(Re)conhecimento dos profissionais da saúde sobre a reforma psiquiátrica

Daiane Magalhães Tolentino, Amanda de Lemos Mello, Daiana Foggiato de Siqueira, Marlene Gomes Terra

Resumo


Objetiva-se compreender a percepção da equipe multiprofissional das Unidades de Atenção Psicossocial dos Hospitais Gerais da 4ª Coordenadoria Regional de Saúde frente à Lei da Reforma Psiquiátrica. Pesquisa qualitativa realizada com 19 profissionais de saúde inseridos nas Unidades de Atenção Psicossocial dos Hospitais Gerais. Os dados foram coletados, por meio de entrevista semiestruturada, no período de junho e agosto de 2017 e submetidos à análise temática da qual emergiram duas categorias: possibilidades para atenção ampliada e caminhos a serem trilhados. Identificou-se a compreensão do cuidado, por parte dos profissionais, sob a lógica da integralidade. Os profissionais identificaram a estigmatização da pessoa com transtorno mental e a consequente dificuldade de acesso aos serviços da rede como obstáculos a serem superados. Concluiu-se sobre a importância da implementação da Educação Permanente em Saúde desde a formação, estendendo-se pela vida profissional.


Palavras-chave


Saúde Mental; Reforma Psiquiátrica; Pesquisa Qualitativa

Texto completo:

PDF

Referências


Oliveira, F. C. Da saúde à qualidade de vida: por um humanismo bakhtiniano. São Carlos: UFSCar, 2015.

Amarante, P. Loucos pela Vida: a Trajetória da Reforma Psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro, FIOCRUZ, 1995.

Brasil. Prevenção dos problemas relacionados ao uso de drogas: capacitação para conselheiros e lideranças

comunitárias/ Ministério da Justiça, Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. 6 ed. – Brasília, DF:senad-MJ/NUTEUFSC, 2014.

Arantes DJ, Toassa G. c, GO: Trajetória Histórica e Implantação dos primeiros serviços substitutivos. Rev. Psicologia

e Saúde, v. 9, n. 2, p. 47-60, maio/ago. 2017.

Brasil. Lei 10.216 de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais.

Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

Azevedo AO, Souza TP. Internação Compulsória de pessoas em uso de drogas e a Contrarreforma Psiquiátrica

Brasileira. Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 27 [ 3 ]: 491-510, 2017.

Fontanella, BJB, Luchesi BM, Saidel MGB, Ricas J, Turato ER, Melo DG. Amostragem em pesquisas qualitativas:

proposta de procedimento para constatar saturação teórica. Caderno Saúde Pública, 27 (2), 389-394, 2011.

Minayo MCS (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 34ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

Veloso TMG, Eulálio MC. Saúde Mental: saberes e fazeres – Campina Grande: EDUEPB, 2016.

Amarante P. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. FIOCRUZ, 2007.

Willrich JQ. A crise psíquica no discurso da Atenção Psicossocial: um acontecimento de saber, poder e subjetivação.

(tese). Rio Grande do Sul: UFPel, 2016.

Viegas SMF, Penna CMM. As dimensões da integralidade no cuidado em saúde no cotidiano da Estratégia Saúde da

Família no Vale do Jequitinhonha, MG, Brasil. Interface (Botucatu). 19(55):1089-100, 2015.

. Medeiros GT. et al. Educação Permanente em Saúde Mental: relato de experiência. Rev. Comunicação, Saúde e

Educação. 20(57);475.83, 2016.

Brasil. Cadernos HumanizaSUS. Volume 5: Saúde Mental– Brasília : Ministério da Saúde, 2015.

Covelo BSR. Et al. Laços entre família e serviços de Saúde Mental: a participação dos familiares no cuidado do

sofrimento psíquico. Interface: Comunicação saúde educação; 19(55):1133-44, 2015.

Oliveira EC. et al. O cuidado em saúde mental no território: concepções de profissionais da atenção básica. Escola

Anna Nery 21(3) 2017.

Silva G. et al. Práticas de Cuidado Integral às Pessoas em Sofrimento Mental na Atenção Básica. Psicologia: Ciência

e Profissão. v. 37 n°2, 404-417. Abr/Jun. 2017.

Amarante P, Torre EHG. Loucura e diversidade cultural: inovação e ruptura de arte e cultura da reforma psiquiátrica e

do campo da saúde mental no Brasil. Ver. Interface, Saúde e Educação. 21(63):763-74, 2017.

Belotti, M. et al. Família e atenção psicossocial: o cuidado à pessoa que faz uso abusivo de álcool e outras drogas.

Cad. Bras. Ter. Ocup., São Carlos, v. 25, n. 3, p. 617-625, 2017.

