Doenças Ocupacionais: Contexto Histórico e Realidade Da Região dos Vales/Rs

Fernanda Oliveira Ulguim, Carine Muniz, Verônica Winik

Resumo


Objetivo: este artigo visa promover a reflexão, acerca dos fatores de risco para doenças e agravos à saúde dentro do ambiente de trabalho e suas implicações na sociedade. Método: serão apresentados dados, conforme notificações divulgadas pelo Informe Epidemiológico do CEREST/Vales. As informações compreendem o período de notificações registradas entre os anos de 2007 a 2010. Os resultados apresentados estão estratificados por coordenadoria, sexo, tipo de agravo, local do agravo e CBO. Resultados: observa-se que, embora a saúde do trabalhador esteja num momento de conquistas de classe, através de Leis, Portarias, Decretos, Normas Regulamentadoras e ações com foco direcionado para a prevenção, manutenção e promoção da saúde, ainda se faz necessário, aprofundar a discussão sobre o tema, pois só assim, caminharemos para a diminuição dos dilemas e paradoxos deste campo do conhecimento. 


Palavras-chave


Doenças ocupacionais; Saúde do trabalhador; Promoção da saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Rosa MA. Acidentes de trabalho e doenças ocupacionais. 2007. 110f. Monografia (Graduação Curso de Direito) –

Universidade Federal do Paraná, 2007.

Silva EHDR, Daniel BH, Oliveira DB. Os sistemas de gestão em segurança e saúde no trabalho em auxílio à prevenção

de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde. 2012; 1(2): 157-172.

Sotero ACS, Lungwtz MP, Pauferro NBC, Lanza LB. Aplicações de um instrumento de registro da assistência

sistematizada de enfermagem em saúde ocupacional em uma empresa de metalurgia. Revista da Faculdade de Ciências

Médicas de Sorocaba. 2013; 15(4): 109-111.

Ferreira BLA, Neto FGV, Franco HMSL, Souza IOP, Mota JDT, Polido JA, et al. Segurança no trabalho: uma visão geral.

Cadernos de Graduação – Ciências Exatas e Tecnológicas. 2012; 1(15): 95-101.

Cerest, Centro Regional de Referência em Saúde do Trabalhador da Região dos Vales, 2014. Disponível em: ˂http://

www. cerestvales.com.br˃. Acesso em: 27 de Novembro de 2014.

Minayo-gomez C, Machado JMH, Pena PGL. (Org). Saúde do trabalhador na sociedade brasileira contemporânea. Rio

de Janeiro: Fiocruz, 2011.

Lacaz, FAC. O campo saúde do trabalhador: resgatando conhecimentos e práticas sobre relações saúde-trabalho.

Caderno de Saúde Pública. 2007; 23(4):757-66.

Brasil. Decreto n. 7.602, de 7 de novembro de 2011. Dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no

Trabalho – PNSST; nov. 2011.

Chiavegatto CV, Algranti E. Políticas públicas de saúde do trabalhador no Brasil: oportunidade e desafios. Rev Bras de

Saúde Ocupacional. 2013; 38(127).

Minayo-gomez C, Thedim-costa SM. A construção do campo saúde do trabalhador: percurso e dilemas. Caderno de

Saúde Pública. 1997; 13(2): 21-32.

Cardoso, FAM. Percepção dos funcionários de uma fábrica de calçados quanto à qualidade de vida no trabalho.

22 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Departamento de Administração e Economia – Curso de Administração) -

Universidade Estadual da Paraíba, Paraíba, 2014.

Robbins SP, Judge TA, Sobral F. Comportamento Organizacional: teoria e prática no contexto brasileiro. 14ª ed. São

Paulo: Pearson, 2011.

Aguiar CHA, Neves FC, Araújo MM. O ambiente e as doenças do trabalho: percepção dos principais sintomas de

desconforto/dor, relacionados aos aspectos ergonômicos na prática odontológica. Revista Tecnologia & Informação.

; 1(1).

Militão A. A Influência da Ginástica Laboral para a Saúde dos Trabalhadores e sua Relação com os Profissionais que

a Orientam. 2001. 86 f. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção – Mestrado)

- Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

Torres ARA, Chagas MIO, Moreira ACA, Barreto ICHC, Rodrigues EM. Adoecimento no trabalho: repercussões na

vida do trabalhador e sua família. Sanare. 2011; 10(1): 42-48.

Brasil, Ministério da Saúde. Departamento de Ações programáticas e Estratégicas. Área Técnica de Saúde do

Trabalhador. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT).

Souza NSS, Santana VS, Albuquerque-Oliveira PR, Barbosa-Branco A. Doenças do trabalho e benefícios

previdenciários relacionados à saúde, Bahia, 2000. Revista de Saúde Pública. 2008; 42(4): 630-638.

Oliveira PRA. Segurança e saúde no trabalho – SST e a Previdência Social: a nova metodologia de financiamento

dos benefícios acidentários. Informe de Previdência Social. 2004; 16(6): 1-8.

Picoloto D, Silveira E. Prevalência de sintomas osteomusculares e fatores associados em trabalhadores de uma

indústria metalúrgica de Canoas - RS. Ciência & Saúde Coletiva. 2008; 13(2): 507-516.

Monteiro MS, Alexandre NMC, Rodrigues CM. Doenças músculo-esqueléticas, trabalho-esqueléticas, trabalho e

estilo de vida entre trabalhadores de estilo de uma instituição pública de saúde. Revista da escola de enfermagem da

USP. 2006; 40(1): 20-25.

Silva JL, Navarro VL. Organização do trabalho e saúde de trabalhadores bancários. Rev Latino-Am de Enfermagem.

; 20(2): 226-234.

Preza DLC, Augusto LGS. Vulnerabilidades de trabalhadores rurais frente ao uso de agrotóxicos na produção de

hortaliças em região do Nordeste do Brasil. Rev Bras de Saúde Ocupacional. 2012; 37(125): 89-98.

Selmi GFR, Trape AZ. Proteção da saúde de trabalhadores rurais: a necessidade de padronização das metodologias

de quantificação da exposição dérmica a agrotóxicos. Cadernos de Saúde Pública. 2014; 30(5): 952-960.

Lopes AC, Otowiz VG, Lopes PMB, Lauris JRP, Santos CC. Prevalence of noise-induced hearing loss in drivers.

International Archives of Otorhinolaryngology. 2012; 16(4): 509-14.

Andrade PS, Cardoso TAO. Prazer e dor na docência: revisão bibliográfica sobre a Síndrome de Burnout. Saúde &

Sociedade. 2012; 21(1):129-140.

Magalhaes FJ, Mendonça LBA, Rebouças CBA, Lima FET, Custódio IL, Oliveira SC. Fatores de risco para doenças

cardiovasculares em profissionais de enfermagem: estratégias de promoção da saúde. Rev Bras de Enferm. 2014; 67(3):

-400.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância a Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3ª ed.

Brasília; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.823, de 23 de agosto de 2012. Institui a Política Nacional de Saúde do

Trabalhador e da Trabalhadora. Ago. 2012.

Silva PSC. Programas de promoção da saúde do trabalhador e suas influências: uma revisão de literatura. Revista

Eletrônica Gestão & Saúde. 2014; 2(5): 727-752.

Bergamaschi EC, Deutsch S, Ferreira EP. Ginástica Laboral: possíveis implicações para as esferas física, psicológica

e social. Atividade Física e Saúde. 2002; 7(3):11-24.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583424780

Direitos autorais 2019 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.