ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE DIABÉTICOS QUE UTILIZAM INSULINAS CONVENCIONAIS VERSUS INSULINAS ANÁLOGAS

Luísa Scheer Ely, Letícia Hanauer, Carolina Scheer Ely, Daniéli Gerhardt, Marinês Pérsigo Morais Rigo

Resumo


A Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônica, não transmissível que exige controle, mudanças de hábitos, rotinas e, principalmente, tratamento adequado. O tratamento pode carecer do uso de insulina exógena, estas podem ser convencionais ou análogas. Objetivo: Avaliar a qualidade de vida de diabéticos que utilizam insulinas convencionais versus insulinas análogas. Metodologia: Estudo observacional transversal. Amostra de 30 pacientes maiores de 18 anos, ambos os sexos, portadores de Diabetes mellitus 1 e 2 (DM1 e DM2) que utilizam insulinas no tratamento. Aplicou-se um questionário com 12 questões objetivas sobre o paciente, sua doença e seus conhecimentos acerca desta, além do instrumento DQOL-Brasil (Diabetes Quality of Life Measures) contendo 25 questões dividas em 3 domínios: satisfação, impacto e preocupações. Resultado: Os participantes eram de ambos sexos, sendo que 53,3% do sexo feminino e 46,7 % do sexo masculino. Frente ao tipo de DM, 23,3% apresenta tipo 1 e 76,7% tipo 2, sendo a média de tempo de diagnóstico de ±12 anos. A qualidade de vida foi avaliada no quesito de 1 a 5, quanto mais próximo de 1 melhor a qualidade de vida.  Pacientes que utilizam insulinas convencionais tiveram um escore médio de 2,55 no domínio satisfação, 2,50 em impacto e 2,88 em preocupações. Já os pacientes que utilizam insulinas análogas tiveram um escore médio de 2,20 do domínio satisfação, 2,07 em impacto e 2,0 em preocupações. Conclusão: Apesar de não ser estatisticamente significativo, conclui-se que há diferença na qualidade de vida de pacientes que utilizam insulinas convencionais versus análogas, em todos os domínios (satisfação, impacto e preocupações) do DQOL. Tal fato demonstra a necessidade das insulinas análogas estarem disponíveis com mais facilidade no Sistema Único de Saúde (SUS), para pacientes que demonstram baixa resposta as insulinas convencionais e baixa adesão ao tratamento.

 


Palavras-chave


Diabetes Mellitus; Qualidade de vida; Insulina

Texto completo:

PDF PDF

Referências


Vos T, Allen C, Arora M, Barber RM, Brown A, Carter A, et al. Global, regional, and national incidence, prevalence, and years lived with disability for 310 diseases and injuries, 1990–2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015. Lancet. 2016;388(10053):1545–602.

Han N, Kirigia J, Claude J, Ogurstova K, Guariguata L, Rathmann W, et al. Diabetes Atlas de la FID [Internet]. International Diabetes Federation. 2017.

Re- P. Classification and diagnosis of diabetes. Diabetes Care. 2017;40(January):S11–24.

Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD). Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. São Paulo: SBD; 2017-2018. Disponível em: < https://www.diabetes.org.br/profissionais/images/2017/diretrizes/diretrizes-sbd-2017-2018.pdf>

Faria HTG, Veras VS, da Franca Xavier AT, de Souza Teixeira CR, Zanetti ML, Santos MA. Qualidade de vida de pacientes com diabetes mellitus antes e após participação em programa educativo. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2013, 47(2), 348-354.

Corrêa K, Gouvêa GR, Silva MAV, Possobon RF, Barbosa LN, Pereira AC, et al. Qualidade de vida e características dos pacientes diabéticos. Cien Saude Colet [Internet]. 2017;22(3):921–30.

Schmid H. Novas opções na terapia insulínica. J. Pediatr. (Rio J.) [Internet]. 2007, Nov 83(5): S146-S154.

Cursio R, Lima MHM, Alexandre NMC. Instrumentos relacionados ao diabetes mellitus adaptados e validados para a cultura brasileira. Rev Eletrônica Enferm [internet]. 2011

Correr CJ, Pantarolo R, Melchiors AC, Rossignoli P, Llimós FF, Radominski RB. Tradução para o português e validação do instrumento Diabetes Quality of Life Measure (DQOL-Brasil). Arq Bras Endocrinol Metabol 2008; 52(3):515-522.

