O ACOLHIMENTO - UM RELATO DE EXPERIENCIA

Diana Coeli Paes Moraes, Katia Marly Leite Mendonça, Alcindo Antonio Ferla

Resumo


Neste artigo destacam-se duas experiências com base na questão do Acolhimento da Atenção à Saúde dentro da Política Nacional de Humanização do SUS – PNH. Uma das experiências relata uma visita a um determinado centro de saúde pública do Pará para conhecer o seu Serviço de Acolhimento; a outra é a discussão numa Roda de Conversa com relação à questão do acolhimento experimentado nessa visita somado, ocasionalmente, a uma reclamação de uma médica perita. A atenção em saúde de forma humanizada refere-se à possibilidade de assumir uma postura ética de respeito ao outro, de acolhimento do desconhecido e de reconhecimento dos seus limites, dirimindo as desigualdades sociais, resgatando a dignidade humana, transformando os serviços de saúde e oferecendo qualidade pela sua rede de saúde. Enfim, o processo da atenção humanizada pelo sistema de saúde pública deve ser definitivamente instalado, com atendimento integrado da rede; a formação dos profissionais envolvidos deve estar vinculada às necessidades sociais e aos serviços do sistema público; o atendimento ao indivíduo deve ser feito de forma humanizada, acolhendo e cuidando do corpo, condição de vida e a subjetividade da pessoa. Como base teórica, utilizam-se documentos e legislações do Ministério da Saúde – MS, os escritos e debates de Foucault (1987; 1988; 1998) sobre as questões do biopoder, os estudos de Mendonça (2009) sobre a violência e os estudos de Ferla (2007; 2008).


Palavras-chave


Acolhimento

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/2317175814777



 

Revista Sociais e Humanas (ISSN online 2317-1758)

Universidade Federal de Santa Maria | Centro de Ciências Sociais e Humanas

Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

E-mail: revistaccsh@gmail.com | Telefone: (55) 32208522


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.