Baumkarten ST, et al. A Atenção Hospitalar ao usuário de crack: percepções dos familiares./ in.: Dalmolin, BM, Doring,

M (orgs). Crack e outras drogas: múltiplas facetas do cuidado em saúde mental. - Passo Fundo: Ed. Universidade de

Passo Fundo, 2014.

Dutra VFD. et al. Mediar a autonomia: um cuidado essencial em saúde mental. Escola Anna Nery 21(3) 2017.

Constantinidis TC, et al. Demanda e oferta no encontro entre profissionais de saúde mental e familiares de pessoas

com sofrimento psíquico. Ciência & Saúde Coletiva, 20(2):333-342, 2015.

Costa JRE et al. Para compreender a doença numa perspectiva de bioética. Centro Universitario São Camilo. 1

(2);103-110, 2007.

Brasil. Portaria 3.088 de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial. Brasília : Ministério da Saúde, 2011.

Pessoa. et al. A política de saúde mental no contexto do hospital psiquiátrico: Desafios e perspectivas. Escola Anna

Nery 20(1) Jan-Mar 2016.

Macedo JP. et al. A regionalização da saúde mental e os novos desafios da Reforma Psiquiátrica brasileira. Saúde

Soc. São Paulo, v.26, n.1, p.155-170, 2017.

Gama CAP. et al. Saúde Mental e Vulnerabilidade Social: a direção do tratamento Rev. Latinoam. Psicopat. Fund.,

São Paulo, 17(1), 69-84, mar. 2014.

Ponte AS, Bolli ACVB, Vogt MSL, Delboni MCC, Piovezan RA. Caracterização demográfica de usuários do ambulatório

de saúde mental de Santa Maria –RS. Saúde (Santa Maria), Santa Maria, Vol. 40, n. 2, Jul./Dez., p.105-114, 2014.

Monteiro JR. et al. Aspectos a considerar no cuidado na crise: construindo possibilidades em saúde mental em

diferentes dispositivos. In.: Dalmolin BM, Doring M, (orgs). Crack e outras drogas: múltiplas facetas do cuidado em saúde

mental. Ed. UPF. Rio Grande do Sul, Passo Fundo: 2014.

Merhy EE. A Perda da Dimensão Cuidadora na Produção da Saúde uma Discussão do Modelo Assistencial e da

Intervenção no seu Modo De Trabalhar a Assistência. In.: Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte – Reescrevendo o

Público; Ed. Xamã; São Paulo, 1998.

Baságlia F. A Instituição Negada: Relato de um Hospital Psiquiátrico - 2ª Edição. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

Oliveira MM, Campos GWS. Formação para apoio matricial: percepção dos profissionais sobre processos de

formação. Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 27 [ 2 ]: 187-206, 2017.

Furtado RP et al. Desinstitucionalizar o cuidado e institucionalizar parcerias: desafios dos profissionais de Educação

Física dos CAPS de Goiânia em intervenções no território. Rev. Saúde Soc. São Paulo, v.26, n.1, p.183-195, 2017.

Zanardo GLP, Leite LS, Cadoná E. Política de saúde mental no Brasil: reflexões a partir da lei 10.216 e da portaria

088. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, ISSN 1984-2147, Florianópolis, v.9, n.24, p.01-21, 2017.

Silva EKB. et al. Desinstitucionalização Psiquiátrica no Brasil: riscos de desresponsabilização do Estado?. R. Katál.,

Florianópolis, v. 17, n. 2, p. 252-260, jul./dez. 2014.

Furtado. et al. Desinstitucionalizar o cuidado e institucionalizar parcerias: desafios dos profissionais de Educação

Física dos CAPS de Goiânia em intervenções no território. Saúde Soc. São Paulo, v.26, n.1, p.183-195, 2017.

FERREIRA. TPS. et al. Produção do cuidado em Saúde Mental: desafios para além dos muros institucionais.

Comunicação Saúde Educação; 21(61):373-84, 2017.

Domingos JM. et al. Atuação na área de saúde mental: perspectiva de estudantes de um curso de graduação em

terapia ocupacional. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v. 24, n. 2, p. 305-314, 2016.

Brasil. Saúde Mental no SUS: as novas fronteiras da Reforma Psiquiátrica. Relatório de Gestão 2007/2010. Ministério

da Saúde – Brasília: DF, 2011.

CECCIM, R.B. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Rev. Interface - Comunic, Saúde,

Educ, v.9, n.16, pp.161-77; 2005.

Medeiros, AC. et al. Integralidade e humanização na gestão do cuidado de enfermagem na Unidade de Terapia

Intensiva. Rev. Escola de Enfermagem USP ·;50(5):817-823, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236583431072

Direitos autorais 2018 Saúde (Santa Maria)

Acessos desde 08/08/2013.

   

 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

ISSN 0103-4499 ∴ eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

Licença Creative Commons