Estudo das matas ciliares da bacia hidrográfica do Pelotas, Pelotas, RS, Brasil

Tiago Schuch Lemos Venzke

Resumo


As matas ciliares são formações florestais que acompanham os cursos de água e fazem parte da estrutura física das bacias hidrográficas. Estudos desta flora são importantes para formar a base na gestão e planejamento dos recursos hídricos. Assim realizou-se o levantamento florístico de árvores e de arbustos e a observação da distribuição ecológica das espécies em fragmentos de matas ciliares da bacia hidrográfica do Arroio Pelotas, Extremo-sul do Brasil. A amostragem foi realizada através do método do caminhamento em 10 fragmentos florestais. Foram coletadas 106 espécies, distribuídas em 80 gêneros e 44 famílias botânicas. A família mais numerosa foi Myrtaceae com 14 espécies de plantas e outras famílias ricas em espécies Euphorbiaceae, Asteraceae e Salicaceae. Para restauração ecológica foram encontradas espécies pioneiras, secundárias iniciais e secundárias tardias. As matas ciliares do Arroio Pelotas compreendem cerca de 20% das espécies arbóreas do Rio Grande do sul. Destaca-se nas amostragens a ausência do gênero Ingá. A vegetação compreende duas regiões fitogeográficas. Em ambas ocorrem impactos ambientais significativos que devem ser considerados no manejo sustentável dos recursos hídricos regionais. Para a conservação das matas ciliares é necessário o isolamento dos remanescentes existentes e a recuperação florestal de áreas ciliares degradadas pela atividade antrópica

Palavras-chave


árvores nativas, fitogeografia, Lei Federal 9433/97, restauração ecológica, vegetação

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, M.M. et al. Análise de agrupamento da vegetação de um fragmento de Floresta Estacional Aluvial, Cachoeira do Sul, Brasil. Ciência Florestal, v.14, n.1, p. 133-147, 2004.

BACKES, P.; IRGANG, B. Árvores do Sul: Guia de Identificação & Interesse Ecológico. Porto Alegre: Instituto Souza Cruz, 2002.

BARBIERI, R.L.; HEIDEN, G. (Ed.). Árvores de São Mateus do Sul e região. Brasília: EMBRAPA Informação Tecnológica, 2009.

BARBOSA, L.M. Considerações gerais e modelos de recuperação de formações ciliares. In: RODRIGUES, R.R.; LEITÃO-FILHO, H.F (Eds.) Matas ciliares: Conservação e Recuperação. São Paulo: Editora da USP/Fapesp, 2000. p. 289-312.

BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F. Conservação do solo. 8° ed. São Paulo: Ícone, 2012.

BRASIL. Lei n. 12.651 Código Florestal, de 25 de maio de 2012.

BRASIL. Lei n. 9.433 Política Nacional de Recursos Hídricos, de 08 de janeiro de 1997.

BUDKE, J.C. et al. Florística e fitossociologia do componente arbóreo de uma floresta ribeirinha, Arroio Passo das Tropas, Santa Maria, RS, Brasil. Acta bot. Bras, São Paulo, vol. 18 n. 3, p. 581-589. 2004.

BUDOWSKI, G. Distribution of tropical American Rain Forest species in the light of successional processes. Turrialba, v.15, n1, p. 40-42, 1965.

CARVALHO, P.E.R. Espécies Florestais Brasileiras. 1. vol. Colombo: EMBRAPA florestas, 2010.

CARVALHO, P.E.R. Espécies Florestais Brasileiras. 2. vol. Colombo: EMBRAPA florestas, 2006.

CARVALHO, P.E.R. Espécies Florestais Brasileiras. 3. vol. Colombo: EMBRAPA florestas, 2008.

CARVALHO, P.E.R. Espécies Florestais Brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Brasília: EMBRAPA/CNPq, 1994.

CATHARINO, E.L.M. Florística de matas ciliares. In: Barbosa, L.M. (Coord.). Simpósio sobre mata ciliar. Campinas: Fundação Cargill, 1989. p. 61-70.

De MARCHI, T.C.; JARENKOW, J.A.. Estrutura do componente arbóreo de mata ribeirinha no rio Camaquã, Município de Cristal, Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia: Série Botânica, v. 63, n.2, p. 241-248, 2008.

DURLO, M.A.; SUTILI, F.J. Bioengenharia: Manejo Biotécnico de Cursos de Água. Porto Alegre: EST Edições, 2005.

