Perfil físico funcional de indivíduos atendidos em um centro de atenção psicossocial: importância da inserção fisioterapêutica

Luana Carvalho, Polliana Radtke dos Santos, Angela Cristina Ferreira da Silva, Éboni Marília Reuter

Resumo


Introdução: Em geral, indivíduos com transtornos mentais apresentam dificuldade no autocuidado, o que pode levar ao aparecimento ou agravamento de outras morbidades. Objetivo: Identificar evidências da importância da atuação fisioterapêutica na atenção de indivíduos com transtornos mentais, através de alterações físico-funcionais em participantes de oficinas ofertadas por um Centro de Atenção Psicossocial. Métodos: Estudo quantitativo transversal avaliou 15 sujeitos. Foram realizados os seguintes testes: Teste de Sentar e Alcançar, dinamometria de preensão palmar, Escala Visual Analógica, Teste de Romberg, Timed Up and Go, index-index, index-nariz, index-nariz-dedo, joelho-calcanhar e goniometria. As análises das variáveis de alterações físico funcionais foram realizadas em mediana e intervalo interquartil para dados contínuos e frequência absoluta para dados categóricos. Resultados: Na avaliação da flexibilidade, as categorias encontradas foram ‘precisa melhorar’ (n = doze) e ‘regular’ (n = três).  Oito participantes relataram dores corporais. No equilíbrio estático, dois terços dos sujeitos apresentaram oscilações durante a manobra, enquanto no equilíbrio dinâmico um participante apresentou resultado que indica necessidade de intervenção. Para coordenação motora, pelo menos dois terços dos sujeitos apresentaram positivação no teste e na goniometria metade dos sujeitos apresentaram alguma redução de amplitude de movimentos. Conclusão: Considerando as alterações físico funcionais, especialmente de flexibilidade, equilíbrio e coordenação motora, fica evidente a importância da inclusão do fisioterapeuta em serviços que atendem sujeitos com transtornos mentais.


Palavras-chave


Transtornos mentais; Serviços de Saúde Mental; Fisioterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


Quadros LCM, Laura HC, Quevedo LA, Gigante DP. Efeitos da mobilidade social na saúde mental de adultos: uma revisão sistemática da literatura. Cien Saude Colet. 2016;21(2):443. DOI: 10.1590/1413-81232015212.17942014

Branquinho JS, Gomes FA, Silva RP, Leite MMA, Candido ALS, Lima LA, et al. Doenças crônicas em pacientes com transtornos mentais. Gestão e Saude. 2014;5:2458-2464.

Ruo B, Baker DW, Thonpson JA, Murray PK, Huber GM, Sudano Jr JJ. Patients with worse mental health report more physical limitations after adjustment for physical performance. Psychosom Med. 2008;70(4):417-421. DOI: 10.1097/PSY.0b013e31816f858d

Pauli K, Campos R. A inserção do fisioterapeuta na equipe multiprofissional do centro de atenção psicossocial. Fisiot Saude Func. 2016;5(1):14-22.

Australian Physiotherapy Association. Position statement of mental health and physiotherapy [Internet]. 2016. Available from httpwww.physiotherapy.asn.au

Probst M. Physiotherapy and Mental Health. In: Clinical Physical Therapy. InTech, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.5772/67595

GOLDIM JN. Manual de iniciação à pesquisa em saúde. 2a ed. rev e ampl Porto Alegre: Decasa; 2000.

Bertolla F, Baroni BM, Leal Junior ECP, Oltramari JD. Efeito de um programa de treinamento utilizando o método Pilates® na flexibilidade de atletas juvenis de futsal. Rev Bras Med Esporte. 2007;13(4):222-6.

Heyward VH. Avaliação física e prescrição de exercício. 6. ed. Porto Alegre: Artmed; 2013.

Dias JA, Ovando AC, Külkamp W, Junior NGB. Força de preensão palmar: métodos de avaliação e fatores que influenciam a medida. Rev Bras Cineantropom. Desempenho Hum. 2010;12(3):209-16.

Bechara FT, Santos SMS. Efetividade de um programa fisioterapêutico para treino de equilíbrio em idosos. Rev Saude Pesq. 2008;1(1):15-20.

Almeida ST, Soldera CLC, Carli GA, Gomes I, Resende TL. Análise de fatores extrínsecos e intrínsecos que predispõem a quedas em idosos. Rev Assoc Med Bras. São Paulo. 2012;58(4):427-433.

O`sullivan SB, Schimitz TJ. Fisioterapia: avaliação e tratamento. 2a ed. São Paulo: Manole; 1993.

Norkin CC, White J. Medida do movimento articular: manual de goniometria. 2a ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 1997.

Barbosa ÉG, Silva EAM. Fisioterapia na saúde mental: uma revisão de literatura. Ver Saud Física e Mental. 2014;3(2):12-30.

Silva RCB, Balk TMCS, Santos FM, Jesien S. Grupo de movimento terapêutico, o exercício físico como estratégia de intervenção na saúde mental. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão. 2015;7(4).

Pedroso VSP, Salgado JV, Teixeira AL. Sinais neurológicos sutis: uma revisão. J. bras. psiquiatr. 2010;59(3):233-237. DOI: DOI: 10.1590/S0047-20852010000300010

Chan RC, Gottesman II. Neurological soft signs as candidate endophenotypes for schizophrenia: a shooting star or a Northern star? Neurosci Biobehav Rev. 2008;32(5):957-71. DOI: 10.1016/j.neubiorev.2008.01.005

Spirduso WW. Physical dimensions of aging. Champaign, IL: Human Kinetics; 1995.

Fidelis LT, Patrizzi LJ, Walsh IAP. Influência da prática de exercícios físicos sobre a flexibilidade, força muscular manual e mobilidade funcional em idosos. Rev Bras Geriatr gerontol. 2013;16(1):109-16.

Jesus M, Resende F, Nunes ACL. Cuidado em saúde mental: perspectiva de atuação da fisioterapêutica. Fisiot Saude Func. 2013;2(1):3-5.

Lima ITLG, Mundim FSP. Enfoque fisioterapêutico na promoção de saúde para pacientes portadores de transtornos mentais: projeto saber viver -um relato de experiência. Cienc Contemporânea. 2016;1(1):61-71.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583437669

Direitos autorais 2019 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.