Uso da terra e a sua relação com qualidade da água: influência das zonas ripárias e úmidas

Viviane Capoane, Tales Tiecher, Danilo Rheinheimer dos Santos

Resumo


Alterações nas propriedades hidrológicas de zonas úmidas e ripárias para uso agrícola e pecuário é uma prática generalizada no mundo inteiro. A fim de compreender as consequências dessas alterações, no presente trabalho foram avaliados os efeitos que diferentes proporções de zonas úmidas e matas ripárias entre duas bacias hidrográficas agrícolas do planalto do Rio Grande do Sul, na sobre a qualidade da água dos canais de drenagem. Análises de parâmetros físicos, químicos, microbiológicos e indicadores de matéria orgânica de amostras de água dos canais de drenagem foram realizados em intervalos de três meses, durante um ano. Os resultados obtidos demonstram que o manejo inadequado do solo e utilização de práticas agropecuárias incompatíveis com a fragilidade do ambiente, são os fatores que mais afetam a qualidade da água dos canais de drenagem em ambas as bacias. A qualidade da água não diferiu entre as bacias hidrográficas monitoradas, o que demonstra que a maior área de zonas úmidas pode estar compensando a menor presença de mata ripária, e vice-versa.

Texto completo:

PDF

Referências


BRINSON, M.M.; LUGO, A.E.; BROWN, S. Primary productivity, decomposition and consumer activity in freshwater wetlands. Annual Review of Ecological Systems, v. 2, 1981, p. 23-161.

AMERICAN WATER AND WASTEWATER ASSOCIATION - AWWA. Standard methods for the examination of water and wastewater. 21th. Denver. CP: AWWA 2005.

ALMENDINGER, J. E.; MURPHY, M. S.; ULRICH, J. S. Use of the Soil and Water Assessment Tool to Scale Sediment Delivery from Field to Watershed in an Agricultural Landscape with Topographic Depressions. Journal of Environmental Quality, 2011, p. 1-9.

AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION - APHA. Standard methods for the examination of water and wastewater. 19th. Washington, DC. APHA 1995.

ANTONIC, O.; DALIBOR, H.; RENATA, P. DEM-based depth in sink as an environmental estimator. Ecological Modelling, v. 138, 2001, p. 247-254.

AYRES, M.; AYRES JUNIOR, M.; AYRES, D.L.; SANTOS, A.A.S. BioEstat 5:aplicações estatísticas nas áreas das ciências biológicas e médicas. 2007. (Software sem registro de patente).

BORTOLUZZI, E.C.; RHEINHEIMER, D.S.; GONÇALVES, C.S.; PELLEGRINI, J.B.R.; ZANELLA, R.; COPETTI, A.C.C. Contaminação de águas superficiais por agrotóxicos em função do uso do solo numa bacia hidrográfica de Agudo, RS. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 10, 2006, p. 881-887.

BRASIL. Resolução do CONAMA n° 357, de 18 de março de 2005. Brasília, DF: Congresso Nacional, 2005.

CHAPMAN, D.; KIMSTACH, V. Selection of water quality variables. In: CHAPMAN, D.; KIMSTACH, V. Water quality assessment: a guide to the use of biota, sediments and water in environmental monitoring. Londres: UNESCO/ WHO/UNEP, 1996. Cap. 3, 60p.

COELHO, R.C.T.P.; BUFFON, I.; GUERRA, T. Influência do uso e ocupação do solo na qualidade da água: um método para avaliar a importância da zona ripária. Revista Ambiente & Água, v. 6, 2011, p. 104-117.

CORRELL, D.L. Buffer zones and water quality protection, General principles. In: Haycock NE, Burt TP, Goulding KWT and Pinay G (eds) Buffer Zones: Their Processes and Potential in Water Protection, 1997, p. 7-20. Quest Environmental.

