Análise do (des)conforto térmico da cidade de Viçosa (MG) no ano de 2014

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2236499446846

Palavras-chave:

Desconforto térmico, temperatura efetiva, umidade, Viçosa

Resumo

A ocupação das áreas urbanas e grandes centros tem se tornado intensa nas últimas décadas, fazendo com que ocorra interferências no meio natural através de ações antrópicas, podendo provocar a modificação do balanço de energia. O conforto térmico se apresenta como uma condição para expressar o grau de satisfação dos indivíduos em um determinado ambiente, compreendido pelos fatores naturais e pessoais. Nesse sentido, este estudo tem o objetivo de analisar o conforto térmico da área de estudo, localizada no perímetro urbano do município de Viçosa-MG, na Zona da Mata Mineira, no ano de 2014, por ser considerado um ano em que a precipitação média anual foi muito abaixo da normalidade. O índice de Temperatura Efetiva (TE), como proposto por Missenard (1948), foi estimado através das médias de temperatura do ar e umidade relativa do ar, procurando identificar e justificar os valores que se encontraram nas zonas de classificação de desconforto térmico. Os resultados mostraram que na maior parte do ano de 2014 a cidade de Viçosa ficou classificada com sensações de desconforto térmico para o frio, chegando a atingir valores próximos de 13°C. No entanto foi verificado que o ano de 2014 não apresentou um maior desconforto tendo em vista que os valores de umidade não ficaram tão abaixo do habitual.

Biografia do Autor

Edson Soares Fialho, Universidade Federal de Viçosa

Professor Associado II do Departamento de Geografia da UFV desde 2006. Antes lecionava na PUC-Rio e Feuduc, no Rio de Janeiro. E fui em 2002 professor visitante da UNISC, Rio Grande do Sul. A minha pesquisa é voltada para a área da Geografia Física, mais especificamente na climatologia e biogeografia. Al[em de ser membro permanente dos Programas d ePós graduação em Geografia da Universidade Federal de Viçosa e Universidade Federal do Espírito Santo.

Júlia Borges Furtado, Universidade Federal de Viçosa

Discente do Curso de Licenciatura em Geografia da Universidade Federal de Viçosa. Bolsista de Iniciação científica e Membro do Laboratório de Biogeografia e Climatologia da Universidade Federal de Viçosa-UFV.

Tatiana Camello Xavier, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo, Universidade Federal do Espírito Santo e Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal do Espírito Santo.

Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo, Universidade Federal do Espírito Santo e Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal do Espírito Santo

Referências

AB’SABER, A. N. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editora, 2003. 159p.

BOGNOULS, F., GAUSSEN, H. Estação seca e índice xerotérmico. Boletim Geográfico, Rio de Janeiro. v. 20, n. 169, 1962. (Traduzido por Ruth Simões Bezerra dos Santos). Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/19/bg_1962_v20_n169_jul_ago. pdf. Acesso em 23 mai. 2020.

COELHO, C. A. S.; CARDOSO, D. H. F.; FIRPO, M. A. F. A seca de 2013 a 2015 na região sudeste do Brasil. Revista Climanálise, São José dos Campos-SP. Edição comemorativa de 30 anos do CPTEC-INPE, p. 55-61, 2015. Disponível em: http://climanalise.cptec.inpe.br/~rclimanl/revista/pdf/30anos/Coelhoetal.pdf. Acesso em 25 mai. 2020.

COELHO, C. A. S. Diagnóstico da chuva durante um evento excepcionalmente seco em São Paulo, Brasil e a seca durante o verão de 2014 na região Sudeste do Brasil: mecanismos regionais e conexões remotas. 2015. Disponível em: https://canalciencia.ibict.br/ciencia-em-sintese1/ciencias-exatas-e-da-terra/238-a-seca-durante-o-verao-de-2014-na-regiao-sudeste-do-brasil. Acesso em: 22 jul.2021.

CPTEC. Divisão de Satélites e Sistemas Ambientais. Banco de dados de imagens. Disponível em: http://satelite.cptec.inpe.br/acervo/goes.formulario.logic. Acesso em: 10 abr. 2020.

