SABERES ZAPATISTAS: 25 ANOS DE AUTONOMIA

Maurício Beck

Resumo


Da perspectiva da Análise de Discurso, iniciada pelo círculo de intelectuais em torno de Michel Pêcheux na França entre as décadas de 1960-1970, empreendeu-se um gesto de análise do discurso do Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN), movimento que se alçou em armas em janeiro de 1994, no sudeste mexicano. Entretanto, são os comunicados, as cartas, as declarações, as imagens de rebeldes mascarados, divulgadas pela mídia, que possibilitaram um amplo apoio civil nacional e internacional. O processo de resistência-revolta em curso nos últimos 25 anos no estado de Chiapas permite o estudo dos modos de funcionamento de discursividades dominadas, dissimétricas em relação à ideologia dominante, neste início de século XXI. Com base nesta análise foi possível retomar o conceito de espectro do irrealizado articulado ao processo de reprodução/transformação histórico.


Palavras-chave


processos de resistência-revolta-revolução; discurso zapatista; lutas populares.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDEL-MONEIM, Sarah .G. O Ciborg Zapatista: tecendo a poética virtual de resistência no Chiapas cibernético. Tradução de Regina Borges e Dário Borim Jr. União da Vitória-PR: Monstro do Mares, 2017.

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: O poder soberano e a vida nua. Vol. I Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2002.

ALTHUSSER, Louis. Lo que no puede durar en el Partido Comunista. Tradução de Pedro Vilanova Trías. Siglo XXI de España Ed.,1978.

_____. Sobre a Reprodução. [1995] Tradução de Guilherme João de Freitas Teixeira. Introdução de Jacques Bidet. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

BECK, Maurício. Aurora Mexicana – Processos de resistência-revolta-revolução em lutas populares da América Latina: o exemplo do discurso zapatista. 2010. 175 f. Tese (Doutorado em Letras) - UFSM, Santa Maria, 2010.

______. Apraxia e Silenciar: formas de resistência-revolta por meio de uma subtração subjetiva. Conexão Letras. Porto Alegre: UFRGS, v. 8, p. 71-82, 2013

BECK, Maurício. e ESTEVES, Phellipe M. da S. O sujeito e seus modos: identificação, contraidentificação, desidentificação e superidentificação. Leitura. Maceió: UFAL, n.50, p. 135-162, jul./dez. 2012.

FIGUEIREDO, Guilherme G. de. A Guerra é o Espetáculo: origens e transformações da estratégia do EZLN. 2003. 366 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Políticas) - Unicamp, Campinas, 2003.

GUIMARÃES, Eduardo. R. J. Semântica do Acontecimento: Um Estudo Enunciativo da Designação. 2 ed. Campinas: Pontes, 2005.

GORDON, Uri. Anarquia Viva! Política Antiautoritária da prática para a teoria. União da Vitória: Subta, 2015.

EZLN/CNI. Que retiemble en sus centros la tierra. Enlace Zapatista. Comunicado-traducion (16 out. 2016). Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2019.

FERNANDES, Sabrina. Sintomas Mórbidos: a encruzilhada da esquerda brasileira. São Paulo: Autonomia Literária, 2019.

FONSECA, Rodrigo O.; BECK, Maurício; ESTEVES, Phellipe M.S. Ideologia, discurso, revolução: a radicalidade da proposta pecheuxtiana. In: BARBOSA FILHO, F.R.; BALDINI, L. (Org.). Análise de discurso e materialismos: prática política e materialidades. Campinas, SP: Pontes, 2018, v. 2, p. 85-114.

INDURSKY, Freda. Lula lá: estrutura e acontecimento. Organon, Porto Alegre: UFRGS, v. 17, n. 35, p. 101-121, 2003.

______. Da interpretação à falha no ritual: a trajetória teórica da noção de Formação Discursiva. In: BARONAS, R. L. (org.). Análise do Discurso: apontamentos para uma história da noção/conceito de formação discursiva. São Carlos/SP: Pedro & João Editores, 2007, p. 75-87.

LEBRUN, Gérard. Althusser e seu partido. In: LEBRUN, G. Passeios ao Léu. Ensaios. São Paulo: Brasiliense, 1983. p. 143-153.

LENIN, Vladimir I. (1902, 1920) Obras Escolhidas. Em Três Tomos. 2 ed. São Paulo: Alfa-Omega, 1982.

MARCOS, Subcomandante. Los Pueblos Indios dieron rumbo, destino y velocidad a nuestro sueño: Discurso del Subcomandante Insurgente Marcos. Revista Rebeldía. n. 62 de Outubro de 2008.

MAZIÈRE, Francine. “Pêcheux sempre trabalhou com andaimes”: entrevista com Francine Mazière. Tradução de Guilherme Adorno. In: CONTRADIT (org.). Encontros na Análise de Discurso: efeitos de sentido entre continentes. Campinas: Editora da Unicamp, 2019.

MOREL. Ana .P. M. Cantões curdos e caracóis zapatistas: autonomias hoje. Gavagai. Erechim, v. 4, n. 1, p. 100-112, jan./jun. 2017.

______. A luta pela terra na cosmopolítica do movimento zapatista. Revista de Estudos Libertários, Rio de Janeiro: UFRJ, jan/jun 2019. s.p.

ORLANDI, Eni. P. Discurso e Texto: Formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2005.

PÊCHEUX, Michel. Delimitações, inversões, deslocamentos. [1981] Tradução de José Horta Nunes. Caderno de Estudos Lingüísticos. Campinas: Unicamp/IEL, n. 19, p. 7-24, jul./dez. 1990.

______. Semântica e Discurso: Uma Crítica à Afirmação do Óbvio. Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi, Lourenço Chacon Jurado Filho, Manoel Luiz Gonçalves Corrêa e Silvana Mabel Serrani. 3. ed. Campinas. Ed. Unicamp, 1997.

_______. Só há causa daquilo que falha ou o inverno político francês: início de uma retificação. [1978] In: Semântica e Discurso: Uma Crítica à Afirmação do Óbvio. Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi, Lourenço Chacon Jurado Filho, Manoel Luiz Gonçalves Corrêa e Silvana Mabel Serrani. 3. ed. Campinas. Ed. Unicamp, 1997.

______. Ousar pensar e ousar se revoltar. Ideologia, marxismo, luta de classes. 2014. Décalages: Vol. 1: Iss. 4. Disponível em: Acesso em 10 de jul. 2019.

SADER, Emir. As autocríticas da Esquerda. Nov. 2016. In: Portal Vermelho. Disponível em: Acesso em 20 de jul. 2019.

SILVEIRA, Bruno. P. da. O pulsar do centro da terra: interpretação do apoio zapatista à candidatura presidencial. Katál., Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 43-54, jan./abr. 2018.

ŽIŽEK, Slavoj. Em defesa das causas perdidas. Tradução de Maria Beatriz de Medina. Prefácio de Alysson Leandro Mascaro. São Paulo: Boitempo, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179219439313

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Versão Impressa: 1519-9894
ISSN Versão Digital: 2179-2194
DOI 10.5902/21792194
Endereço Eletrônico: www.ufsm.br/fragmentum

Fragmentum possui caráter público e gratuito, dessa forma, NÃO são cobrados custos ou taxas para submissão, processamento, publicação e leitura dos artigos.

Todo o conteúdo do periódico Fragmentum está licenciado com uma Licença Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

REDES SOCIAIS
Página da Revista no Facebook