De “Tia-do-Café” à parlamentar: a sub-representação das mulheres negras e a reforma política

Rayane Cristina de Andrade Gomes

Resumo


O presente trabalho discute a participação das mulheres negras na política a partir da interseção entre racismo e sexismo, tendo como objetivo observar qual a posição das mulheres negras na política no Brasil, a partir da análise das ofensas racistas e sexistas dirigidas à senadora Regina Sousa, pelo comediante Danilo Gentili e pela jornalista Joice Hasselman. Procuramos demonstrar ao longo do texto como a articulação entre os sistemas racista, capitalista e sexista atuam sobre as negras, implicando em sua sub-representação nos espaços de Poder. Para tanto, apresentamos os pressupostos do pensamento feminista e do feminismo negro, em especial o método interseccional. Em seguida debatemos a trajetória das mulheres na política brasileira, em especial, das negras, observando como a articulação entre as opressões sobre elas gera uma ausência nesses espaços. Utilizamos o método interseccional para analisar os discursos proferidos pelo referido comediante e jornalista, episódio que ficou conhecido por chamar Regina Sousa de “tia-do-café”, buscando compreender o que suas falas possuem de reveladora sobre a posição ocupada pelas mulheres negras na nossa sociedade e na política. Concluímos que as falas revelam a deslegitimação das parlamentares negras por conta de seu pertencimento racial, social e ideológico. Apontamos também como os movimentos por Reforma Política e em defesa de ações afirmativas na lógica eleitoral atingem esse setor, destacando a necessidade da formulação de uma plataforma que contemple de maneira mais direta a demanda de representação negra e feminina nos variados espaços de poder

Palavras-chave


GÊNERO, FEMINISMO NEGRO, INTERSECCIONALIDADE, POLÍTICA, DIREITOS HUMANOS, REFORMA POLÍTICA, AÇÕES AFIRMATIVAS.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Jerônimo Brasil. Grécia: a caminho da democracia. São Paulo: PUC, 2007. Disponível em:http://www3.pucrs.br/pucrs/files/uni/poa/direito/graduacao/tcc/tcc2/trabalhos2007_2/Jeronimo_Basil.pdf. Acesso em: 12 out. 2016.

ARAÚJO, Neuza de Farias. Diferentes definições de poder e dominação: repercussões na participação política envolvendo as relações de gênero. Diásporas, diversidades, deslocamentos. Florianópolis: UFSC, 2010.

AZEVEDO, Sara Dionizia Rodrigues de. Formação discursiva e discurso em Michel Foucault. Filogenese. UNESP. Marília (SP). v. 6, n. 2, p. 148-162, 2013. Disponível em: http://migre.me/ufcOw. Acesso em: 30 jun. 2016.

BAIRROS, Luiza. Nossos feminismos revisitados. Revista Estudos Feministas. Santa Catarina, UFSC, v. 3, n. 2, p. 458-463, 1995.

BARRETO, Raquel de Andrade. Enegrecendo o feminismo ou feminizando a raça: narrativas de libertação em Angela Davis e Lélia Gonzalez. 2005. 128 f. Dissertação (Mestrado) – Departamento de História, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: http://migre.me/u94GQ. Acesso em: 19 jun. 2016.

BILGE, Sirma. Théorisations féministes de l’intersectionnalité. Diogène, n. 225, janvier-mars 2009, p. 70-88.

BIROLI, Flávia. Representations of the1964’s coup and the dictatorship in the media: meanings and silences in the roles ascribed to press, 1984-2004. Varia História, Minas Gerais, v. 25, n. 41, p. 269-291, 2009.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BOMFIM, Evandro. Mulheres haitianas mantêm tradição libertária do país. Fortaleza: Adital, 2004. Disponível em: http://www.adital.com.br/site/noticia2.asp?lang=PT&cod=11250. Acesso em: 23 out. 16.

BOULOS, Guilherme; GUIMARÃES, Vítor. Resistir ao golpe, reinventar os caminhos da esquerda. In: JINKINGS, Ivana; CLETO, Murilo; DORIA, Kim. Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016.

BRANDÃO, Thadeu de Sousa; COSTA, Jean Henrique. Um olhar sobre a violência homicida em Mossoró/RN/Brasil e sua relação com o turismo de eventos. Revista Turydes: Turismo y Desarrollo, Malaga, n. 18. Jun. 2015. Disponível em: http://migre.me/u6EKe. Acesso em: 14 jun. 2016.

BRASIL. Ministério da Justiça. Levantamento nacional de informações penitenciárias: INFOPEN Mulheres. Brasília (DF): Ministério da Justiça, 2014. Disponível em: http://www.justica.gov.br/noticias/estudo-traca-perfil-dapopulacao-penitenciaria-feminina-no-brasil/relatorio-infopen-mulheres.pdf. Acesso em: 14 jun. 2016.