DREW, D. Processos interativos Homem-Meio ambiente. 5a edição. Traduzido por: João Alves dos Santos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002, 224p.

FANGER, P. O. Thermal comfort, analysis and application in environmental engineering. New York: McGraw Hill, 1972.

FIALHO, E. S. Análise temporoespacial do campo térmico na Ilha do Governador-RJ em situações sazonais de verão e inverno. 164f. Dissertação (Mestrado em Geografia)–Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza-Instituto de Geociências da UFRJ. Rio de Janeiro, 2002.

FIALHO, E. S. Ilha de calor em cidade de pequeno porte: Caso de Viçosa, na Zona da Mata Mineira. 259f. Tese (Geografia Física) Faculdade de Filosofia, Ciência, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo-USP, 2009.

FIALHO, E. S. As repercussões da expansão da mancha urbana na dinâmica climática local de Viçosa-MG. Revista de Ciências Humanas, Viçosa, v. 15, n. 2, p. 301-323, 2015. Disponível em: http://www.cch.ufv.br/revista/pdfs/vol15/artigo1dvol15-2.pdf. Acesso em: 28 mai. 2020.

FIALHO E.; QUINA. R. O campo térmico no município de Viçosa-MG, Brasil, durante o período de verão (2014/2015) e inverno (2015). Revista de Geografia e Ordenamento do Território, Lisboa-PORT, v. 12, n. 2, p. 127-151, 2017. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/got/n12/n12a07.pdf. Acesso em: 5 nov. 2020.

FIALHO, E. S.; FERNANDES, L. A.; CORRREA, W. S. C. Climatologia urbana: conceitos, metodologias e técnicas. Revista Brasileira de Climatologia, Edição Especial do Simpósio Brasileiro de Climatologia-SBCG-2018, Curitiba-PR, v. 15, n. 2, p. 47-85, 2019. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistaabclima/article/view/65748 . Acesso em: 5 set. 2020.

FROTA, A. B.; SCHIFFER, S. R. Manual de conforto térmico: arquitetura e urbanismo. 7.ed. São Paulo: Studio Nobel, 2003.

GOBO, J. P. A. Regionalização climática do Rio Grande do Sul com base no zoneamento do conforto térmico humano. 184f. Dissertação (Mestrado em Geografia Física). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo-SP, 2013.

IBGE. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1º de julho de 2019. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/vicosa/panorama. Acesso em: 10 abr. 2020.

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia. Estações Automáticas. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/sonabra/pg_dspDadosCodigo_sim.php?QTUxMA. Acesso em: 17 mai. 2020a.

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia: Normais Climatológicas do Brasil. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=clima/normaisClimatologicas. Acesso em: 11 mai. 2020b.

JARDIM, C. H. A. A “crise hídrica" no sudeste do Brasil: aspectos climáticos e repercussões ambientais. Revista Tamoios, São Gonçalo-RJ, v. 11, n. 2, p. 67-83, 2015.

LAMBERTS, R.; DUTRA, L.; PEREIRA, F. O. P. Eficiência Energética na Arquitetura. São Paulo: PW, 1997.

MAIA, J. A.; GONÇALVES, F. L. T. Uma análise do conforto térmico e suas relações meteorotrópicas na cidade de São Paulo - parte 1. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA, 12, 2002, Foz do Iguaçu. Anais..., 2002, p.305- 314.

MARENGO, J. A. NOBRE, C. A.; SELUCHI, M. E.; CUARTAS, A.; ALVES, L. M.; MENDIONDO, E. M.; OBREGON, G. SAMPAIO, G. A seca e a crise hídrica de 2014-2015 em São Paulo, Revista USP, São Paulo-SP, n. 106, p. 31-44, p. 33-44, 2015.

MELLO, F. A. O. Análise do processo de formação da paisagem urbana do município de Viçosa. Minas Gerais. 103f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Departamento de Engenharia Florestal, UFV, Viçosa, 2002.

