Aptidões biofísicas e intensificação agroecológica da pecuária leiteira em assentamentos da Amazônia brasileira

Laura Angélica Ferreira Darnet, René Jean Marie Poccard-Chapuis, Lívio Sérgio Dias Claudino, Soraya Abreu Carvalho

Resumo


Melhorar as atividades agrícolas e a proteção dos recursos naturais, especialmente na Amazônia e nos perímetros de reforma agrária, concebendo sistemas sustentáveis a partir de paisagens ecoeficientes é uma alternativa promissora e está sendo implantada em Paragominas, no Pará, a partir do Plano Municipal de Inteligência Territorial. Este artigo analisa em que medida o microzoneamento proposto no Plano é coerente com as possibilidades de intensificação agroecológica da produção forrageira em propriedades leiteira familiares, e se os ajustes de uso da terra correspondem às aptidões biofísicas das propriedades. Este estudo de caso foi realizado na Comunidade de Nova Jerusalém, do Assentamento Luiz Inácio e se apoiou nos dados georreferenciados do Plano Municipal, além de entrevistas com as famílias e acompanhamentos de experimentos de produção forrageira agroecológica em campo. utilizamos o software Arcgis © para compilar e cruzar informações espaciais em formato shape. Os resultados apontam que na comunidade estudada 56% das famílias têm condições favoráveis para seguir o Plano, dada as aptidões nas suas propriedades, mas há famílias em que a propriedade se encontra em condições biofísicas restritas para produção forrageira e uma atenção especial deve ser dada a este grupo.


Palavras-chave


agricultura familiar; agroecologia; aptidões biofísicas; pecuária leiteira; produção forrageira.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, J. V. A. et al. Adequabilidade do uso agrícola das terras do sertão central do Ceará. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife, v. 10, p. 228-238, 2017.

CARVALHO, S. A.; POCCARD-CHAPUIS, R.; TOURAND, J. F. Opportunism and persistence in milk production in the Brazilian Amazonia. Revue d'Elevage et de Medecine Veterinaire des Pays Tropicaux (Online), v. 68, p. 61-67, 2015.

CASTRO, M. C; SINGER, B.H. Agricultural Settlement and Soil Quality in the Brazilian Amazon. Population and Environment, 34(1): 22 - 43. 2012.

CIADELLA, N. et al. Do political changes aimed at reducing Amazonian deforestation contribute to ecological intensification? Agricultures (Montrouge) / Cahiers d'Études et de Recherches Francophones, v. 24, p. 246-254, 2015.

CLAUDINO, L. S. D.; FERREIRA, L. A.; POCCARD-CHAPUIS, R. A diversidade de condições socioeconômicas dos pecuaristas e a gestão das pastagens no sul do Pará. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, Taubaté, SP. v.12, n.2, 2016. p.138-160

CLAUDINO, L. S. D. et al. Transformações nos territórios de produção bovina pelo desenvolvimento do setor agropecuário: estudo comparativo entre Brasil e Uruguai. Revista IDEAS (Online), v. 7, p. 8-42, 2013.

DIAS FILHO, M. B. Degradação de pastagens: processos, causas e estratégias de recuperação. 3. ed. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2007.

FERREIRA, L. A. Evolução e perspectiva para a agricultura familiar do Município de Uruará: pistas para uma reflexão sobre a consolidação dos sistemas de produção agrícolas familiares. Coleta Amazônia, Belém, v. 1, n.1, p. 88-110, 2003.

FRANCA, B. B.; LIMA, J. J. M.; SOUSA, K. A.; LIMA, L. F. A.; SANTOS, M. A.; CARMO, S. S.; RAMOS, M. R. Capacidade de uso e aptidão agrícola de uma fazenda em São Domingos do Araguaia (PA). Revista Geonorte, v. 10, p. 134-153, 2019.

GAVINA PEREIRA J. L., et al. 2018. Avaliação de ferramentas automáticas para a extração da rede de drenagem a partir de dados de elevação SRTM para o município de Paragominas, estado do Pará, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Naturais, 13 (3): p. 409-433.

INCRA 2020. Painel de Assentamentos. Disponível em http://painel.incra.gov.br/sistemas/index.php. Acesso em 29/04/2020

INPE, 2019. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, Coordenação Geral de Observação da Terra. Programa de monitoramento da Amazônia e demais biomas. Desmatamento – Amazônia Legal. Disponível em: . Acesso em: 30 abril. 2019.

HEREDIA, B. M. A. et al. Análise dos impactos regionais da reforma agrária no Brasil. Estudos Sociedade e Agricultura (UFRJ), Rio de Janeiro, v. 1, n.1, p. 73-111, 2002.

