DETERMINAÇÃO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS, SÃO PAULO, BRASIL.

Diego Peruchi Trevisan, Luiz Eduardo Moschini

Resumo


O mapa de fragilidade ambiental constitui uma das principais ferramentas da elaboração do planejamento territorial e permite avaliar as potencialidades do meio ambiente de forma integrada. Diante estas considerações o objetivo deste trabalho foi realizar a análise da fragilidade ambiental do município de São Carlos (SP). Foram utilizados Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para mapear o uso e cobertura da terra, a declividade, a geologia e a pedologia do município, os quais deram suporte para aplicação do Índice de Fragilidade. As características ambientais do município de São Carlos contribuem para seu estado de fragilidade que é potencializada principalmente pelas características econômicas ligadas a agropecuária existentes no município.


Texto completo:

PDF

Referências


BIOTA FAPESP. Sub-bacias hidrográficas do estado de São Paulo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 31 de maio de 2015.

CEPAGRI. Centro de pesquisas meteorológicas e climáticas aplicadas à agricultura. Clima dos municípios paulistas, 2015. Disponível em: . Acesso em: 31 de maio de 2015.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. 1999. Latossolos. Disponível em Acesso em 23 de abril de 2015.

IBGE. Instituto de Geografia e Estatística. Divisão territorial brasileiro e limites territoriais: IBGE cidades – São Carlos,2015. Disponível em: < www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=351930# >. Acesso em: 31 de maio de 2015.

IBGE. Instituto de Geografia e Estatística. Manual Técnico de Uso da Terra 3ª Edição, 2013. Disponível em: < www.ibge.gov.br/home/geociencias/recursosnaturais/usodaterra/manual_usodaterra.shtm >. Acesso em: 31 de maio de 2015.

MURO, D.M. 2000. Zoneamento de áreas quanto a possível contaminação por produtos químicos. 2000. 100 f. Dissertação (Mestrado em Geotecnia) - Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico,2000.

PINATTI, J.M.; MOSCHINI, L. E.; DOS SANTOS, R.M.; TREVISAN, D. P. Dinâmica da Paisagem da Zona de Amortecimento do Parque Estadual do Vassununga, SP. IN: José Eduardo dos Santos; Elisabete Maria Zanin. (Org.). Faces da Polissemia da Paisagem. 1ed.São Carlos, SP: Rima, 2013, v. 5, p. 144-162.

RAMOS, A. Diccionario de la naturaleza, hombre, ecologia, paisaje. Madrid, Espasa-Calpe S.A., 1987. 1016 p.

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia/FFLCH/USP, n. º 8, p. 63-73, 1994.

ROSS, J. L. S. Ecogeografia do Brasil: subsídios para planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2009, 208 p.

RUHOFF, A. L. Gerenciamento de recursos hídricos em bacias hidrográficas: modelagem ambiental com a simulação de cenários preservacionistas.2004. 107f. Dissertação (Mestrado em Geomática) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2004.

SÃO CARLOS. Prefeitura municipal de São Carlos. História do município de São Carlos. 2015. Disponível em: Acesso em: 31 de julho de 2015.

SILVA, V. C. B.; MACHADO, P.S. SIG na Análise Ambiental: Susceptibilidade Erosiva da Bacia Hidrográfica do Córrego Mutuca, Nova Lima - Minas Gerais. Revista de Geografia (Recife), v. 31, p. -, 2014.

SEADE. Fundação Sistema Estadual de Análise de dados. Perfis municipais, 2015. Disponível em: . Acesso em: 31 de maio de 2015.

TAMANINI, M. S. A. Diagnóstico físico-ambiental para determinação da fragilidade potencial e emergente da Bacia do Baixo Curso do Rio Passaúna em Araucária – PR,2008. 105f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Setor de Ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná, Curitiba (PR),2008.

TEIXEIRA, M.A.; MAGALHÃES, P.S.G.; BRAUNBECK, O.A. Equipamento para extração de amostras indeformadas de solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 24, n. 4, p. 693-699, 2000.

TROBETA, L.R.; GARCIA, R.M.; NUNES, R.S.; GOUVEIA, I.C.M.C.; LEAL, A.C. Análise da fragilidade potencial e emergente do relevo da unidade de gerenciamento de recursos hídricos pontal do Paranapanema, São Paulo, Brasil. Caderno de prudentino de geografia, nº36, Volume especial, p.159-173,2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236499421915

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexações e Bases Bibliográficas