Diagnóstico do uso de agrotóxicos no município de Nossa Senhora da Glória, Sergipe

Jéssica Lavinea Aragão Mota, Evandro Oliveira de Jesus, Nailson Lima Santos Lemos, Pedro Leandro Dantas Pereira

Resumo


A utilização de agrotóxicos com a finalidade de controlar pragas e doenças tem trazido consequências negativas para a saúde dos trabalhadores rurais e ao meio ambiente. Diante disso, o projeto teve como objetivo avaliar o nível de escolaridade e compreender o grau de percepção dos trabalhadores rurais quanto ao uso de agrotóxicos no município de Nossa Senhora da Glória-SE. A pesquisa foi realizada na zona rural do município, com a participação voluntária de 40 trabalhadores, através de um questionário estruturado. Assim, 60% dos entrevistados tem a faixa etária de 46 a 65 anos, 72,5% tem o ensino fundamental incompleto, 95% dos trabalhadores rurais não usam Equipamento de Proteção Individual e 70% não associam alguns sintomas de intoxicação ao uso de agrotóxicos. Desse modo percebe-se que a percepção de risco dos trabalhadores é baixa, associado ao baixo nível de escolaridade, sendo necessário uma ação de conscientização sobre o uso de agrotóxicos.


Palavras-chave


Equipamentos de Proteção Individual; nível de escolaridade; percepção de riscos.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO A.J. et al. Exposição múltipla a agrotóxicos e efeitos à saúde: estudo transversal em amostra de 102 trabalhadores rurais, Nova Friburgo, RJ. Ciência & Saúde Coletiva [online],12(1):115-130, 2007.

BARBOSA, F. R. et. al. Uso de inseticidas alternativos no controle de pragas agrícolas. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Petrolina: EMBRAPA Semi-Árido. Documentos, 191, p. 50. 2006. Disponível em: < http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CPATSA/33455/1/SDC191.pdf> Acesso em setembro de 2019.

BRASIL. Lei nº 7.802, de 11 de julho de 1989. Dispõe sobre a pesquisa, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências. In: Legislação federal de agrotóxicos e afins. Brasília (DF): Ministério da Agricultura e do Abastecimento; 1998. p. 7-13.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, Diário Oficial da União, 12 dez. 2012.

CASTOR, A.B.C. Uso de agrotóxicos e o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado. 2016. 87 f. Dissertação (Bacharel em Direito) – Departamento de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2016.

CASTRO, C. N. de. Desafios da agricultura familiar: o caso da assistência técnica e extensão rural. Instituto de Pesquisa Economia Aplicada. Boletim regional, urbano e ambiental, v. 12, jul./dez. 2015.

CORCINO, C. O. et. al. Avaliação do efeito do uso de agrotóxicos sobre a saúde de trabalhadores rurais da fruticultura irrigada. Ciência & Saúde Coletiva, v.24, n. 8, p. 3117-3128, 2019.

GOMES, M. A. F.; BARIZON, R. R. M. Panorama da contaminação ambiental por agrotóxicos e nitrato de origem agrícola no brasil: cenário 1992/2011. Embrapa Meio Ambiente, Jaguariúna, SP, 2014.

GRISOLA, C. K. Agrotóxicos: mutações, câncer e reprodução. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 392p. 2005.

LONDRES, F. Agrotóxicos no Brasil: um guia para ação em defesa da vida. Rio de Janeiro: AS-PTA, 2011. 190p. 2011.

MARQUES, C. R.G.; NEVES, P. M. O. J.; VENTURA, M. U. Diagnóstico do conhecimento de informações básicas para o uso de agrotóxicos por produtores de hortaliças da Região de Londrina. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 31, n. 3, p. 547-556, jul./set. 2010.

PERES, F. Onde mora o perigo?: O processo de construção de uma metodologia de diagnóstico rápido de percepção de riscos no trabalho rural. 2003. 134 f. Tese (Doutorado) Programa de Pós-Graduação em saúde coletiva UNICAMP, 2003. Disponível em: Acesso: agosto de 2019.

PIGNATI, W. A.; et. al. Distribuição espacial do uso de agrotóxicos no Brasil: uma ferramenta para a Vigilância em Saúde. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 10, p. 3281-3923, 2017.

RECENA, M. C. P.; CALDAS, E. D. Percepção de risco, atitudes e práticas no uso de agrotóxicos entre agricultores de Cuturama, MS. Revista de Saúde Pública, v.42, n.2, 2008.

SILVA, J. M.; et. al. Agrotóxico e trabalho: uma combinação perigosa para a saúde do trabalhador rural. Ciência Saúde Coletiva, v. 10, n. 4, p. 891-901, out./ dez. 2005.

SOARES, D. F.; FARIA, A. M.; ROSA, A. H. Análise de risco de contaminação de águas subterrâneas por resíduos de agrotóxicos no município de Campo Novo do Parecis (MT), Brasil. Engenharia Sanitária Ambiental, v.22, n.2. 2017.

VASCONCELOS, M. V.; FREITAS, C. F.; SILVEIRA, C. A. Caracterização do uso de agrotóxicos entre trabalhadores rurais. Revista Saúde (Santa Maria), Santa Maria, v.40, n. 2, jul./dez., p.87-96, 2014.

VASCONCELOS, Y. Agrotóxicos na berlinda. Pesquisa FAPESP, 271, 2018. Disponível em: . Acesso em setembro de 2019.

VEIGA, M. M. Agrotóxicos: eficiência econômica e injustiça socioambiental. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 145-152, 2007.

VIERO, C. M. et. al. Sociedade de risco: o uso de agrotóxicos e implicações na saúde do trabalhador rural. Escola Anna Nery, v. 20, n.1, p. 99-105, jan./mar. 2016.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583440669

Direitos autorais 2020 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.