EMBRAPA/UFPEL. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Universidade Federal de Pelotas. Temperatura. Média (ºC) - Período: 1971/2000 (Mensal/Anual). Estação Agroclimatológica: Capão do Leão-RS. Convênio Embrapa/UFPel/INMET. Disponível em: http://www.cpact.embrapa.br/agromet/estacao/index.htm. Acesso em: 28 dez.2011.

ESAU, K. Anatomy of seed plants. New York: John Wiley, 1967.

FERRETTI, A.R. Fundamentos Ecológicos para o Planejamento da Restauracão Florestal. In: GALVÃO, A.P.M.; MEDEIROS, A.C.S. (Eds.) A restauracão da Mata Atlântica em áreas de sua primitiva ocorrência natural. Colombo: Embrapa Florestas, 2002. p. 21-26.

FILGUEIRAS, T.S. et al. Caminhamento: Um método expedito para levantamentos florísticos e qualitativos. Caderno de Geociências, Rio de Janeiro, vol.12 p. 39-43. 1994.

Flora Ilustrada Catarinense. Coleção Botânica da Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues,1951-2005.

GANDOLFI, S., LEITÃO-FILHO, H.F.; BEZERRA, C.L. Levantamento florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo-arbóreas de uma Floresta Mesófila Semidecídua no município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Biologia, v.55, n.4, p. 753-767, 1995.

GARCEZ, L.N.; ALVAREZ, G.A. Hidrologia. São Paulo: Edgard Blücher, 1988.

GOMES, G.C. et al. Árvores da Serra dos Tapes: Guia de Identificação com Informações Ecológicas. Brasília, Embrapa, 2013.

GUERRA, A.J.T.; CUNHA, S.B. Geomorfologia e Meio Ambiente. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

IBGE. 1986. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Vegetação: as regiões fitoecológicas, sua natureza e seus recursos econômicos. Estudo fitogeográfico. In. TEIXEIRA, M.B.; COURA NETO, A.B.; PASTORE, U.; RANGEL FILHO, A.L.R. (Org.) Levantamento de recursos naturais. Rio de Janeiro: IBGE, 1986. p. 541-632.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. (Série manuais técnicos em geociências, n. 1).

KILCA, R.V. et al. Florística e fitofisionomias da planície de inundação do Rio Piratini e a sua importância para conservação no Pampa do Rio Grande do Sul, Brasil. Neotropical Biology and Conservation, v.6 n.3, 227-249, 2011.

LANNA, A.E. Gestão dos recursos hídricos. In: TUCCI, C.E.M. (Org) Hidrologia: ciência e aplicação. 3º Ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS/ABRH, 2004. p. 727-768..

LIMA, W. de P. Função hidrológica da mata ciliar. In: SIMPÓSIO SOBRE MATA CILIAR, Campinas, Fundação Cargill, 1989. p. 25-42.

LIMA, W.P.; ZAKIA, M.J.B. Hidrologia de matas ciliares. In: RODRIGUES, R.R.; LEITÃO-FILHO, H.F. (Eds.) Matas ciliares: Conservação e Recuperação. São Paulo: Editora da USP; Fapesp: 2000. p. 289-312.

LONGHI, R.A. Livros das árvores: árvores e arvoretas do sul. Porto Alegre: L&PM, 1995.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras - Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. 1 e 2. vol. Nova Odessa: Plantarum, 1998ab.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de planta arbóreas nativas do Brasil. 3. vol. Nova Odessa: Plantarum, 2009.

MARCHIORI, J.N.C. Dendrologia das Angiospermas: das bixáceas às rosáceas. Santa Maria: Editora da UFSM, 2000.

MARCHIORI, J.N.C. Dendrologia das Angiospermas: das magnoliáceas às flacurtiáceas Santa Maria: Editora da UFSM, 1997.

MARCHIORI, J.N.C. Dendrologia das Angiospermas: leguminosas. Santa Maria: Editora da UFSM, 2007.

MARCHIORI, J.N.C. Elementos de dendrologia. Santa Maria: Editora da UFSM, 1995.

MARCHIORI, J.N.C.; M. SOBRAL. Dendrologia das angiospermas: Myrtales. Santa Maria: Editora da UFSM, 1997.

MELO, A.C.G.; DURIGAN, G. A regeneração natural sob reflorestamentos ciliares no estado de São Paulo: a importância da fauna para processos de restauração. In: SEMINÁRIO BRASILEIRO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS, VI., 2005, Curitiba. Anais... Curitiba: Sobrade, 2005. p. 51-59.

ODUM, E.P. Fundamentos de Ecologia. 6. ed. Lisboa: Fundação Galouste Gulbenkian, 2001.

