ESTRATÉGIAS SEMIOLÓGICAS DO DISCURSO PÓS-FUSÃO ORGANIZACIONAL: O CASO ITAÚ E UNIBANCO

Patrícia Milano Pérsigo, Maria Ivete Trevisan Fossá

Resumo


Este artigo estuda as estratégias semiológicas utilizadas no discurso de organizações pós processo de fusão. A atualidade é moldada cada vez mais por transformações frequentes seja no cenário político, econômico, cultural ou social. Nesse contexto, as organizações adotam diversificadas estratégias a fim de conquistar e manter seu espaço em um mercado onde a competitividade é um imperativo constante. Neste artigo abordamos a fusão organizacional, a qual uniu duas empresas do setor bancário brasileiro: Itaú e Unibanco. Frente a esta mudança organizacional entendemos que a comunicação apresenta-se estratégica, uma vez que busca articular os discursos destas corporações, estabelecer relacionamentos e ainda esclarecer o processo ocorrido para com os vários públicos envolvidos. Através da análise semiológica de um encarte veiculado no Jornal Zero Hora do dia 3 de março de 2009 constatou-se que a presença do Itaú se sobrepõe à do Unibanco apresentando-se desde as cores, os personagens e os dados numéricos utilizados. Assim, fica evidente a importância do discurso organizacional, principalmente após processos de fusão, já que este encerra em si um potencial estratégico de produção de sentidos além de seu conteúdo expresso. 


Palavras-chave


Fusão organizacional; análise semiológica; comunicação organizacional

Texto completo:

PDF




 

Revista Sociais e Humanas (ISSN online 2317-1758)

Universidade Federal de Santa Maria | Centro de Ciências Sociais e Humanas

Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

E-mail: revistaccsh@gmail.com | Telefone: (55) 32208522


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.