BRUGGER, Winfried. Proibição ou proteção do discurso do ódio? Algumas observações sobre o direito alemão e o americano. Direito Público, Porto Alegre, ano 4, n.15, p.117-136, jan./mar., 2007.

CABRAL, João Francisco Pereira. As classes sociais no pensamento de Karl Marx. Goiânia: Brasil Escola, 2016. Disponível em: http://brasilescola.uol.com.br/filosofia/as-classes-sociais-no-pensamento-karl-marx.htm. Acesso em: 23 jun. 2016.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A Construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. 339 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. Enegrecer o Feminismo: a Situação da Mulher Negra na América Latina a partir de uma Perspectiva de Gênero. São Paulo: Geledes, 2011. Disponível em: http://www.geledes.org.br/enegrecer-o-feminismo-situacao-damulher-negra-na-america-latina-partir-de-uma-perspectiva-de-genero/#gs.IEQsPb0. Acesso em: 21 out. 2016.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. Mulheres em movimento. Estudos avançados, São Paulo, vol. 17 n. 49, sept./dec. 2003.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. Mulheres negras e poder: um ensaio sobre a ausência. Revista do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2009.

CARVALHO, Layla Daniele Pedreira de. A concretização das desigualdades: disparidades de raça e gênero no acesso a bens e na exclusão digital. In:

MARCONDES, Mariana Mazzini et al. Dossiê mulheres negras: retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil. Brasília: Ipea, 2013.

CHAUI, Marilena. O que é ideologia. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1980. (Coleção Primeiros Passos). Disponível em: http://migre.me/uf9Xo. Acesso em: 23 jun. 2016.

CLETO, Murilo. O triunfo da antipolítica. In: JINKINGS, Ivana; CLETO, Murilo; DORIA, Kim. Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016.

CONCEIÇÃO, Antônio Carlos Lima da. Teorias feministas: da “questão da mulher” ao enfoque de gênero. Revista Brasileira de Sociologia da Emoção - RBSE, João Pessoa, 8(24), 738-757, 2009.

COUTINHO, Lúcia Loner. Antônia sou eu, Antônia é você: identidade de mulheres negras na televisão brasileira. 2010. 189 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

CRENSHAW, Kimberle W. A intersecionalidade na discriminação de raça e gênero. Criola. 2008. Disponível em: http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/09/KimberleCrenshaw.pdf. Acesso em: 23 jun. 2016.

DAVIS, Angela. Mulher, Raça e Classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DAVIS, Angela. Mulheres em movimento. Estudos avançados, São Paulo, v. 17 n. 49, Sept./Dec. 2003.

DEUS, Lia Maria dos Santos de. Mulheres negras e empoderamento. In: O direito achado na rua. Brasília: CEAD; FUB, 2012. v. 5. p. 109 - 112.

DRUMONT, Mary Pimentel. Elementos para uma análise do machismo. Perspectivas: Revista de Ciências Sociais, São Paulo, v. 3, 1980.

DULTRA, Eneida Vinhaes Bello. Participação no Legislativo, democracia e feminismo. In: O direito achado na rua. Brasília: CEAD; FUB, 2012. v. 5. p. 163 - 169.

FAGANELLO, Marco Antonio. Bancada da Bala: uma onda na maré conservadora. In: CRUZ, Sebastião Velasco; KAYSEL, André; CODAS, Gustavo. Direita, volver! O retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2015.

FERNANDES, Thomaz. Licenciada após racismo, vereadora pede prefeito negro para Piracicaba: travesti teve imagem associada a um macaco em foto divulgada na internet. Madalena (PSDB), que trata um câncer, ficará afastada por quase 30 dias. Piracicaba: G1, 2013. Disponível em: http://g1.globo.com/sp/piracicabaregiao/noticia/2013/08/licenciada-apos-racismo-vereadora-pede-prefeito-negro-para-piracicaba.html. Acesso em: 05 nov. 2016.

FERRAZ, Cristiano Lima. Marxismo e teoria das classes sociais. Politeia: Hist. e Soc., Vitória da Conquista, v. 9, n. 1, p. 271-301, 2009. Disponível em: http://migre.me/uf8sq. Acesso em: 23 jun. 2016.

FONTELLA, Leandro Goya; MEDEIROS, Elisabeth Weber. Revolução haitiana: o medo negro assombra a américa. Disc. Scientia. Série: Ciências Humanas, Santa Maria, v. 8, n. 1, p. 59-70, 2007.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2002. Disponível em: . Acesso de: 30 jun. 2016.

