Verticalidades e horizontalidades no estudo da rede urbana do Vale do Paraíba e Litoral Norte – São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2236499447478

Palavras-chave:

Horizontalidades, rede urbana, Vale do Paraíba e Litoral Norte, verticalidades

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar as relações verticais e horizontais – tal como conceituadas por Milton Santos – constituídas na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte. Considerando-se que as relações verticais abrangem uma lógica hierárquica de relacionamentos entre as cidades (e, portanto, inserida no conceito de rede urbana), o principal insumo utilizado para esta investigação foi o estudo da “Região de Influência das Cidades” (Regic), realizado pelo IBGE. Além disso, foram coletadas informações relacionadas às relações entendidas como horizontais, constituídas pelos municípios da região, abrangendo estatísticas socioeconômicas para o território abordado. É possível inferir que as relações verticais e horizontais, porquanto não mutuamente excludentes, ou seja, se sobrepondo umas às outras, são parte de uma lógica de um lado hegemônica e de outro da solidariedade, que se dá através da união de diversos atores muitas vezes excluídos dos processos verticais.

Biografia do Autor

Adriana Maria de Paula, Universidade do Vale do Paraíba - Univap

Possui graduação em Gestão Empresarial pela FATEC - Faculdade de Tecnologia de Guaratinguetá (2009), e mestrado em Planejamento Urbano e Regional pela Univap - Universidade do Vale do Paraíba (2021). Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração, atuando principalmente nos temas de planejamento urbano e estatísticas públicas.

Cilene Gomes, Univap - Universidade do Vale do Paraíba

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (1983), mestrado e doutorado em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo (1994, 2001). Estágios de pós-doutorado concluídos no Instituto de Pesquisa e Planejamento da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2011), no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (2014) e no Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional (PLUR) da Universidade do Vale do Paraíba (2017). Atualmente é docente-pesquisadora do PLUR da Universidade do Vale do Paraíba e é coordenadora do Observatório Regional do Vale do Paraíba e Litoral Norte, sediado no Núcleo de Estudos do Espaço Urbano e Regional (NEUR). Tem experiência no campo do ensino e pesquisa na área de Arquitetura e Urbanismo, Geografia Humana e Planejamento Urbano e Regional, atuando principalmente nos seguintes temas: estudos urbanos e regionais, planejamento urbano e regional, urbanização, metropolização e regionalização, rede urbana, cidades, sociedade da informação e comunicação, geotecnologias, participação social, cidadania, metodologia científica e psicologia social.

Maria Angélica Toniolo, Univap - Universidade do Vale do Paraíba

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Santa Maria (1989), mestrado em Políticas e Desenvolvimento Internacional pela Duke University (1998) e doutorado em Políticas Públicas pela Indiana University (2004). É professora e pesquisadora da Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP) e cientista colaborador do Center for the Analysis of Social-Ecological Landscapes (CASEL) da Indiana University. Seu doutorado integra as áreas de conhecimento das Ciências Políticas e Ambientais, com ênfase em Análise Institucional e Teoria dos Recursos Comuns. Trabalhou por mais de vinte anos na Região Amazônica com projetos de pesquisa e conservação dos recursos naturais, com ênfase nos seguintes temas: governança multinível de recursos comuns, agricultura familiar, conservação, REDD+ e dimensões humanas das mudanças ambientais globais. Desde 2014 atua como pesquisadora e professora dos Programas de Mestrado e Doutorado em Planejamento Urbano e Regional (PLUR) da UNIVAP. Desenvolve pesquisa na área de Planejamento Regional, com ênfase na governança de recursos hídricos na Bacia do Rio Paraíba do Sul e na avaliação de impactos de iniciativas de desenvolvimento sustentável na Amazônia, com ênfase nas interações rural-urbano nos meios de subsistência e no ambiente.

Referências

ANDRADE, D. J. A Rodovia Presidente Dutra como elemento estruturador e a desarticulação da urbanização do Vale do Paraíba. 2019. 269 p. Tese (Doutorado em Planejamento urbano e regional) – Instituto de pesquisa e desenvolvimento, Universidade do Vale do Paraíba, São José dos Campos.

BRASIL. Senado Federal. Proposta de Emenda à Constituição n° 188, de 2019. Disponível em: < https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/139704 >. Acesso em: 01 jun. 2020.

CANTARIM, F. Estudos de Redes Urbanas no Brasil: reflexões sobre transformações metodológicas. Revista Paranaense de Desenvolvimento. V.36, n.129, p.117-133, jul./dez. 2015.

CHRISTALLER, W. Central places in Southern Germany. Prentice-Hall/Englewood Cliffs, 1966.

CORRÊA, R. L. A Rede Urbana. São Paulo: Ática,1989.

CORRÊA, R. L. Identificação dos centros de gestão do território no Brasil. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 57, n. 1, p. 83-102, jan/mar.1995.

DUARTE, L. S.; NAVARRO, A. M. As transformações da rede urbana no Estado de São Paulo: Uma contribuição à luz dos resultados do REGIC 2007. In: Boletim Regional, Urbano e Ambiental. N. 3. Brasília: Ipea, 2009.

GOMES, C.; RESCHILIAN, P. R.; UEHARA, A. Perspectivas do planejamento regional do Vale do Paraiba e Litoral Norte: Marcos históricos e a institucionalização da região metropolitana do Vale do Paraiba e Litoral Norte no plano de ação da macrometrópole paulista. URBE: Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 10, p. 154-171, 2018.