CORRELL, D.L.; WELLER, D.E. Factors limiting processes in freshwater wetlands: an agricultural primary stream riparian forest. In Freshwater Wetlands and Wildlife, ed. R. Sharitz, J. Gibbons. 1989.

DILLAHA, T.A.; RENEAU, R.B.; MOSTAGHIMI, S.; LEE, D. Vegetative filter strips for agricultural nonpoint source pollution control. Trans ASAE, v. 32, 1989, p. 513-519.

EPA - United States Environmental Protection Agency. Endereço: http://www.epa.gov/gmpo/education/. Acesso em: 12 de janeiro de 2014.

FRASCÁ, M.H.B.O.; SARTORI, P.L.P. Minerais e rochas. In: OLIVEIRA, A.M.S.; BRITO, S.N.A., eds. Geologia de engenharia. São Paulo: Associação brasileira de geologia de engenharia, 1998. 586p.

GONÇALVES, C.S.; RHEINHEIMER, D.S.; PELLEGRINI, J.B.R.; KIST, S.L. Qualidade da água numa microbacia hidrográfica de cabeceira situada em região produtora de fumo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 9, 2005, p. 391-399.

GREGORY, S.V.; SWANSON, F.J.; MCKEE, W.A.; CUMMINS, K.W. An ecosystem perspective of riparian zones. Focus on links between land and water. BioScience, v. 41, n. 8, 1991, p. 540-551.

HAYASHI, M.; VAN DER KAMP, G. Simple equations to represent the volume-area-depth relations of shallow wetlands in small topographic depressions. Journal of Hydrology, v. 237, 2000, p. 74-85.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Mapa de vegetação do Brasil. Escala 1:5.000.000. 2004. Disponível em: http://mapas.ibge.gov.br/tematicos/vegetacao.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Levantamento de recursos naturais do projeto Radam Brasil. Folha SH.22. Porto Alegre e parte das folhas SH. 21 Uruguaiana e SI. 22 Lagoa Mirim. Rio de Janeiro, 1986. 796 p.

LOWRANCE, R.R.; LEONARD, R.; SHERIDAN, J. Managing riparian ecosystems to control nonpoint pollution. Journal of Soil and Water Conservation, v. 40, 1985, p. 87-91.

MAKRIS, K.C. Soil and colloidal phosphorus dynamics in three ky soils: bioavailability, transport and water quality implications. Lexington, College of Agriculture at the University of Kentucky, 2002. 170p. (Dissertação de Mestrado)

MOREIRA, V.S. Territorialidades rurais em Júlio de Castilhos-RS: da pecuária extensiva a agricultura familiar. Santa Maria, Universidade Federal de Santa Maria, 2008. 132p. (Dissertação de Mestrado).

NAIMAN R.J.; DÉCAMPS, H. The ecology of interfaces: riparian zones. Annual Review of Ecology and Systematics, v. 28, 1997, p. 621-658.

PETERJOHN, W.T.; CORRELL, D.L. Nutrient dynamics in an agricultural watershed: observations on the role of a riparian forest. Ecology, v.65, 1984, p. 1466-1475.

PHILLIPS, J.D. An evaluation of the factors determining the effectiveness of water quality buffer zones. Journal of Hydrology, v. 107, 1989, p. 133-145.

RESENDE, M.; CURI, N.; REZENDE, S.B.; CORRÊA, G.F. Pedologia: base para a distinção de ambientes. 5. ed. rev. Lavras: UFLA, 2007. 322 p.

ROSSATO, M.S. Os climas do Rio Grande do Sul: variabilidade, tendências e tipologia. Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011. 240p. (Tese de Doutorado)

TEDESCO, M.J.; GIANELLO, C.; BISSANI, C.A.; BOHNEN, H.; VOLKWEISS, S.J. Análises de solos, plantas e outros materiais. 2.ed. Porto Alegre: UFRGS, Departamento de Solos, Faculdade de Agronomia, 1995. 174p. (Boletim técnico, 5).




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236499421073

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexações e Bases Bibliográficas