RELAÇÕES DE GÊNERO E EDUCAÇÃO

keila de Oliveira, Ethiana Sarachin da Silva Ramos, Sueli Salva

Resumo


Este artigo tem o objetivo de refletir sobre relações de gênero nos contextos educativos da educação infantil e ensino fundamental. A partir de referenciais teóricos como Finco (2003, 2010) Louro (1997), Moreno (1999), Narotzki (1995), Sayão (2008) queremos dissertar sobre como se dá a construção social do que é ser mulher ou homem nos contextos educativos. Essa construção ocorre de maneira gradual e sistemática ao longo dos anos, já que as crianças alunos (as), especialmente aquelas de menos idade, na maioria das vezes, não agem da maneira “naturalizada”, considerada “normal” para seus sexos. As inserções nestes contextos, sejam para práticas ou pesquisas acadêmicas, nos levam a perceber que as crianças, por vezes, contestam as hierarquias de gênero. Em muitos momentos as brincadeiras indicam quebra de regras pouco percebidas e, muitas vezes, pouco aceitas pelos professores. Contudo, entre aquelas de mais idade, percebe-se, em suas representações, que já conhecem claramente quais são os comportamentos aceitos para meninas e meninos. Partimos da hipótese que as instituições educativas assumem papel importante na construção de conceitos androcêntricos, muitas vezes de forma inconsciente. Acreditamos, entretanto, que a instituição escolar pode contribuir para práticas e comportamentos não-sexistas.


Palavras-chave


Relações de gênero; Escola; Professor (a)

Texto completo:

PDF




 

Revista Sociais e Humanas (ISSN online 2317-1758)

Universidade Federal de Santa Maria | Centro de Ciências Sociais e Humanas

Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

E-mail: revistaccsh@gmail.com | Telefone: (55) 32208522


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.