LEPSCH, I. F.; BELLINAZZI Jr., R.; BERTOLINI, D.; Espíndola, C. R. Manual para levantamento utilitário do meio físico e classificação de terras no sistema de capacidade de uso. 4a Aproximação. 2. ed. Campinas: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1991.175p.

MACEDO, S.; MOREAU, M. S.; SPANGHERO, P. E. S. F. Caracterização morfométrica e uso e ocupação da terra da microbacia hidrográfica do rio Água Branca de Itabuna-BA. Revista Geonorte, v. 10, p. 82-99, 2019.

NIEMANN, R. S. Levantamento do meio físico e classificação das terras no sistema de capacidade de uso da Microbacia do Ribeirão Putim. Relatório de trabalho desenvolvido na disciplina de Introdução ao Geoprocessamento do Curso de Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto. INPE: São José dos Campos, 2012. 35p.

PEREIRA, L. C.; NETO, F. L. Avaliação do potencial agrícola das terras: proposta metodológica. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente. 2004. 36p. (Documentos 43)

PEDRON, F. A. et al. A aptidão de uso da terra como base para o planejamento da utilização dos recursos naturais no município de São João do Polêsine – RS. Ciência Rural, Santa Maria, v.36, n.1, p.105-111, 2006.

PINILLOS, D. et al. Understanding Landscape Multifunctionality in a Post-forest Frontier: Supply and Demand of Ecosystem Services in Eastern Amazonia. Frontiers in Environmental Science, v. 7, p. 1-16, 2020.

PLASSIN, S. S. et al. Landscape and intensification of cattle ranching in Brazilian Amazon: New spatiotemporal dynamics at farm level. Confins (PARIS), v. 1, p. 12551, 2017.

POCCARD-CHAPUIS, R. et al. Des cendres de la forêt à l’économie verte, l’évolution agraire em Amazonie orientale traduit-elle un mouvement d’intensification écologique? Fourrages, 2015, p125-133.

POCCARD-CHAPUIS et al. A cadeia produtiva da carne: uma ferramenta para monitorar as dinâmicas nas frentes pioneiras na Amazônia brasileira? Cadernos de Ciência & Tecnologia, v. 22, p. 125-138, 2005

QUEIROZ, J. F.; MANESCHY, R. Q.; MARQUES, M. N. C. Modelos econômicos de sistemas silvipastoris com cercas vivas. Cadernos de Agroecologia, v. 10, p. 17221, 2015.

RAMALHO FILHO, A.; BEEK, J. K. Sistema de avaliação da aptidão agrícola das terras. 3 Ed. Rev. Rio de Janeiro. EMBRAPA-CNS. 1995. 68p.

RAMALHO FILHO, A; PEREIRA, L. C. Aptidão agrícola das terras do Brasil: potencial de terras e análise dos principais métodos de avaliação. Rio de Janeiro. Embrapa Solos. 1999. 46p. (Documentos 1)

SILVA, J. M. L. et al. Avaliação da aptidão agrícola das terras do município de Acrelândia, Estado do Acre. Belém:Embrapa Amazônia Oriental, 2002. 27p. (Documentos, 146)

SILVA, E. B.; NOGUEIRA, R. E.; UBERTI, A. A. A. Avaliação da aptidão agrícola das terras como subsídio ao assentamento de famílias rurais, utilizando Sistemas de Informações Geográficas. Revista Brasileira Ciência do Solo. V.34, p.1977-1990, 2010.

VAZ et al. A Pecuária na Agenda Ambiental da Amazônia Brasileira: percepções e representações dos atores locais. In: Jalcione Almeida; Cleyton Gerhard; Sônia Magalhães. (Org.). Contextos Rurais e Agenda Ambiental no Brasil: práticas, políticas, conflitos, interpretações. 1ed.Belém: Rede de estudos rurais, 2012, v. 1, p. 64-90.

VEIGA et al. Expansão e trajetórias da Pecuária na Amazônia. 1. ed. Brasíla, DF: UnB, 2004.

VEIGA, J. B. Formação e manutenção de pastagem. In: Jonas Bastos da Veiga. (Org.). Criação de gado leiteiro na Zona Bragantina. 1ed.Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2006, v. 1, p. 59-65

VILLELA, F. N. J.; MANFREDINI, S.; CORREA, A.J.M.; CARMO, J.B. Morfopedologia e zoneamento voltado à ocupação. Revista Departamento de Geografia. USP, v.30, 2015, p.179-192.

WANDERLEY, M. N. B. O campesinato brasileiro: uma história de resistência. Revista de Economia e Sociologia Rural (IMPRESSO), v. 52, p. 25-44, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236499444204

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexações e Bases Bibliográficas