MENDONÇA, F. A. O estudo do SCU – Sistema Clima Urbano – no Brasil: aplicações e avanços. In: MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo (ORG). A construção da climatologia geográfica no Brasil. Campinas: Editora Alínea, 2015. 194p. p. 155 – 166.

MISSENARD, H. Equivalence thermique dês ambience. Chaleur et industrie, 4. p.159-183. 1948.

MONTEIRO, C. A. F. Teoria e Clima Urbano. Tese de livre docência. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas-FFLCH, Universidade de São Paulo-USP, 1975, 181p. Disponível em: http://www.abclima.ggf.br/arquivos/obrasclimatologia/29/TEORIA%20E%20CLIMA%20URBANO_LD_1975.pdf. Acesso em: 21 jul. 2021.

MONTEIRO, L. M. Modelos Preditivos de Conforto Térmico: Quantificação de Relações entre Variáveis Microclimáticas e de Sensação Térmica para Avaliação e Projeto de Espaços Abertos. Tese (Doutorado - área de concentração: Tecnologia da Arquitetura). Universidade de São Paulo, São Paulo, 378 p. 2008.

NEDEL, A. S.; GONÇALVES, F. L. T.; MACEDO JÚNIOR, C.; CARDOSO, M.R.A. Climatology of the human thermal comfort on São Paulo metropolitan area: indoors and outdoors. Revista Brasileira de Geofísica, São Paulo, v. 33, n. 2, p.185 – 204, 2015.

NÓBREGA, R. S.; LEMOS, T. V. S. O microclima e o (des) conforto térmico em ambientes abertos na cidade do Recife. Revista de Geografia (UFPE), v. 28, n. 1, 2011.

PRADO, L. B.; FIALHO, E. S.; SANTOS, L. G. F. O sensoriamento remoto e o clima urbano: Uma perspectiva de investigação através do campo térmico de superfície, na área central do município de Viçosa-MG. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba-PR, Ano 16, v. 17, p. 919-946, 2020. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistaabclima/article/view/76384/42620. Acesso em: 29 nov. 2020.

SANCHES, F. O.; FIALHO, E. S.; QUINA, R. R. Evidências de Mudanças Climáticas em Viçosa (MG). Revista do Departamento de Geografia USP, São Paulo, v. 34, p. 122-136, 2017.

UGEDA JÚNIOR, J. C.; AMORIM, M. C. DE C. T. Reflexões acerca do sistema clima urbano e sua aplicabilidade: pressupostos teórico-metodológicos e inovações técnicas. Revista Do Departamento de Geografia, São Paulo-SP, Edição Especial 40 anos de Teoria e clima urbano, p.160-174, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.11606/rdg.v0ispe.119402. Acesso em 20 jul. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA – UFV. Departamento de Engenharia Agrícola. Estação Climatológica Principal de Viçosa. Boletim meteorológico 2020. Viçosa, 2020.

WALTER, H. Vegetação e Zonas Climáticas: Tratado de Ecologia global. Traduzido por Anna Terxi Giova e Hildegard T. Buckup. São Paulo: EPU, 1986, 326p.

XAVIER, T. C.; OLIVEIRA, W. D.; FIALHO, E. S. Análise das condições de conforto térmico da cidade de Vitória, ES. Revista Do Departamento De Geografia, v. 41, n. 1, 2021, 15p. disponível em: https://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/172471/169751. Acesso em: 16 jun.2021.

ZACCHI, R. C. O espaço urbano da cidade capitalista: um estudo sobre o processo de verticalização da área central da cidade de Viçosa (MG) (1970-2007). Brazilian Geographical Journal: Geosciences and Humanities research medium, Ituiutaba-MG, v. 5, n. 2, p. 350-370, 2014.

Downloads

Publicado

2021-09-10

Como Citar

Fialho, E. S., Furtado, J. B., & Xavier, T. C. (2021). Análise do (des)conforto térmico da cidade de Viçosa (MG) no ano de 2014. Geografia Ensino & Pesquisa, 25, e23. https://doi.org/10.5902/2236499446846

Edição

Seção

Meio Ambiente, Paisagem e Qualidade Ambiental