Uma arquegenealogia histórica da ciência das políticas públicas nos Estados Unidos (1906 -1960)

Emídio Capistrano de Oliveira, Paulo Rogério Melo de Oliveira

Resumo


O artigo propõe uma abordagem arquegenealógica, inspirada nos estudos de Michel Foucault, da emergência e consolidação das Políticas Públicas como uma área cientifica do campo empírico do saber político, nos Estados Unidos, entre 1906 e 1960. Explora-se, nestes 60 anos iniciais de formação do campo, os discursos fundantes, as tensões e os embates entre as diversas correntes teóricas e filosóficas, praticamente ignorados nos estudos históricos da área, e a afirmação de um saber, pragmático e racionalista, que passou a orientar e definir o que são as Políticas Públicas e como se deve estudá-las.


Palavras-chave


Políticas públicas; Arqueologia; Genealogia; Racionalismo; Empirismo

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

ALMOND, Gabriel. Uma teoria de política comparada. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1966.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. São Paulo: Cia das Letras, 2012.

ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico. São Paulo: Martin Fontes, 2002.

BAUM, William M. Compreender o Behaviorismo. Porto Alegre: Ed. Artmed, 2007.

COLEBATCH, Hal K. What work makes policy? Policy Sciences, v. 39, n. 4, p. 309–321, december 2006. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s11077-006-9025-4. Acesso em: 27 set. 2017.

CUNHA, Ana Clara M.; LUZIO, Cristina A.; PAIVA CRUZ, Soraia G. F. A arqueogenealogia como ferramenta de pesquisa no campo da Atenção Psicossocial. Revista de Ciências Humanas, Santa Catarina, v. 48, n. 2, p. 186-203, 2014.

DAHL, Robert A. The Behavioral Approach in Political Science: Epitaph for a Monument to a Successful Protest. The American Political Science Review, v. 55, n. 4, p. 763-772, december 1961. Disponível em: http://www. jstor.org/stable/1952525. Acesso em: 20 set. 2016.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2013.

EASTON, David. The Political System: An Inquiry into the State of Political Science. New York: Alfred A. Knopf Inc., 1953.

ENGELBERT, Ernest A. University education for public policy analisis. Public Administration Review, v. 37, n. 3, p. 228-236, may/june 1977.

FARAH, Marta F. S. Administração pública e políticas públicas. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, v. 45, n. 3, p. 813-836, jun. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-76122011000300011&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 29 jun. 2017.

FERES JR., João. Aprendendo com os erros dos outros: o que a história da ciência política americana tem para nos contar. Rev. Sociol. Polit., n. 15, p. 97-110, 2000. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782000000200007. Acesso em: 11 out. 16.

FISCHER, Frank. Para além do empirismo: policy inquiry na perspectiva pós-positivista. Revista NAU Social, v. 7, n. 12, p. 163-180, mai./nov. 2016.

FISCHER, Frank. Reframig Public Policy. Oxford: Oxford Press, 2003.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Gen e Forense universitária, 2015.

FOUCAULT, Michel. Omnes et Singulatim: Por uma crítica da “Razão Política”. Novos Estudos, n. 26, mar. 1990. Disponível em: https://joaocamillopenna.files.wordpress.com/2015/11/foucault-omnes-et-singulatim.pdf. Acesso em: 13/01/2018.

GUNNEL, John G. Teoria Política. Brasília: Universidade de Brasília, 1979.

GUNNELL, John G. American Political Science, Liberalism, and the Invention of Political Theory. The AmericanPolitical Science Review, v. 82, n. 1, p. 71-87, mar. 1988,

HAMILTON, Alexander; MADISON, James; JAY, John. O Federalista. Brasília: UNB, 1984.

HEIDEMANN, Francisco G.; SALM, José F. (org.). Políticas Públicas e Desenvolvimento: bases epistemológicas e modelos de análise. 2. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2010.

HORKHEIMER, Max. Eclipse da razão. São Paulo: Centauro, 2002.

HOWLETT, Michael; RAMESH, M; PERL, Anthony. Política Pública: seus ciclos e subsistemas: uma abordagem integral. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

KAPLAN, Abraham; LASSWELL, Harold. Poder e sociedade. Brasília: UnB, 1979.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2011.

LASSWELL, Harold. Política: Quem ganha o que, quando, como. Brasília; Universidade de Brasília, 1936.

LASSWELL, Harold. The Immediate Future of Research Policy and Method in Political Science. The American Political Science Review, v. 45, n. 1, p. 133-142, 1951.

MARCONDES, Danilo. Iniciação a História da Filosofia. Rio de Janeiro: Zahar editores, 2013.

PALUDO, Augustinho. Administração Pública. São Paulo: Ed. Método, 2016.

POLICY. Online Etymology Dictionary. [s.l.]: Douglas Harper, 2003. Disponível em: http://www.etymonline.com/.

Acesso em: 12/12/2016.

SECCHI, Leonardo. Análises de políticas Públicas: diagnósticos de problemas, recomendações de soluções. São Paulo: CENGAGE Learning, 2016.

SKINNER, Quentin. As fundações do pensamento político moderno. São Paulo: CIA das Letras, 1996.

SOUZA, Celina. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, n. 16, p. 20-45, jul./dez. 2006. ISSN 1517-4522. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-45222006000200003.

TRUMAN, David B. The Governmental Process: Political Interests and Public Opinion. New York: Alfred A.Knopf, 1951.




DOI: https://doi.org/10.5902/2317175835616

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

Revista Sociais e Humanas (ISSN online 2317-1758)

Universidade Federal de Santa Maria | Centro de Ciências Sociais e Humanas

Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

E-mail: revistaccsh@gmail.com | Telefone: (55) 32208522


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.