PIAGGIO, M.; DELFINO, L. 2009. Florística y fitosociología de un bosque fluvial en Minas de Corrales, Rivera, Uruguay. Iheringia, Série. Botânica, v. 64, n.1, p. 45-51, 2009.

PEREZ PIEDRABUENA, F. Flora nativa: arboles y arbustos del Uruguay y reciones vecinas. Guia de campo y usos medicinales. Maldonado, Uruguay: AFDEA, 2004.

PRUSKI, F.F. Conservação de solo e Água: práticas mecânicas para o controle da erosão hídrica. 2. ed. Viçosa: Editora da UFV, 2009.

REITZ, R.; KLEIN, R.M.; REIS, A. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Herbário Barbosa Rodrigues. Porto Alegre: SUDESUL, SEC. AGRIC., DES.-DRNR, 1988.

RIO GRANDE DO SUL. Lei Estadual n. 10.350 Sistema Estadual de Recursos Hídricos, de 30 de Dezembro de 1994.

RIO GRANDE DO SUL. Lei Estadual n. 11.895 Declara integrante do patrimônio cultural do Estado o Arroio Pelotas, de 28 de Março de 2003.

RIO GRANDE DO SUL. Manual de conservação do solo e da água. 2. ed. Porto Alegre, Secretaria de agricultura do Estado do Rio Grande do Sul, 1983.

RODRIGUES, R.R. Análise estrutural das formações florestais ripárias. In: BARBOSA, L;M; (coord). SIMPÓSIO SOBRE MATA CILIAR, 1., Campinas. Anais do... Campinas, Fundação Cargill, 1989. p. 99-119.

SANCHOTENE, M.C.C. Frutíferas nativas úteis à fauna na arborização urbana. 2. ed. Porto Alegre: SAGRA, 1989.

SANEP. Serviço Autônomo de Pelotas. Água: Estação de Tratamento do Sinnott. Disponível em: http://www.pelotas.rs.gov.br/sanep/agua/tratamento_sinnott.htm. Acesso em 15 ago. 2009.

SILVEIRA, A.L.L. Ciclo hidrológico e bacia hidrográfica. In: TUCCI, C.E.M. (Org.) Hidrologia: ciência e aplicação. 3. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS/ABRH, 2004. p. 35-51.

SOARES, L.R.; FERRER, R.S. Estrutura do componente arbóreo em uma área de floresta ribeirinha na bacia do Rio Piratini, Rio Grande do Sul, Brasil. Biotemas, v.22 n.3, p. 47-55, 2009.

SOBRAL, M. A família Myrtaceae no Rio Grande do Sul. São Leopoldo: Editora da Unisinos, 2003.

SOBRAL, M. et al. Flora arbórea e arborescente do Rio Grande do Sul. São Carlos: RiMa/Novo Ambiente, 2006.

SOSINSKI, L.T.W. Caracterização da bacia hidrográfica mirim São Gonçalo e o uso dos recursos naturais. Brasília: EMBRAPA/Embrapa Clima Temperado, 2008. (Documentos, n. 255).

STUMPF, E.R.T.; BARBIERI, R.L.; HEIDEN, G. Cores e Formas no Bioma Pampa: plantas ornamentais nativas. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2009.

TONIATO, M.T.Z. O regime hidrológico em matas de brejo: reflexos na estrutura e diversidade. In: Os Avanços da Botânica no Início do Século XXI: Porto Alegre: Sociedade Botânica do Brasil, 2006, p. 385-387.

UCPEL. Universidade Católica de Pelotas. Relatório “Projeto Localidades: ambientes”. Pelotas: Laboratório de Tecnologia em Informação Ambiental/UCPEL, 2008.

VENZKE, T.S. Florística de comunidades arbóreas no Município de Pelotas, Rio Grande do Sul. Rodriguesia, vol. 63 n. 3, p. 571-578. 2012.

VENZKE, T.S. et al. Síndromes de dispersão de sementes em estágios sucessionais de mata ciliar, no extremo sul da Mata Atlântica, Arroio do Padre, RS, Brasil. Revista Árvore, v.38 n.3, p. 403-413, 2014.

WAECHTER, J.L. Comunidades vegetais das restingas do Rio Grande do Sul. In: SIMPÓSIO DE ECOSSISTEMAS DA COSTA SUL E SUDESTE BRASILEIRA, 2., 1990, Águas de Lindóia. Anais..., Águas de Lindóia: 1990. p. 228-238.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236499431007

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Indexações e Bases Bibliográficas