CULTURA DE PÓS-GUERRA: O ASPECTO NUCLEAR E SUA NEGAÇÃO

Charles Sidarta Machado Domingos

Resumo


Este artigo aborda a "cultura de pós-guerra", conceito cunhado para dar conta de aspectos em certa medida esquecidos pela História. Analisar o período da Guerra Fria através do conceito de “cultura de pós-guerra” permite proporcionar uma melhor dimensão da sensibilidade social do período. Partindo das controvérsias a respeito da Guerra Fria, pretendemos evidenciar de que maneiras o conceito de “cultura de pós-guerra” se torna útil para os estudos do período, articulando o aspecto nuclear da Guerra Fria com sua negação e tendo como ponto importante o ano de 1968. Além disso, procuramos destacar o medo do fim da espécie humana como elemento indispensável para a articulação do conceito, através do uso da noção de exterminismo de E. P. Thompson. Por fim, procuramos demonstrar como a História da Cultura opera de forma pertinente para uma melhor compreensão do fenômeno da Guerra Fria.


Palavras-chave


cultura de pós-guerra; 1968; armas nucleares

Texto completo:

PDF




 

Revista Sociais e Humanas (ISSN online 2317-1758)

Universidade Federal de Santa Maria | Centro de Ciências Sociais e Humanas

Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

E-mail: revistaccsh@gmail.com | Telefone: (55) 32208522


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.