GOMES, C.; ZIONI, S.; SIQUEIRA, G. D. P.; SCAQUETTI, R.; PAULA, A. M. Relatório de pesquisa. Interfaces com a construção da PNDU (Componente A). Identificação e caracterização das relações interfederativas na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte. Ipea, Universidade do Vale do Paraíba – Univap; Universidade Federal do ABC, 2019.

GOMES, C.; RIBEIRO-MOREIRA, P. N. Repensando a Rede Urbana do Vale do Paraíba e Litoral Norte. Jornal O Lince, n. 80, mar/abr. 2018.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Arranjos Populacionais e Concentrações Urbanas no Brasil. 2 ed. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2006 – Segunda Apuração. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2006/segunda-apuracao>. Acesso em: nov. 2019.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2017. Disponível em:<https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017>. Acesso em: nov. 2019.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Informações Básicas Municipais 2006. Disponível em:<https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/protecao-social/10586-pesquisa-de-informacoes-basicas-municipais.html?edicao=18195&t=o-que-e>. Acesso em: nov. 2019.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. REGIC – Regiões de Influência das Cidades 1966. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Rio de Janeiro: IBGE, 1972.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. REGIC – Regiões de Influência das Cidades 1978. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Rio de Janeiro: IBGE, 1987.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. REGIC – Regiões de Influência das Cidades 1993. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Rio de Janeiro: IBGE, 2000.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. REGIC – Regiões de Influência das Cidades 2007. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Rio de Janeiro: IBGE, 2008.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Regiões de Influência das Cidades – informações de deslocamentos para serviços de saúde – Notas Técnicas. Ministério da Economia. Rio de Janeiro: IBGE, 2020.

IPEA – Instituto de Economia Aplicada. Rede urbana brasileira como agenda de pesquisa no ipea: retrospecto e perspectivas. Brasília: Ipea, 2016.

MULLER, N. L. O fato urbano na bacia do rio paraíba do sul – São Paulo. Rio de janeiro: Fundação IBGE, 1969.

REDE AGROFLORESTAL DO VALE DO PARAÍBA. Sistemas Agroflorestais e a Rede Agroflorestal do Vale do Paraíba. Disponível em: <http://redeagroflorestalvaledoparaiba.blogspot.com/p/editorial.html>. Acesso em: 22 de maio de 2021.

RIBEIRO-MOREIRA, P. N.; ZANETTI, V.; LIMA, C. Formação da Rede Urbana do Vale do Paraíba. In: XII SEMINÁRIO DE HISTÓRIA DA CIDADE E DO URBANISMO (XII SCHU), Porto Alegre. A circulação das Ideias na construção da cidade: Uma via de mão dupla. V. 1. Porto Alegre, 2012.

ROCHEFORT, M. Método de estudo das redes urbanas (interesse da análise e do setor terciário na população ativa). Boletim Geográfico, Rio de Janeiro: IBGE, 1961.

ROCHEFORT, M. Les notions de réseau urbain et d’armature urbaine. Tradução por Pedro Ribeiro Moreira Neto. Strates [En ligne], Numéro Hors-série. 2002 - Parcours dans la recherche urbaine, Michel Rochefort, un géographe engagé, Mis en ligne le: 2 mai 2005. Disponible sur: http://strates.revues.org/document512.html.

SANTOS, M. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4 ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: Território e sociedade no início do século XXI. 9 ed. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SANTOS, M. Da Totalidade ao lugar. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

SANTOS, M. Manual de geografia urbana. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1989.

SANTOS, M. Por uma outra globalização – Do pensamento único à consciência universal. 6ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SILVA, M. G.; O’NEIL, M. M. V. C.; SOUZA, M. S. P. S. Considerações sobre a organização do território e os processos de integração e articulação: aplicações nas pesquisas urbanas do IBGE. Revista Brasileira de Geografia. V. 64, n. 1, p. 239-257, jan./jun. 2019.

SINDICATO DOS METALÚRGICOS DE PINDAMONHANGABA, MOREIRA CÉSAR E ROSEIRA. Pinda receberá encontro regional “Piraquaras”, sobre cultura independente. Disponível em: <https://www.sindmetalpinda.com.br/pinda-recebera-encontro-regional-piraquaras-sobre-cultura-independente/>. Acesso em: 22 de maio de 2021.

SOUZA, M. A. A. de. Conexões Geográficas: Um Ensaio Metodológico (Uma versão ainda preliminar). Boletim Paulista De Geografia, n. 71, p. 113–128, 2017.

SOUZA, M. A. A. de. Território usado, rugosidades e patrimônio cultural: ensaio geográfico sobre o espaço banal. Revista Latinoamericana e Caribenha de Geografia e Humanidades. V. 2, n. 4, p. 1-17, out. 2019.

SPOSITO, M. E. B. Novas redes urbanas: Cidades médias e pequenas no processo de globalização. Revista Geografia, v.35, n. 1, jan/abr. 2010.

TARGA, M. S.; ALMEIDA, A. A. S.; ALMEIDA, J. C. R. Atores da Restauração Florestal do Vale do Paraíba. Relatório final do evento. Universidade de Taubaté, SP, Brasil, 2017.

Downloads

Publicado

2021-09-10 — Atualizado em 2022-01-12

Versões

Como Citar

de Paula, A. M., Gomes, C., & Toniolo, M. A. (2022). Verticalidades e horizontalidades no estudo da rede urbana do Vale do Paraíba e Litoral Norte – São Paulo. Geografia Ensino & Pesquisa, 25, e25. https://doi.org/10.5902/2236499447478 (Original work published 10º de setembro de 2021)

Edição

Seção

Geoinformação e Sensoriamento Remoto em Geografia