Fisioterapia na UTI neonatal: as razões médicas utilizadas para prescrição de fisioterapia

Kelli Alves Figueirola, Thais Gularte, Paloma de Borba Schneiders, Elisabete Antunes San Martin, Taciana Guterres de Carvalho, Andréa Lúcia Gonçalves da Silva

Resumo


Objetivo: Investigar os critérios pelos quais os médicos plantonistas de uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal prescrevem a fisioterapia aos pacientes sob seus cuidados. Métodos: Estudo transversal, realizado junto aos médicos da unidade de terapia intensiva do Hospital Santa Cruz através da aplicação de um questionário estruturado. Resultados: 8 médicos participaram do estudo, sendo 06 do sexo feminino e 2 com especialização profissional em intensivismo. A experiência clínica e a evidência na literatura foram os critérios utilizados para a prescrição de fisioterapia, sendo as alterações respiratórias soberanas quanto aos principais motivos para prescrição médica, seguida de estimulação motora. Conclusões: Os critérios utilizados para a prescrição de fisioterapia se consolidam tanto na prática clínica quanto nas evidências na literatura, persistindo critérios claros específicos em terapia intensiva neonatal.


Palavras-chave


Fisioterapia; UTI; Neonatal; Prescrição; Critérios;

Texto completo:

PDF

Referências


Vasconcelos GAR, Almeida RCA, Bezerra AL. Repercussões da fisioterapia na unidade de terapia intensiva neonatal. Fisioterapia e Movimento. 2011; 24(1):65-73.

Nicolau C, Lahóz AL. Fisioterapia respiratória em terapia intensiva pediátrica e neonatal: uma revisão baseada em evidências. J Pediatr. 29(3):216-221, 2007.

Rio Grande do Sul. Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Resolução n° 402, de 03 de agosto de 2011. Disciplina a Especialidade Profissional Fisioterapia em Terapia Intensiva e dá outras providências. DOU.2011. Disponível em: http://www.coffito.org.br/publicacoes/pub_view.asp?cod=2132&psecao=9.

Silva APP, Formiga CKMR. Perfil e características do trabalho dos fisioterapeutas atuantes em unidade de terapia intensiva neonatal na cidade de Goiânia-GO. Revista Movimenta. 2010; 3(2):62-68.

Medeiros LGS, de Oliveira FCS, Guimarães JP, do Nascimento IMA. Fisioterapia respiratória em terapia intensiva neonatal. Revista Brasileira de Educação e Saúde. 2013; 3(3):14-19.

Sarmento G, Vega J, Lopes N. Fisioterapia em UTI. In: Fisioterapia em UTI. Atheneu, 2010.

Moriyama LT, Guimarães MLLG. Fisioterapia num hospital pediátrico. Pediat. 2:371-375, 1980.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.432, de 12 de agosto de 1998. Estabelece critérios de classificação para Unidades de Tratamento Intensivo – UTI. DOU. 1998. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/PORT98/GM/PRT-3432.pdf.

Hospital Santa Cruz, 2013. Disponível em: http://www.hospitalstacruz.com.br/maternidade/utineopediatrica/.

Gaiva MAN, Scochi CGS. Processo de trabalho e saúde enfermagem em uti neonatal. Rev Latino-Am Enfermagem. 2004; 12(3):469-76.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe de requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. DOU.2010. Disponível em: http://www.amib.org.br/pdf/RDC-07-2010.pdf.

Neves FBCS, Vieira PSPG, Cravo EA, Portugal TS, Almeida MF, Brasil ISPS et al. Motivos relacionados a escolha da medicina intensiva como especialidade por médicos residentes. Rev Bras Ter Intensiva. 2009; 21(2):135-40.

Kerlin MP, Courtright KR. A equipe da unidade de terapia intensiva e a qualidade do cuidado: desafios dos tempos de poucos intensivistas. Rev Bras Ter Intensiva. 2014; 26(3):205-7.

Lacerda JC, Barbosa AP, Cunha AJLA. Perfil profissional do intensivista pediátrico no Estado do Rio de Janeiro, sudeste do brasil. Rev Bras Ter Intensiva. 2011; 23(4):462-69.

Carneiro MB, Gouveia VV. O médico e o seu trabalho: aspectos metodológicos e resultados do Brasil. Brasília: Conselho Federal de Medicina. 2004.

Kletke PR, Marder WD, Silberger AB. The growing proportion of female physicians: implications for US physician supply. Am J Public Health. 1990;80(3):300-4.

Bagley CE, Gray PH, Tudehope DI, Flenady V, Shearman AD, Lamont AD. Routine neonatal postextubation chest physiotherapy. JPCH. 2005; 4:592-97.

Nicolau CM, Falcão MC. Efeitos da fisioterapia respiratória em recém-nascidos: Análise crítica da literatura. Rev Paul Pediatr. 2007; 25(1):72-5.

Nicolau, CM. Estudo das repercussões da fisioterapia respiratória sobre a função cardiopulmonar em recém-nascidos pré-termo de muito baixo peso. [Dissertação]. Universidade de São Paulo. 2006.

Campos AB, Gonçalves RC, Carvalho CRF. Avaliação dos critérios médicos para o encaminhamento de pacientes com disfunções neurológicas para atendimento fisioterapêutico. Fisioterapia e Pesquisa. 2006; 13(3):44-52.

Medeiros LGS, Oliveira FCS, Guimarães JP, Nascimento IMA. Fisioterapia respiratória em terapia intensiva neonatal. REBES. 2013;3(3):14-9.

Izidório SS, Meneghel K. Prevalência da abordagem fisioterapêutica e das principais disfunções na unidade de terapia intensiva neonatal do hospital Nossa Senhora da Conceição durante o segundo semestre de 2002. [2010 Out 28]. Disponível em: www.fisiotb.unisul.br/Tccs/03b/susana/artigosusanadesousa.pdf.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583427525

Direitos autorais 2018 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.