Paranhos R, Figueiredo Filho DB, Rocha EC da, Silva Júnior JA Da, Neves JAB, Santos MLWD. Desvendando os Mistérios do Coeficiente de Correlação de Pearson: o Retorno. Leviathan (São Paulo). 2014;18(8):66.

Salomé GM, Blanes L, Ferreira LM. Assessment of depressive symptoms in people with diabetes mellitus and foot ulcers. Rev Col Bras Cir. 2011; 38(5):327-33

Iser BPM, Stopa SR, Chieiri PS, Szwarcwald CL, Malta DC, Monteiro HOC, Duncan BB, Schmidt MI. Prevalência de diabetes autorreferido no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol. Serv. Saúde. 2015; 24(2):305-14.

Mohr F, Pretto LM, Fontela PC, Winkelmann ER. Fatores de risco cardiovascular: comparação entre os gêneros em indivíduos com diabetes mellitus tipo 2. Rev Contexto Saúde 2011; 10(20):267-272.

Herman WH, Zimmet P. Type 2 Diabetes: an epidemic requiring global attention and urgent action. Diabetes Care. 2012;35(5):943-44.

Lima LM, Schwartz E, Muniz RM, Zillmer JGV, Ludtke I. Perfil dos usuários do hiperdia de três unidades básicas de saúde do sul do Brasil. Rev Gaúch Enferm. 2011;32(2):323-9.

Viana MR, Rodriguez TT. Complicações cardiovasculares e renais no diabetes mellitus. R. Ci. med. biol., Salvador, 2011; 10(3):290-96.

Hypertension in Diabetes Study Group. HDS 1: Prevalence of hypertension in newly presenting type 2 diabetic patients and association with risc factors for cardiovascular and diabetic complications. Journal of Hypertension, 1993; 11(3):309-17.

Souza LJ, Chalita FEB, Reis AFF, Teixeira CL, Gicovate Neto C, Bastos DA, et al. Prevalence of diabetes mellitus and risk factors in Campos dos Goytacazes, RJ. Arq Bras Endocrinol Metab 2003; 47(1): 69-74.

Araujo Filho ACA de, Almeida PD, Araujo AKL de, Sales IMM, Araújo TME de, Rocha SS da. Perfil epidemiológico do diabetes mellitus em um estado do nordeste brasileiro Epidemiological profile of Diabetes Mellitus in a northeastern brazilian state. Rev Pesqui Cuid é Fundam Online. 2017;9(3):641.

Faria HTG, Rodrigues FF, Zanetti ML, Araújo MF, Damasceno MM. Fatores associados à adesão ao tratamento de pacientes com diabetes mellitus. Acta Paul Enferm 2013; 26(3):231-237.

Liao D, Asberry PJ, Shofer JB. Improvement of BMI, body composition, and body fat distribution with lifestyle modification in Japonese Americans with impaired glicose tolerance. Diabetes Care 2002; 25(9):1504-1510.

Rodrigues YM, Ferreira RM, Machado AM, Fialho SM, Vargas AMP, et al. Avaliação do uso de insulina glargina em atendidos pela farmácia de medicamentos excepcionais de Viçosa-MG 2013;5:253–8.

Diaz N, Basso P, Haluch RF, Ravazzani AC, Kusma SZ. O Impacto Do Diabetes Mellitus Tipo 2 Na Qualidade De Vida. Rev Médica da UFPR. 2016;3(1):5–12.

Carvalho, DCD. Custo-utilidade da insulina glargina e insulina isófana (NPH) para o tratamento de pacientes com diabetes mellitus tipo 2 atendidos no Sistema Único de Saúde do Município de Recife (Master's thesis, Universidade Federal de Pernambuco), 2014.

Maia FR, Melo FJ, Araújo IM, Araújo LR. Substituição da insulina NPH por insulina glargina em uma coorte de pacientes diabéticos: estudo observacional. Arq Bras Endocrinol Metab [Internet]. 2007 Abr; 51( 3 ): 426-430.

Becker RH, et al. Insulin glulisine, a new rapid-acting insulin analogue, displays a rapid time-action profile in obese non-diabetic subjects. Exp Clin Endocrinol Diabetes. 2005; 113 (8): 435-43.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583463905

Direitos autorais 2021 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.