FOUGEYROLLAS-SCHWEBEL, Dominique; LÉPINARD, Éléonore; VARIKAS, Eleni. O feminismo no plural: para pensar a diversidade constitutiva das mulheres diversidade constitutiva das mulheres. Estudos Feministas, Florianópolis, 14(3): 819-841, set./dez. 2006.

GIDDENS, Anthony. A Sociologia. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005. Disponível em: http://migre.me/u9CLn. Acesso em: 20 jun. 2016.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GONZALES, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, São Paulo, Anpocs, 1984, p. 223-244.

GONZALES, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 92/ 93, p. 69-82, jan./jun. 1988a.

GONZALES, Lélia. Por um feminismo afrolatinoamericano. Revista Isis Internacional, Santiago, v. 9, p. 133-141, 1988b.

GORENDER, Jacob. O épico e o trágico na história do Haiti. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18, n. 50, p. 295-302, 2004.

HAUSMANN, Ricardo; TYSON, Laura D.; ZAHIDI, Saadia. The Global Gender Gap Report. Geneva: World Economic Forum, 2015. Disponível em: http://goo.gl/8dQrpJ. Acesso em: 14 jun. 2016.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Revista Tempo Social, São Paulo, n. 26, v. 1, 2014. p. 61-73. Disponível em: http://migre.me/u9cka. Acesso em: 19 jun. 2016.

HOOKS, Bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 16. jan./abr., 2015, p. 193-210.

HTUN, Mala. A política de cotas na América Latina. Estudos Feministas, Florianópolis (SC), v. 9, n. 1, p. 225-230, 2001.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo IBGE - Mossoró. Brasília: IBGE, 2016. Disponível em: http://migre.me/u6B3V. Acesso em: 14 jun. 2016.

JOMALINIS, Emília. Espaço pedagógico apresentado na festa dos moradorxs, agricultores e remanescentesdo Quilombo Vargem. Mural Memória das Mulheres Negras, 2014. Disponível em: https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwjJn_z6j4zQAhUDf5AKHSLDBw0QFggbMAA&url=http%3A%2F%2Fwww.pacs.org.

br%2Ffiles%2F2014%2F11%2FMural-Mem%25C3%25B3ria-das-Mulheres Negras.pdf&usg=AFQjCNFpAED1PoRw9cLyyAovKJ6Pmieqg&sig2=GlAvon4hjpHlBkY3ROxZHw. Acesso em: 03 nov. 2016.

KAYSEL, André. Regressando ao Regresso: elementos para uma genealogia das direitas brasileiras. In: CRUZ, Sebastião Velasco; KAYSEL, André; CODAS, Gustavo. Direita, volver! O retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2015.

KLEBA, Maria Elisabeth; WENDAUSEN, Agueda. Empoderamento: processo de fortalecimento dos sujeitos nos espaços de participação social e democratização política. 2009.

LAURETIS, T. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, B. H. Tendências e impasses: o feminismo como crítico da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. Disponível em: http://migre.me/u97GZ. Acesso em: 19 jun. 2016.

LIBENCE, Paula. A Vênus Negra, a “mulata exportação” e o corpo da mulher negra na sociedade do espetáculo. Escrivência, 2013. Disponível em: https://escrevivencia.wordpress.com/2013/01/11/a-venusnegra-a-mulata-exportacao-e-o-corpo-da-mulher-negra-na-sociedade-do-espetaculo/. Acesso em: 05 nov. 2016.

LIMA, Márcia; RIOS, Flavia; FRANÇA, Danilo. Articulando gênero e raça: a participação das mulheres negras no mercado de trabalho (1995-2009). In:

MARCONDES, Mariana Mazzini et al. Dossiê mulheres negras: retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil. Brasília: Ipea, 2013.

LIMA, Rodne de Oliveira. Sujeito e história: sobre o conceito marxista de classes sociais. Mediações Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 10, n.1, p. 125-140, jan./jun. 2005. Disponível em: http://migre.me/uf8Ci. Acesso em: 23 jun. 2016.

LOUREIRO, Maria Rita. Interpretações contemporâneas da representação. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, v. 1, p. 63, 2009.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997. Disponível em: http://migre.me/uaNB5. Acesso em: 22 jun. 2016.

LÖWY, Michael. Da tragédia à farsa: o golpe de 2016 no Brasil. In: Da tragédia à farsa: o golpe de 2016 no Brasil: para entender o impeachment e a crise política no Brasil. JINKINGS, Ivana; CLETO, Murilo; DORIA, Kim. São Paulo: Boitempo, 2016.

MARX, Karl. Crítica da filosofia do direito de Hegel. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2010.

MENEGUELLO, Rachel et al. Mulheres e negros na política: estudo exploratório sobre o desempenho eleitoral em quatro estados brasileiros. Campinas (SP): UNICAMP/CESOP, 2012.

