildo Oliveira Marques, Secretaria de Estado de Educação e Qualidade de Ensino do Amazonas.

Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Amazonas.

Arenilton Monteiro Serrão, Secretaria de Estado de Educação e Qualidade de Ensino do Amazonas.

Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Amazonas.

Estevan Bartoli, Universidade do Estado do Amazonas.

Doutor em Geografia pela UNESP - Presidente Prudente. Professor do Departamento de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas - campus de Parintins.

Referências

BAENA, A. L. M. Ensaio corográfico sobre a Província do Pará. Edições da Biblioteca do Senado Federal. Vol. 30. Brasília, 2004.

BARTOLI, E. O retorno ao território a partir da cidade: sistemas territoriais urbano-ribeirinhos em Parintins (AM) (Tese de Doutorado). UNESP, 2017.

BARTOLI, E. Cidades na Amazônia, sistemas territoriais e a rede urbana. Mercator, v. 17, p. 1-16, 2018a.

BARTOLI, E. Entre o urbano e o ribeirinho: territorialidades navegantes e sistemas territoriais em Parintins (AM). Espaço Aberto, Rio de Janeiro, v. 8, n.2, p. 169-185, 2018b.

BARTOLI, E. Territorialidades urbano-ribeirinhas: o sistema territorial pesqueiro de Parintins (AM). Geonorte, Manaus, v.13, p. 38-56, 2019.

BARTOLI, E. Cidades pequenas na Amazônia e ordenamento territorial: redes de sujeitos locais e as redes urbanas de Urucará e São Sebastião do Uatumã (AM). Geoingá, Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia, Maringá, p. 80-120, 2020.

BECKER, B. Amazônia: geopolítica na virada do III milênio. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

BECKER, B. A urbe Amazônida. Rio de Janeiro: Garamond, 2013.

BRASIL. Enciclopédia dos municípios brasileiros. IBGE, Rio de Janeiro, 1957.

BROWDER J. O.; GODFREY, B. J. Cidades na floresta. Manaus: EDUA, 2006.

CAPEL, H. La morfologia de las ciudades. Barcelona: Ediciones del Serbal, 2002.

CAPEL, H. Capitalismo y morfología urbana en España. 4 ed. Barcelona: Amelia Romero, 1983.

CORRÊA, R. L. periodização da rede urbana na Amazônia. In:

CORRÊA, R. L. (Org). Estudos sobre a rede urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. p. 181-253.

ENDLICH, A. M. Território e morfologia urbana em pequenas cidades: o que revelam? Revista Geográfica de América Central. Número especial EGAL, p. 1-11, 2011.

FREIRE, J. R. B. A ocupação do Amazonas no século XIX: agricultura e extrativismo. Revista de Comunicação, Manaus, 1984.

GONÇALVES, L. O Amazonas: esboço histórico, corográfico e estatístico até o ano de 1903.1º edição. H. J. Hanf, Nova York, 1904.

GUERRA, A. T.; GUERRA, A. J. T. Dicionário geológico-geomorfológico. 9ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: www.ibge.gov.br, data de acesso: 04 de março de 2020.

JOBIM, A. O Amazonas e sua história: ensaio antropogeográfico e político. Companhia Editora Nacional, São Paulo, 1957.

MACHADO, L. O. A. Urbanização e mercado de trabalho na Amazônia brasileira. Cadernos do IPPUR, Vol.1, 1999.

MARQUES, R. O.; BARTOLI, E. Morfologia urbana da cidade de Barreirinha (AM) e sistemas territoriais: uma proposta metodológica. Revista Geografar. V. 15, n.2, p. 336-357, jul. a dez. 2020.

MEIRELLES, W. Políticas públicas: o planejamento municipal como base para o desenvolvimento sustentável da Amazônia. Manaus: Editora Valer/Uninorte, 2008.

MELO, F. P. Risco ambiental e ordenamento do território em Garanhuns – PE. Tese (Doutorado em Geografia) Universidade Federal de Sergipe, 2016.

MONTE-MÓR, R. L. A urbanização extensiva e lógica de povoamento. In: SANTOS, Milton et. al. (orgs.) Território, globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec/Anpur, 1994.

MORAES, A. O. Peixes, redes e cidades: aspectos socioambientais da pesca comercial de bagres no Médio e Alto Solimões - AM. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia) - UFAM, Manaus, 2012.

PAULINO, E. T. Por uma geografia dos camponeses. São Paulo: 2ª ed. Editora da UNESP, 2012.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993 [1980].

REGO, R. L.; MENEGUETTI, K. S. A respeito da morfologia urbana: tópicos básicos para estudos da forma da cidade. Acta Scientiarum. Maringá, v. 33, n. 2, p. 123-127, 2011.

ROSAL, E. Uma análise sobre o ciclo da juta no município de Parintins. Monografia (Graduação em Geografia) Faculdade de Estudos Sociais, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2000.

SACK, R. O significado de territorialidade. In: DIAS, L.; FERRARI, M. (org.) Territorialidades humanas e redes sociais. Florianópolis: Insular, 2011. P. 5-27.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: HUCITEC, 1996.

TENÓRIO, B. Fundamentos de Urucará. Parintins: Gráfica João XXIII, 2016.

TRINDADE JR, S. C. C. Diferenciação territorial e urbanodiversidade: elementos para pensar uma agenda urbana em nível nacional. Cidades, Presidente Prudente, Grupo de Estudos Urbanos, v.7, n.12, p. 227-225, 2010.

URBAN, G. A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas. In: Carneiro da cunha, M. (org.), História dos Índios no Brasil. Companhia das Letras, São Paulo, 1992. pp. 87-102.

WITACKER, A.; MIYAZAKI, V. O estudo das formas urbanas no âmbito da geografia urbana. Apontamentos metodológicos. Revista de Geografia e Ordenamento do Território, n° 2. p. 307-327, 2012.

WRIGHT, R. M. Os Povos indígenas no Brasil hoje. Programa de TV/Entrevista, 2003.

Downloads

Publicado

2021-11-10

Como Citar

Marques, R. O., Serrão, A. M., & Bartoli, E. (2021). Ciclos econômicos, morfologia urbana e sistemas territoriais em Urucará (AM). Geografia Ensino & Pesquisa, 25, e30. https://doi.org/10.5902/2236499453316

Edição

Seção

Produção do Espaço e Dinâmica Regional