Sugestões de melhorias na prestação da atenção fisioterapêutica ofertada no contexto público municipal: revisão integrativa da literatura

Xavéle Braatz Petermann, Fernanda Alves Carvalho de Miranda, Eliete dos Reis Lehnhart

Resumo


Este estudo tem como objetivo propor sugestões de melhorias na prestação dos serviços da atenção fisioterapêutica ofertada no contexto público municipal. Caracteriza-se como uma revisão integrativa da literatura. A busca bibliográfica foi realizada em fevereiro de 2019 na base de dados LILACS, Scielo, MEDLINE e Google Scholar nos idiomas inglês, português e espanhol nos últimos dez anos (2008-2018). Os termos utilizados para a busca dos estudos foram: “satisfação dos usuários” e “fisioterapia”. Foram encontrados 502 estudos nas bases de dados, ao se aplicarem os critérios de elegibilidade, sete artigos foram selecionados para análise. Os dados obtidos foram explorados por meio da análise descritiva. A partir das barreiras identificadas nos estudos - distância geográfica do serviço de fisioterapia, a burocracia para agendamento, a disponibilidade de vagas, o número insuficiente de profissionais, o usuário desconhecer o nome do terapeuta e não receber informações sobre sua saúde - propõe-se como sugestões de melhorais na prestação dos serviços de atenção fisioterapêutica ofertada no contexto público municipal: fortalecer a atuação da fisioterapia na Atenção Primária à Saúde, promover a humanização do cuidado em saúde e instituir um protocolo de avaliação fisioterapêutica. Os achados revelam que a avaliação da satisfação dos usuários pode ser considerada como um dispositivo potencial de gestão e planejamento para a qualificação do atendimento de fisioterapia no contexto público municipal de acordo com as necessidades de saúde da população.


Palavras-chave


Sistema Único de Saúde; Satisfação do usuário; Fisioterapia; Avaliação em saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da saúde. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. [acesso em 2019 mar 12]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. [acesso em 2019 mar 12]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Brasil. Ministério da saúde. Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. [acesso em 2019 mar 12]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/legislacao/lei8142_281290.htm

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). [acesso em 2019 mar 12]. Disponível em: http://www.foa.unesp.br/home/pos/ppgops/portaria-n-2436.pdf

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011.

Albuquerque C, Mônica M. Indicadores de desempenho no Sistema Único de Saúde: uma avaliação dos avanços e lacunas. Saúde debate. 2017; 41: 118-137.

Flôres GMS, Weigelt LD, Rezende MS, Telles R, Krug SBF. Gestão pública no SUS: considerações acerca do PMAQ-AB. Saúde Debate. 2018; 42(116): 237-247.

Oliveira AE, Regimaria SR. Gestão pública em saúde: os desafios da avaliação em saúde. São Luís: EDUFMA; 2016.

Esperidião MA, Trad LAB. Avaliação de satisfação de usuários: considerações teórico-conceituais. Cad. Saúde Pública. 2006; 22(6): 1267-1276.

Carvalho VL, Cavalcante DM, Santos LPD, Pereira MD. Satisfação dos pacientes atendidos no estágio curricular de Fisioterapia na comunidade. Fisioter. Pesqui. 2013; 20(4): 330-335.

Silva MA, Santos MLM, Bonilha LAS. Fisioterapia ambulatorial na rede pública de saúde de Campo Grande (MS, Brasil) na percepção dos usuários: resolutividade e barreiras. Interface. 2014; 18(48): 75-86.

Silveira RCCP. O cuidado de enfermagem e o cateter de Hickman: a busca de evidências [dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto; 2005.

Melnyk BM, Fineout-Overholt E. Making the case for evidence-based practice. In: Melnyk BM, Fineout-Overholt E. Evidence-based practice in nursing & healthcare. A guide to best practice. Philadelphia: Lippincot Williams & Wilkins; 2005.

Reis E. Estatística descritiva. 4 ed. Lisboa: Silabo; 1998

Brito TA, Jesus CS, Fernandes MH. Fatores associados à satisfação dos usuários em serviços de Fisioterapia. Rev. baiana saúde pública. 2012; 36(2): 514-526.

Gonçalves JR, Veras FEL, Matos ACM, Lima ISA. Avaliação da satisfação dos pacientes submetidos à intervenção fisioterapêutica no município de Campo Maior, PI. Fisioter. Mov. 2011; 24(1): 47-56.

Frez AR, Nobre MIRS. Satisfação dos usuários dos serviços ambulatoriais de Fisioterapia da rede pública. Fisioter. Mov. 2011; 24(3): 419-28.

Machado NP, Nogueira LT. Avaliação da satisfação dos usuários de serviços de Fisioterapia. Braz J Phys Ther. 2008; 12(5): 401-8.

Costa-Júnior FM, Couto MT, Maia ACB. Gênero e cuidados em saúde: Concepções de profissionais que atuam no contexto ambulatorial e hospitalar. Sexualidad, Salud y Sociedad. 2016; 23(1): 97-117.

Carvalho SPS et al. Doenças crônicas não transmissíveis e fatores associados em adultos numa área urbana de pobreza do Nordeste Brasileiro. Cien Saude Colet; 2018; 54: 1-7.

Petermann, XB et al. Epidemiologia e cuidado à Diabetes Mellitus praticado na Atenção Primária à Saúde: uma revisão narrativa. Saúde (Santa Maria). 2015; 41(1): 49-56.

Datasus. Mortalidade - Brasil - dados preliminares. Período 2017 [internet]. [acesso em 2019 mar 22]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sim/cnv/pobt10uf.def

Brasil. Ministério da Economia. Saúde do trabalhador [internet]. [acesso em 2019 mar 12]. Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/2018/03/saude-do-trabalhador-dor-nas-costas-foi-doenca-que-maisafastou-trabalhadores-em-2017/

Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2016; 19(3): 507-519.

Tavares LRC, Costa JLR, Oishi J, Driusso P. Distribuição territorial de fisioterapeutas no Brasil: análise do cadastro nacional de estabelecimentos de saúde CNES/2010. ConScientiae Saúde. 2016; 15(1):53-61.

Bispo Júnior JP. Fisioterapia e Saúde Coletiva: desafios e novas responsabilidades profissionais. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2010; 15(supl.1): 1627-1636.

Ferrer MLP, Silva AS, Silva JRK, Padula RS. Microrregulação do acesso à rede de atenção em fisioterapia: estratégias para a melhoria do fluxo de atendimento em um serviço de atenção secundária. Fisioter Pesqui. 2015; 22(3): 223-30.

Ministério da Saúde (BR). Núcleo de Apoio à Saúde da Família / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização (PNH): documento base para gestores e trabalhadores do SUS. [acesso em 2019 mar 12]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_documento_gestores_trabalhadores_sus.pdf

Silva ID, Silveira MFA. A humanização e a formação do profissional em fisioterapia. Ciênc. saúde coletiva. 2011; 16(supl.1): 1535-1546.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583438368

Direitos autorais 2019 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.