MORRISON, Wayne. Filosofia do Direito: dos gregos ao pós-modernismo. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

YZALÚ. Mulheres Negras. Belo Horizonte (MG): Letras, 2003. Disponível em: https://www.letras.mus.br/yzalu/mulheres-negras/. Acesso em: 12 out. 2016.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do povo negro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

NOGUEIRA, Isildinha Baptista. Significações do corpo negro. 1998. 143 f. Tese (Doutorado) - Departamento de Psicologia, Universidade de São Paulo USP, São Paulo (SP), 2016. Disponível em: https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/significacoes-do-corpo-negro-isildinha-baptista-nogueira-tese.pdf. Acesso em: 12 out. 2016.

NYE, Andrea. Teoria feminista e as filosofias do homem. Rio de Janeiro: Record; Rosa dos Ventos, 1995.

OLÉRIA, Ellen. Antiga Poesia. Intérprete: Ellen Oléria. In: OLÉRIA, Ellen. Ao vivo no Garagem. Brasília (DF): Carne Dura Produções, 2011. 1 CD. Faixa 16.

OLIVEIRA FILHO, Mário Silva; NEVES, Nadja Gleide Sá das; OLIVEIRA FILHO, Renilto Carvalho de. Mulher na antiguidade clássica: sua importância nas esferas jurídico-social das cidades-estado de Atenas e Esparta.

In: ENCONTRO NACIONAL DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA DO GRUPO INSTITUCIONAL DE PESQUISA EM DIREITOS HUMANOS E FUNDAMENTAIS – GPDH, 2., 2011, Ilhéus (BA). Anais... Ilhéus (BA): UESC - Universidade Estadual de Santa Cruz, 2011. Disponível em: http://www.redireito.org/wp-content/uploads/2013/05/4-Artigo_IIENPC_OLIVEIRAFILHO.pdf. Acesso em: 12 out. 2016.

OLIVEIRA, Rúbia Nazari. Do estado moderno ao estado constitucional: algumas considerações. Revista Eletrônica Direito e Política, Itajaí, v. 1, n. 1, 2006.

ONU MUJERES. Norma marco para consolidar la democracia paritária. Parlamento Latinoamericano & Caribeño, 2015. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/consolidardemocracia-paritaria-pma-27-nov-2015.pdf. Acesso em: 19 jun. 2016.

PETRY, Analídia Rodolpho; MEYER, Dagmar Estermann. Transexualidade e heteronormatividade: algumas questões para a pesquisa. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 193-198, 2011.

PINHEIRO, Luana; GONZALEZ, Roberto; FONTOURA, Natália. Expansão dos direitos das trabalhadoras domésticas no Brasil. Brasília: IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2012. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/5694/1/NT_n10_Expansao-direitos-trabalhadorasdomesticas_Disoc_2012-ago.pdf. Acesso em: 14 jun. 2016.

PINSKY, Carla Bassanezi. Estudos de gênero e história social. Estudos feministas, Florianópolis (SC), v. 17, n. 1, p.159-189, 2009.

PINTO, Céli Regina Jardim. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e cultura, Goiânia (GO), v. 11, n. 2, 2008.

PITKIN, Hanna Fenichel. Representation: words, institutions and ideas. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, n. 67, p. 15-47, 2006.

PORTAL DO JUDICIÁRIO. Quase 13 mil processos sobre violência contra a mulher tramitam no judiciário potiguar. Natal (RN): Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, 2015. Disponível em: http://www.tjrn.jus.br/index.php/comunicacao/noticias/9756-quase-13-mil-processos-sobre-violencia-contra-a-mulhertramitam-no-judiciario-potiguar. Acesso em: 14 jun. 2016.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013. Disponível em: http://migre.me/u6XZi. Acesso em: 14 jun. 2016.

QUINTAS, Fátima. Mulher negra: preconceito, sexualidade e imaginário. Recife (PE): INPSO- Instituto de Pesquisas Sociais; FUNDAJ - Fundacao Joaquim Nabuco, 1995. (Colección INPSO). Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/Brasil/dipes-fundaj/20121203110837/quintas.pdf. Acesso em: 24 out. 2016.

RANGEL, Patrícia Existe democracia sem as mulheres? Uma reflexão sobre a função e o apoio às ações afirmativas na política. Revista do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2009.

RODRIGUES, Lucas De Oliveira. Skinheads. Goiânia: Brasil Escola, 2016. Disponível em: http://brasilescola.uol.com.br/sociologia/skinheads.htm. Acesso em: 05 nov. 201




DOI: https://doi.org/10.5902/2317175827893



 

Revista Sociais e Humanas (ISSN online 2317-1758)

Universidade Federal de Santa Maria | Centro de Ciências Sociais e Humanas

Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

E-mail: revistaccsh@gmail.com | Telefone: (55) 32208522


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.