O ESTUDO DA VEGETAÇÃO XEROMÓRFICA E XEROFÍTICA NA REGIÃO CENTRO-OCIDENTAL PARANAENSE

Lucimara Liberali, Maria Eugênia Moreira Costa Ferreira

Resumo


As áreas pesquisadas estão localizadas na região Centro-Ocidental Paranaense, microrregião geográfica de Cianorte e de Campo Mourão, no Estado do Paraná, nos municípios de Campo Mourão, Luiziana e Tuneiras do Oeste. As espécies de cerrado (savana) e as plantas das famílias Cactaceae e Bromeliaceae são consideradas formações paleoclimáticas que destoam da vegetação e das condições climáticas atuais, essas espécies aparecem, nessas regiões, em manchas.  A pesquisa iniciou-se a partir das discussões de pesquisadores que indicam essas espécies como bioindicadoras de condições ecológicas passadas e sua base está fundamentada na interpretação da teoria dos refúgios florestais. Os resultados obtidos demonstraram que esses redutos estudados seriam, então, testemunhos deste ciclo de clima seco.

 

Palavras-chave: Teoria dos Refúgios Florestais. Fitogeografia. Condições Paleoclimática.


DOI: 10.5902/2236499414937


 


Texto completo:

PDF

Referências


AB´SABER, A.N., O Domínio Morfoclimático Semiárido das Caatinga (Savana-Estépica) Brasileiras, Geomorfologia, São Paulo, Instituto de Geografia, Universidade de São Paulo, n. 43, 1974.

AB´SABER, A.N.,. Revisão dos Conhecimentos Sobre o Horizonte Sub-Superficial de Cascalhos Inhumados Do Brasil Oriental. Notícia Geomorfológica, Campinas, v. 6, n. 11, 1966. [Publicado originalmente em Boletim da Universidade do Paraná, Curitiba, v. 2, p. 2-32, 1962.]

AB’SÁBER, A. N. Cerrado (savana)s e Mandacarus: área de Salto-Itu é referência para investigações envolvendo condições climáticas do passado. Scientific American Brasil, São Paulo, v. 1, n. 4, 2002.

AB’SÁBER, A. N. Redutos Florestais, Refúgios de Fauna e Refúgios de Homens. Revista de Arqueologia, São Paulo, v. 8, n. 2, 1994-1995.

AB’SABER, A. N. A organização natural das paisagens inter e subtropicais brasileiras. In: Ferri MG (coord.) III Simpósio sobre o cerrado (savana). São Paulo, Edgard Blucher /EDUSP, 1971.

AB’SABER, A.N. Espaços ocupados pela expansão dos climassecos na América do Sul, por ocasião dos períodos glaciais Quaternários. Paleoclimas, São Paulo, v.3, 1977.

ANDRADE-LIMA, D. Present-day forest refuges in northeastern Brazil. In: G. T. Prance (ed.) Biological diversification in the tropics. Columbia Univ. Press, New York, 1982

BIGARELLA, J. J. e MAZUCHOWSKI, J. Z., Visão Integrada da Problemática da Erosão, In: 3º Simpósio Nacional de Controle da Erosão, Maringá – Paraná, Livro Guia, 1985.

BIGARELLA, J.J. e BECKER, International Symposium on the Quaternary. Curitiba: UFPR, Bol. Paran. Geociên. 33, 370 p., 1975.

BIGARELLA, J.J. Variações Climáticas no Quaternário e Suas, Implicações no Revestimento Florístico do Paraná. Boletim Paranaense de Geografia, março-1964, Curitiba, 1971.

BOLZON, R.T., MARCHIORI, J.N.C. A vegetação no sul da América –Perspectiva paleoflorística. Ciência & Ambiente, Santa Maria, n. 24, p. 5-24, 2002.

COLINVAUX, P.A., OLIVEIRA, P.E. e BUSH, M. (2000) Amazonian and Neotropical plant communities on glacial timescales: the failure of the aridity and refuge hypothesis.Quaternary Science Reviews, 2000

CONTI, J.B e FURLAN S.A. Geoecologia. O clima, os solos e a biota. In ROSS, J. L. S.Geografia do Brasil. São Paulo:Edusp, 1996.

CONTI, J.B. Desertificação nos Trópicos (proposta de metodologia de estudo aplicada ao nordeste Brasileiro). Tese de Livre-Docência. São Paulo: FFLCH-USP, 1995.

EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Embrapa Solos, Rio de Janeiro, 2008.

FERREIRA, J. C. V., Municípios paranaenses: origens e significados. – Curitiba : Secretaria de Estado da Cultura, 2006.

FERRI, M.G. Ecologia do Cerrado. In IV Simpósio o Cerrado: bases para utilização agropecuária. EDUSP, São Paulo, 1977.

