Ações educativas de enfermagem às pessoas com estoma intestinal de eliminação: revisão narrativa

Angélica Dalmolin, Eduardo da Silva Gomes, Larissa de Carli Coppetti, Bruna Sodré Simon, Evelyn Boeck dos Santos, Nara Marielene Oliveira Girardon-Perlini

Resumo


Os estomas intestinais de eliminação possibilitam desviar os efluentes fecais, por meio de um orifício na parede abdominal, o qual culmina na necessidade aderir uma bolsa coletora ao abdômen, o que pode gerar sentimentos conflituosos. As ações educativas de enfermagem, nesse contexto, visam, sobretudo, desenvolver as melhores estratégias para capacitar a pessoa com estoma para o autocuidado e o reconhecimento de possíveis complicações. O objetivo é identificar na literatura científica as ações de educação em saúde realizadas pela enfermagem no cuidado às pessoas com estoma intestinal de eliminação. Trata-se de uma revisão narrativa, realizada em janeiro de 2020, via Biblioteca Virtual em Saúde, a partir da estratégia: estomia OR ostomia OR estoma OR ostoma OR “estomas cirúrgicos” AND “educação em saúde”. A busca inicial resultou na localização de 50 estudos, após leitura dos títulos e resumos e considerando os critérios de inclusão e exclusão o corpus de análise foi constituído por 13 artigos. Os resultados evidenciam a utilização de tecnologias educacionais, a conformação de grupos de apoio, as intervenções e as consultas de enfermagem como ações educativas desenvolvidas pela enfermagem, em especial no nível terciário, sendo a educação em saúde um instrumento facilitador para o cuidado, com vistas a favorecer a autonomia e independência da pessoa com estoma.


Palavras-chave


Estomia; Estomas Cirúrgicos; Educação em saúde; Enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


Rocha JJR. Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 2011;44(1):51-6. DOI: 10.11606/issn.2176-7262.v44i1p51-56

Almeida EJ, Silva AL. Caracterização do perfil epidemiológico dos estomizados em hospitais da Secretaria do Estado de Saúde do Distrito Federal. ESTIMA. 2015;3(1):11-6.

Marques ADB, Amorim RF, Landim FLP, Moreira TMM, Branco JGO, Morais PB, et al. Body consciousness of people with intestinal stomach: A phenomenological study. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018;71(2):391-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0666.

Lenza NFB, Buetto LS, Vieira FS, Oliveira MS, Teles AAS, Sonobe HM. Necessidades do estomizado intestinal em seguimento oncológico: revisão integrativa. Rev enferm UFPE on line. 2015; 9(6):8715-24.

Sousa ARA, Menezes LCG, Miranda SM, Cavalcante TB.2017. Estratégias educativas para pessoas com estomia intestinal: revisão integrativa. Rev. Enferm. Atual In Derme. 2017;81(19).

Gomes B, Martins SS. A Pessoa Estomizada: análise das práticas educativas de enfermagem. ESTIMA. 2016; 14(3):146-53.

Freire DA, Angelim RCM, Souza NR, Brandão BMGM, KMS Torres, Serrano SQ. Autoimagem e autocuidado na vivência de paciente estomizados: o olhar da enfermagem. Rev Min Enferm. 2017;21:e-1019.

Maurício VC, Souza NVDO, Costa CCP, Dias MO. A visão dos enfermeiros sobre as práticas educativas direcionadas as pessoas estomizadas. Esc Anna Nery. 2017;21(4):e20170003. DOI: 10.1590/2177-9465-EAN-2017-0003.

Silva LD, Beck CLC, Dissen MC, Tavares JP, Budó MLD, Silva HS. O enfermeiro e a educação em saúde: um estudo bibliográfico. Revista de Enfermagem da UFSM. 2012; 2(2):412-419.

Brum CN, Zuge SS, Rangel RF, Freitas HMB, Pieszak GM. Metodologias da pesquisa para a enfermagem e saúde. 1ª edição. Porto Alegre: Moriá, 2015.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 58ª edição. São Paulo: Paz & Terra, 1997.

Demo P. Pesquisa: princípio científico e educativo. 12ª edição. São Paulo: Cortez, 2006.

Teixeira MLO, Ferreira MA. Cuidado compartilhado: uma perspectiva de cuidar do idoso fundamentada na educação em saúde. Texto Contexto Enferm. 2009; 18(4): 750-8.

Peterson NA. Empowerment Theory: Clarifying the Nature of Higher‐Order Multidimensional Constructs. Am J Community Psychol. 2014; 53(96):96-108.

Dias SM, Gonçalves FG. Percepções de familiares com criança estomizada sobre grupo de apoio. ESTIMA. 2015; 13(2).

Teles LMR, Oliveira AS, Campos FC, Lima TM, Costa CC, Gomes LFS et al. Construção e validação de manual educativo para acompanhantes durante a o trabalho de parto e parto. Rev Esc de Enferm da USP. 2014; 48(6): 977-84.

Barba PD, Bittencourt VLL, Kolankiewicz ACB, Loro MM. Demandas de cuidado de pacientes oncológicos estomizados assistidos na atenção primária à saúde. Rev enferm UFPE on line. 2017; 11(8):3122-3129.

Silva J, Sonobe HM, Buetto LS, Santos MG, Lima MS, Sasaki VDM. Estratégias de ensino para o autocuidado de estomizados intestinais. Rev Rene. 2014; 15(1):166-73.

Vasconcellos FM, Xavier ZDM. O enfermeiro na assistência do cliente colostomizado baseado na teoria de Orem. Revista Recien. 2015; 5(14):25-37.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583443195

Direitos autorais 2020 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.