GROOT, J. J. & GROOT, C. B. Quaternary stratigraphy of sediments of the Argentine Basin- a palynological investigation. N.Y Acad. Sci. Trans., New York, 26; 881-886, Ser., 1964.

HAFFER, J.; PRANCE, G. T. Impulsos climáticos da evolução na Amazônia durante o Cenozóico: sobre a teoria dos Refúgios da diferenciação biótica. Estudos Avançados, v.16, n.46, p.175-206, set./dez. 2002.

HAFFER, J. Ciclos de tempo e indicadores de tempos na história da Amazônia. Revista Estudos Avançados, n. 15, v. 6, São Paulo, IEA-USP, maio/jun.1992.

HATSCHBACH, G. & ZILLER, S. Lista vermelha de plantas ameaçadas de extinção no Estado do Paraná. SEMA/GTZ, Curitiba, 1995

HESPANHOL, Antonio Nivaldo. A formação sócio-espacial da região de Campo Mourão e dos municípios de Ubiratã, Campina da Lagoa e Nova Cantu-Pr. In: Boletim de Geografia. Maringá: UEM – Ano 11, nº 01, dezembro, 1993.

HUECK, K. As florestas da América do Sul: ecologia, composição e importância econômica. Editora da Universidade de Brasília e Editora Polígono, São Paulo, 1972.

IAP – INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ. Plano de Manejo do Parque Estadual Lago Azul: Encarte III – Análise do Parque Estadual Lago Azul. / Instituto Ambiental do Paraná, Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas. (Agosto, 2005) - Curitiba: IAP/DIBAP, 2005. Disponível em: http://www.uc.pr.gov.br/arquivos/File/Plano_de_Manejo/Parque_Estadual_Lago_Azul/5_PELA_ENCARTE_I II.pdf>. Acesso em: 19 set. 2013.

KNAPP, S. e MALLET, J. Refuting Refugia? Science, 2003.

LIBERALI, L. Estudo Fitossociológico da Vegetação do Cerrado de Campo Mourão. 2003. Dissertação (Mestrado em Geografia). Maringá, Paraná: Universidade Estadual de Maringá, 2003.

LUZ, F. O Fenômeno Urbano numa região Pioneira: Maringá. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo. 1980.

MAACK, R. Geografia Física do Estado do Paraná. Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora S/A. 2ª ed., p 248-255. 1981.

MASSOQUIM, N. G. ; Azevedo, T. R. Interferência de Fenômenos Climáticos em Culturas Temporárias na Microrregião de Campo Mourão. Revista de Geografia, Meio Ambiente e Ensino - GEOMAE (Impresso), v. 1, p. 13-28, 2010.

Mineropar. Minerais do Paraná S/A. Carta geológica. Folha Campo Mourão SG.22-V-B. 2006.

Mineropar. Minerais do Paraná S/A. Carta geológica. Folha Umuarama, SF 22-Y-C.2006

RODERJAN, C. V.; GALVÃO, F.; KUNIYOSHI, Y. S.; HATSCHBACH, G. G. As unidades fitogeográficas do estado do Paraná. Ciência&Ambiente, Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, n. 24, p. 75-92, 2002.

SILVEIRA, H. ; OLIVEIRA, D. L. A. ; ANDRADE, A. A. ; SILVA, A. V. Avaliação de algumas características físicas e químicas de Latossolos sob vegetação relictual de Cerrado (savana) e plantio direto em Campo Mourão - PR. Boletim de Geografia, Maringá, v. 1, n.1, p. 21-31, 2002.

STEVAUX, J. C. Mudanças Ambientais no Quaternário. Fundamentos da Geografia Contemporânea. In Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão, Curso de Especialização em Geografia 1998.

STEVAUX, J. C. Mudanças ambientais no Quaternário. Fundamentos da Geografia Contemporânea. In: Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão, curso de especialização em geografia. 1996.

STODDART, D. R. Organismo e ecossistema como modelos geográficos. São Paulo: Livros Técnicos e Científicos S. A. e Ed. da USP, 1974.

TROPPMAIR, H. Biogeografia e Meio Ambiente. 4. ed. do Autor, Rio Claro, 1995

TROPPMAIR, H. Biogeografia e Meio Ambiente. 6. ed. Rio Claro: Divisa, 2004

TROPPMAIR. H. Biogeografia e meio ambiente. 8a ed. Rio Claro, São Paulo: Divisa, 2008.

VANZOLINI, P. E. Zoologia Sistemática, Geografia e a origem das espécies. São Paulo: Universidade de São Paulo, Instituto de Geografia, 1970.

VEIGA, P. Estrada boiadeira- conquista de Mato Grosso. 15 nov. 2009. Disponível em: l, Acesso em: 13/07/2012.

VIADANA, A. G. A Teoria dos Refúgios Florestais Aplicada ao Estado de São Paulo. Tese de Livre-Docência. Rio Claro - UNESP, 2000.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236499414937

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexações e Bases Bibliográficas